‘Terra para quem nela trabalha’ (Revista Internacional Comunista, abril 2021)

Proletários de todos os países, uni-vos!

Texto publicado na revista Communist International – Internacional Comunista no dia 22/04/2021.

Tradução: Alejandro A.

O imperialismo em escala mundial se encontra em uma crise geral e última, em estado mais avançado de decomposição, tanto nos países imperialistas (países opressores) quanto nos de capitalismo burocrático, que foram gerado pelo imperialismo sobre a base semifeudal, nas nações oprimidas do Terceiro Mundo.

O imperialismo ianque é o mais monopolista, mais parasitário e mais agonizante, dessa forma, é o que mais expressa essa decomposição. O imperialismo ianque, a superpotência hegemônica única, o autodenominado policial contrarrevolucionário mundial e inimigo principal dos povos do mundo, se encontra em um longo mas inevitável processo de declínio como todos os impérios anteriores. Existem outros imperialistas que não ficam muito atrás, como a superpotência atômica russa (“o cachorro magro”), que busca recuperar seu status de superpotência, e as potências que também estão nos calcanhares como a Alemanha, China social-imperialista, etc. O conluio e pugna imperialista se intensificam por uma nova partilha e os espólios a serem repartidos são as nações do Terceiro Mundo. O imperialismo se afunda em uma série complexa de guerras de todo tipo, indo de fracasso em fracasso.

Continuar lendo “‘Terra para quem nela trabalha’ (Revista Internacional Comunista, abril 2021)”

“O EGPL é nosso professor, nosso protetor, o EGPL somos nós!”

Entrevista publicada no jornal People’s March em outubro de 2020.

Tradução: Alejandro A.

Este ano é o vigésimo aniversário do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL). É de conhecimento de todos que o EGPL é o Exército Popular formado e guiado pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta). O EGPL é descrito de muitas formas por muitos. Mas como um membro do próprio EGPL o descreve? Este artigo busca trazer a expressão de alguns membros do EGPL sobre o que acham do próprio EGPL.


Quando questionados, alguns dos membros entrevistados do EGPL disseram que vieram a conhecer o Exército Popular somente após ingressar nele. Em casa, eles o conheciam apenas como um esquadrão e que ele luta contra os inimigos e protege o povo. Após entrarem no EGPL, eles disseram –

“Eu aprendi a ler e escrever”; “Eu comecei a conhecer o mundo”; “Eu aprendi a como lutar contra o inimigo”; “Eu aprendi a servir o povo”; “Eu aprendi disciplina”; “O EGPL está trabalhando pela libertação dos oprimidos, então deverei trabalhar para servir o povo”; O EGPL me transformou em um Revolucionário Profissional”; “Eu pude superar o patriarcado nas ideias que a sociedade me impôs, agora eu posso andar livremente sem medo entre os homens”.

Continuar lendo ““O EGPL é nosso professor, nosso protetor, o EGPL somos nós!””

Acerca do trabalho de frente no processo da reconstituição

Hoje, publicamos um importante documento lançado na edição de número 80 da revista maoísta Posição de Classe (Klassenstandpunkt, no 80), este documento é uma observação preliminar onde se tratada do importante problema da reconstituição do Partido Comunista da Alemanha (PCA) em relação a qual se aborda a questão da Frente em um país imperialista; na prática, como deve ser a Frente no processo de reconstituição.

Redação CI-IC.ORG

“Os espíritos nobres, sublimes e sinceros da revolução reconhecem e respeitam, acima de todas as barreiras ideológicas, a solidariedade histórica dos seus esforços e suas obras. Pertence às mentes pequenas, sem horizontes e sem asas, às mentalidades dogmáticas que querem petrificar e imobilizar a vida em uma fórmula estrita, o privilégio da incompreensão e o egoísmo sectário.”

José Carlos Mariátegui

Tradução: Alejandro A.

Prefácio

Como parte da luta ideológica dentro do movimento revolucionário, nós publicamos uma crítica sobre um artigo escrito pela Construção Comunista (Communist Construction, KA). Esta crítica,assim como o artigo criticado, devem ser compreendidos como parte da luta para unificar os revolucionários na Alemanha em uma base ideológica sólida e clara.


Como firmes defensores do materialismo dialético, nós defendemos que os partidos políticos,grupos e organizações, são expressões da realidade objetiva da luta de classes. Os comunistas são a expressão da luta de classe do proletariado. Que hoje os comunistas em formação avançam na luta pela reconstituição do glorioso Partido Comunista da Alemanha (PCA) e isso não se deve pelo acaso ou devido a habilidades individuais de algum gênio, e sim pelo clamor da classe pela sua vanguarda. A principal contradição na Alemanha é aquela entre o proletariado e a burguesia e o proletariado sem liderança é incapaz de organizar sua luta e não possuem chance sem seu Secretariado Geral. Portanto, a principal necessidade da luta de classe do proletariado é a reconstituição do seu Partido. De acordo, a principal tarefa para todos que desejam servir aos interesses do proletariado é lutar por esta causa.

Continuar lendo “Acerca do trabalho de frente no processo da reconstituição”

Eleições no USA: Persuadindo o Povo a Aceitar o “Menos Pior”!

Tradução não-oficial.

Texto publicado na imprensa popular Yeni Demokrasi, ou Nova Democracia (Turquia), ligada ao Partido Comunista da Turquia/Marxista-Leninista (TKP/ML).

O Pântano Onde Bob Avakian Caiu! O Beco sem saída do Partido Comunista das Filipinas!

O sistema imperialista estadunidense foi arrastado para uma crise política junto com a crise econômica que eclodiu em 2008, porque a crise de 2008 não foi uma simples crise financeira e de produção. Esta crise tem um caráter muito extenso e profundo, o que mostra que o modelo de acumulação de todo um sistema está cada vez mais difícil de se manter, levando a uma discussão acerca de novos modelos de acumulação de capital.

Vê-se que a crise de 2008 foi levada até os dias atuais, com quase todos os seus efeitos e continuidade. Na economia, vê-se que, após o grande terremoto, continuam as intermináveis ondas de choque resultantes deste, e que um novo e mais destrutivo terremoto está chegando. Viu-se que este quadro tem um efeito multiplicador sobre a crise política do sistema imperialista. Há uma grave crise econômica e política que se estende do Oriente Médio Ampliado à África, da Extrema Ásia ao Cáucaso, da América Latina aos centros imperialistas, dos Balcãs à Europa Oriental.

Este ambiente de crise não só afetou as contradições inter-imperialistas e as relações entre os imperialistas e suas semicolônias, mas também afetou a luta entre as camarilhas internas dos países imperialistas. Em geral, nos deparamos com a situação de que o sistema imperialista-capitalista mundial está em uma profunda crise política, e esta crise não vai parar.

Continuar lendo “Eleições no USA: Persuadindo o Povo a Aceitar o “Menos Pior”!”

Sobre a derrota de Donald Trump nas eleições presidenciais estadunidenses

Um artigo publicado pelo Partido Comunista das Filipinas sobre o caráter de classe das eleições estadunidenses, e o significado da vitória de Biden sobre Trump, em particular, frente aos protestos populares antirracistas e contra o governo de Trump.

O povo estadunidense merece elogios por votar contra o presidente americano Donald Trump nas eleições presidenciais recentemente concluídas, e evitar outros quatro anos de fascismo, militarismo, racismo, misoginia e fanatismo trumpista. Ainda que a disputa eleitoral fosse apertada, assistiu-se à derrota de um presidente em exercício. Qualquer tentativa de Trump de questionar e reverter os resultados através de manobras legais será certamente enfrentada com maior resistência.

As eleições foram realizadas em meio à crítica generalizada ao governo Trump, ao descaso e à resposta à pandemia de COVID-19, que resultou em um grande número de mortes e infecções entre o povo estadunidense. O governo implementou políticas econômicas que promoveram cortes de impostos e maior concentração da riqueza nas mãos dos capitalistas monopolistas e causaram o desemprego generalizado, baixos salários, falta de acesso aos serviços públicos, endividamento, falta de moradia e outros males sociais a milhões de estadunidenses da classe trabalhadora.

Continuar lendo “Sobre a derrota de Donald Trump nas eleições presidenciais estadunidenses”

Métodos de trabalho nos Comitês do Partido (Mao Tsetung, 1949)

Proletários de todos os países, uni-vos!

Métodos de trabalho nos Comitês do Partido*

13 de março de 1949

1 – O secretário de um comitê do Partido deve saber atuar como um bom “chefe de esquadra”. Um comitê do Partido tem dez a vinte membros; é comparável a uma esquadra do exército, e o seu secretário é como o “chefe de esquadra”. Na verdade, não é fácil dirigir bem essa esquadra. Atualmente, cada birô ou sub-birô do Comitê Central dirige uma grande região e assume tarefas muito pesadas. Dirigir não significa apenas decidir sobre a orientação geral e as medidas políticas específicas, mas também definir os métodos de trabalho corretos. Ainda que a orientação geral e as medidas políticas específicas sejam corretas, podem surgir problemas se se descuram os métodos de trabalho. Para cumprir as suas tarefas de direção, os comitês do Partido devem apoiar-se nos “homens da esquadra” e habilitá-los a desempenhar-se inteiramente do seu papel. Para ser um bom “chefe de esquadra”, o secretário deve estudar com afinco e investigar profundamente. Um secretário ou vice-secretário só achará difícil dirigir bem os homens da sua “esquadra” se não cuidar do trabalho de propaganda e de organização entre estes, se não souber manter boas relações com os membros do comitê ou se não estudar a maneira de realizar reuniões com sucesso. Se os “homens da esquadra” não marcharem na mesma cadência, então será melhor nem pensarem em poder dirigir centenas de milhões de homens no combate e na edificação. É claro que as relações entre o secretário e os membros do comitê se baseiam no princípio de que a minoria deve obedecer à maioria, e diferem, portanto, das relações de um chefe de esquadra e seus homens. Tudo o que dissemos foi apenas por analogia.

2 – Pôr os problemas na mesa. Isto é o que devem fazer não só o “chefe de esquadra”, mas também os membros do comitê. Não falar pelas costas seja de quem for. Assim que surge um problema, convoque-se uma reunião, ponham-se os problemas na mesa para que sejam discutidos, tomem-se decisões, e os problemas ficarão resolvidos. Se os problemas existem e não são postos na mesa, eles ficam durante muito tempo sem solução podendo mesmo arrastar-se por vários anos. Entre o “chefe de esquadra” e os membros do comitê deve haver compreensão mútua. Nada é mais importante do que a compreensão, o apoio e a amizade entre o secretário e os membros de um comitê, entre o Comitê Central e os seus birôs, bem como entre os birôs do Comitê Central e os comitês regionais do Partido. No passado, nós prestávamos pouca atenção a este ponto, mas, a partir do VII Congresso do Partido, realizaram-se grandes progressos a este respeito, e os laços de amizade e a unidade foram consideravelmente reforçados. Para o futuro, devemos continuar a prestar uma atenção constante a este assunto.

Continuar lendo “Métodos de trabalho nos Comitês do Partido (Mao Tsetung, 1949)”

Sobre a invasão do Capitólio em 6 de janeiro (Revista Internacional Maoista, 2021)

Tradução não-oficial.

Proletários de todos os países, uni-vos!

6 de janeiro no USA – Símbolo da crise da democracia

Este artigo é o resultado da aplicação de nossa posição e concepção Marxista-Leninista-Maoísta, com as contribuições universais do Presidente Gonzalo à revolução proletária mundial, aos acontecimentos que se desenrolam na luta de classes no país que é a única superpotência imperialista hegemônica, na outra colina, e às consequências dos acontecimentos para o proletariado e para o povo. Reafirmamos que a tarefa dos comunistas que enfrentam tal situação é reconstruir persistentemente o partido para lançar a guerra popular na barriga da besta, para desenvolver a revolução socialista no Estados Unidos – USA como parte e a serviço da revolução mundial do proletariado.

Em 6 de janeiro, houve uma marcha dos apoiadores de Trump ao Capitólio após um discurso do ainda eminente presidente estadunidense Donald Trump em um comício em Washington. Esta foi a última tentativa de Donald Trump de conseguir um segundo mandato. Um segundo mandato no qual, presumivelmente, Trump teria dado um salto na questão do absolutismo presidencial.

O sistema de fraude eleitoral ianque – devemos chamá-lo do que é, que não atende aos padrões básicos das eleições burguesas (um cidadão – um voto) através do sistema dos chamados votos dos colégios eleitorais, que sistematicamente privilegia os ricos e desfavorece os pobres através da alocação “legal” dos distritos eleitorais e dos postos de votação, entre outras coisas, bem como critérios de admissão restritivos para os eleitores, e que também concorre com manipulação não legal, como a eleição presidencial de 2004 demonstrou claramente – concedeu um mandato a Donald Trump. Um segundo mandato, porém, seria negado ao mesmo, o que aparentemente foi determinado desde cedo e levou às declarações de Trump a respeito do que ele temia ser “fraude eleitoral”, em sua desvantagem.

Continuar lendo “Sobre a invasão do Capitólio em 6 de janeiro (Revista Internacional Maoista, 2021)”

Lenin: ‘Funcionar tudo à maneira militar!’

Proletários de todos os países, uni-vos!

Todos à luta contra Denikin!

Carta do Comitê Central do PC(b) da Rússia às organizações do partido.

Camaradas: chegou um dos momentos mais críticos, inclusive, provavelmente o mais crítico para a revolução socialista. Os que defendem os exploradores, os latifundiários e capitalistas, seus defensores russos e estrangeiros – em primeiro lugar ingleses e franceses – fazem desesperadas tentativas para restabelecer na Rússia o poder dos latifundiários e exploradores, os saqueadores do trabalho do povo, para consolidar seu poder, que está vindo abaixo no mundo inteiro. Os capitalistas ingleses e franceses fracassaram em seu plano de conquistar a Ucrânia por meio de suas tropas próprias; fracassaram em seu apoio a Kolchak na Sibéria; o Exército Vermelho, avançando heroicamente nos Urales com a ajuda dos operários daquela região que se alçam em armas como um só homem, se aproxima da Sibéria para libertá-la do julgo inaudito e da ferocidade dos capitalistas, donos e senhores daquela comarca. Por último, os imperialistas ingleses e franceses fracassaram também em seu plano de apoderar-se de Petrogrado por meio de uma conspiração contrarrevolucionária na qual participaram monárquicos russos, democratas constitucionalistas, mencheviques e eseristas, sem excluir tampouco os eseristas de esquerda.

Agora os capitalistas estrangeiros fazem tentativas desesperadas para restaurar o jugo do capital mediante a expedição encabeçada por Denijin, igual a como fizeram a Kolchak, proporcionando-lhe oficiais, abastecendo-lhe de material, munições, tanques etc. etc.

Todas as forças dos operários e camponeses, todas as forças da República Soviética devem por-se em tensão para rechaçar e derrotar a Denikin, sem suspender a ofensiva vitoriosa do Exército Vermelho sobre os Urales e Sibéria. Aí está a tarefa do momento.

Todos os comunistas, ante tudo e sobretudo, todos os simpatizantes, todos os operários e camponeses honrados, todos os trabalhadores dos organismos soviéticos devem colocar-se em pé de guerra para consagrar o máximo de seu trabalho, de seus esforços e preocupações às tarefas imediatas da guerra, à tarefa de rechaçar rapidamente a expedição de Denikin, reduzindo e reorganizando, subordinando a esta tarefa todas as demais atividades.

Continuar lendo “Lenin: ‘Funcionar tudo à maneira militar!’”