Comunicado conjunto do 1º de Maio de 2015 (Organizações maoistas ao redor do mundo)

Nota do blog: Publicamos em sequência, com grande entusiasmo, esperança e satisfação, o comunicado conjunto dos comunistas de todas as partes do mundo em ocasião do 1º de Maio neste 2015. Com tom de internacionalismo, moral elevada e aptidão para tomar o poder das velhas classes que sujam todas as relações sociais existentes, vinte e nove organizações espalhadas ao redor de quatro dos cinco continentes habitados do mundo mostraram estar comprometidas com os povos oprimidos do mundo, proclamando estes últimos a levantarem-se contra os seus algozes, de armas em punho, a estabelecer um novo Poder para uma nova sociedade. Eis que o movimento internacional dos comunistas e revolucionários, a verdadeira ameaça aos bastiões da opressão e da exploração no mundo, mostra-se de pé outra vez, ou pelo menos caminha para este fim, para que cada povo oprimido do mundo se espelhe em seus feitos e libertem-se das velhas companhias imperialistas que lhes sugam o suor e sangue e de toda a opressão existente.
Para informar os patriotas, democratas, estudantes, aos povos revolucionários oprimidos dentro do Brasil (indígenas, etc.) e todas as massas em geral, reproduzimos este inestimável manifesto que nos inspira moral e entusiasmo.
Versão traduzida pelo blog Servir ao Povo de Todo Coração – Link original, em Galiza: http://dazibaorojo08.blogspot.com.br/2015/04/comunicado-conxunto-do-1-de-maio.html


Comunicado conjunto do 1º de Maio de 2015


Proletários de todos os países, uni-vos!

1º de Maio Vermelho e Internacionalista!

Crise, guerras, repressão, opressão, desemprego, pobreza!

Proletários e povos oprimidos, unamo-nos e tomemos o futuro nas nossas mãos!

…Viva a Revolução!

O imperialismo segue atravessando uma profunda crise econômica e descarregando-a sobre o proletariado e os povos do mundo. Falam de recuperação, mas o único que se recupera é a corrida por ganancias, riquezas e armas.

Em vez disso, para os proletários, os camponeses pobres e outras massas populares de todos os países do mundo, vemos o desemprego, leis trabalhistas que aumentam a precarização, a exploração e escravidão, a miséria, o saque de matérias-primas e recursos energéticos, devastação ambiental e territorial.

Os jovens sem trabalho são agora a maioria, apesar de seu crescimento educacional e cultural.

As novas tecnologias são utilizadas para fazer mais lucros, intensificar a exploração e o domínio e controle sobre os trabalhadores e para aumentar o poder destrutivo das armas.

Contra esta situação os proletários e as massas do povo se rebelam nos países imperialistas assim como nos países oprimidos pelo imperialismo. Os proletários e as massas não podem aceitar condições de vida e de trabalho cada vez piores; uma vida de penúrias sem esperança num futuro e odeiam cada vez mais seus opressores e algozes.

Nos países oprimidos, os operários, camponeses e jovens tomaram várias vezes as ruas desafiando a feroz repressão para resistir aos ataques às suas condições de vida; o campesinato, força principal da revolução de Nova Democracia, resiste às mais reacionárias políticas anti-camponesas de deslocação e aniquilamento, e persiste na luta pela terra contra as velhas e novas formas de dominação semifeudais, base da dominação imperialista.

Nos países imperialistas as rebeliões de jovens e imigrantes, de Ferguson a Estocolmo, às banlieus de Paris, as lutas gerais dos trabalhadores, muitas vezes enfrentam o aparelho repressivo do Estado.

Tudo isto mostra que a Revolução, como tendência e necessidade, está emergindo cada vez mais a se chocar com a reacionarização e fascistização dos governos de Estados.

Em todas as partes, nas lutas e Guerras populares, avança o protagonismo das mulheres para suprimir a odiosa opressão de classe e de gênero que enche as ruas do mundo de violações, feminicídios, e para exigir uma Revolução que seja verdadeiramente libertadora.

Para enfrentar e conjurar a rebelião popular, o imperialismo, os seus Estados, os seus governos, tanto de direito como duma pretendida “esquerda”, respondem com repressão feroz, massacres, perseguição, demagogia e manipulação; criam estados policiais que suprimir liberdades políticas, sociais e individuais, em vão uma tentativa de deter a onda popular e a organização revolucionária das massas.

Eles também empregaram o chamariz da farsa eleitoral dos reformistas, social-democratas e revisionistas para conter a fúria das massas dentro do sistema reacionário.

Estas forças fomentam a ilusão de que algum governo “a favor do povo” pode superar os estragos da crise; por exemplo, na Grécia, a máxima expressão da crise na Europa, forças da nova social-democracia como SYRIZA, chegam ao poder como um último recurso, mas não são capazes de alçar contra os ditadores do capital europeus e os bancos nem de dar resposta às necessidades e lutas das massas.
Além disso, se o serviço realizado ao imperialismo por tais forças farsantes permanece ainda como um obstáculo, em muitos países as massas respondem com a intensificação da luta de classes e a crescente abstenção em massa e o boicote [à farsa eleitoral].

Na Ucrânia e a reacionária Europa oriental, também avançam forças de tipo nazista, com apoio do USA, União Europeia e da OTAN, num marco de confrontação interimperialista com a Rússia de Putin.
As massas estão de forma justa lutando contra o fascismo e o imperialismo ocidental, mas necessitam de uma autêntica direção comunista para não ser peões do expansionismo do imperialismo russo.

A rebelião do proletariado e das massas exigem uma mudança radical e o único meio para lograr é a derrubada, com armas em mãos, das classes dominantes e a construção de uma nova sociedade livre de exploração, opressão e imperialismo.

Dentro da crise, as contradições interimperialistas agudiza-se e a tendência para uma nova guerra pela repartição mundial faz mais e mais insistente ainda que a contradição entre o imperialismo e os povos e nações oprimidas segue sendo a contradição principal no mundo e a Revolução segue sendo a tendência principal e encarna-se numa potencial nova onda da Revolução proletária mundial.

Para converte-se em exitosas Revoluções de Nova Democracia nos países oprimidos pelo imperialismo em marcha ao socialismo – e em revolução proletária e socialista nos países imperialista em marcha ao comunismo, as rebeliões das massas necessitam em cada país de um autêntico Partido Comunista revolucionário, uma frente única de todas as massas exploradas e oprimidas dirigidas pelo proletariado, e um Exército Popular revolucionário.

Onde as massas carecem destas ferramentas, as suas lutas valentes e heroicas são derrotadas e/ou são presas de forças reacionárias, sempre ligadas ao sistema imperialista, forças que não as podem libertar de suas cadeias sociais, econômicas e políticas.

O imperialismo, em nome da luta contra o terrorismo, desata guerras e o terror local. Mas o imperialismo é o autêntico terrorismo, o monstro ao que devemos combater e derrubar.

O que há hoje no mundo que seja pior que o imperialismo?

O imperialismo, especialmente ianque, intensifica a política de guerra, invasão e agressão no Iraque, Afeganistão e fomenta as guerras na Síria, Líbia, Yemen e em todo o Oriente Médio e Ásia Ocidental. Responde às revoltas populares nos países árabes, instalando no poder as forças que continuam a política dos velhos déspotas e regimes, como no Egito, em confabulação e aliança com o gendarme sionista Israel, e outros regimes reacionários na região, desde Turquia a Irã, até a Arábia Saudita.

Nestas guerras e intervenções [os Estados Unidos, especialmente] armam as forças reacionárias feudais que depois se voltam contra ele, levando a guerra para dentro dos próprios países imperialistas com ferozes ataques [do tipo terrorista] que minam a segurança e a força desses Estados, nos quais existem massas e setores de imigrantes rebeldes que odeiam o imperialismo.

No terreno onde se desenvolveram estas intervenções diretas e indiretas, o imperialismo continua aplicando a sua política de Guerra de Baixa Intensidade (GBI), com agentes e quadros para enfrentar massas contra massas, para desviar o alvo das lutas dos povos oprimidos de seu inimigo principal, com o objetivo de dividir a frente única anti-imperialista como agora na Síria enfrentando massas árabes e curdas.

Onde o ISIS avança, as massas combatem e resistem, como as massas curdas, com um papel dirigente das mulheres, na vanguarda em Rojava, Kobane. Mas só combatendo através da Guerra Popular, não só ao ISIS senão também ao imperialismo e aos regimes reacionários da região, as massas podem libertarem-se da opressão nacional e social.

A burguesia e os seus intelectuais sofisticados, nas cidadelas imperialismo do mesmo jeito que nos centros de cultura dos países oprimidos pelo imperialismo, alegram-se do que eles denominam o enterro da classe operária e de sua ideologia poderosa traçada por Marx, Engels, Lenin, Stalin e Mao. Mas em todos os cantos do mundo assistimos a uma recuperação gigantesca da luta operária, classista e combativa que sacode as cidadelas do capital, também na China, assim como em todos os países do suposto desenvolvimento do capital – os chamados países emergentes.

Dentro do sistema imperialista, grandes países como Brasil, Turquia, etc. Estão atravessando por grandes lutas dos operários, camponeses e outras massas, e mostram como o crescimento econômico destes países sob julgo do imperialismo fazem “gigantes com pés de barro” e terra de Revolução.

Não há lugar no mundo que não assista as tensões e agudizações da luta de classes.

Neste marco, a Guerra Popular dirigida pelos Partidos marxistas-leninistas-maoistas, é a única referência estratégica da luta de libertação.

A Guerra Popular na Índia, golpeando diretamente num dos maiores bastiões do imperialismo e da reação no mundo, suscitou um grande entusiasmo entre as massas revolucionários do mundo inteiro e converteu-se num poderoso ponto de encontro internacionalista. Junto com as Guerras Populares nas Filipinas, Peru e Turquia, continua minando o imperialismo e mostra o caminho para a derrubada do sistema de exploração e opressão do imperialismo e das forças reacionárias feudais e para a construção de um novo poder e sociedade.

Os comunistas marxistas-leninistas-maoistas do mundo devem construir e fortalecer Partidos Comunistas para cumprir as suas tarefas de direção e desenvolvimento, livrando-se das suas fileiras as tendências revisionistas e capitulacionistas como o prachandismo no Nepal, o avakianismo no USA, a Linha Oportunista de Direita, em todas as suas formas, no Peru, etc., sem cair, ao mesmo tempo, no estéril revolucionarismo pequeno-burguês e o dogmatismo.

A construção dos Partidos Comunistas deve dar-se no lume da luta de classes em estreita ligação com as massas, em função da luta revolucionária pelo poder.

Este 1º de Maio de 2015 chamamos a levantar alto e forte a bandeira vermelho do comunismo e da Revolução em todas as manifestações, em todas lutas antiimperialistas no mundo, trazendo e renovando com força o lema: “Proletários e povos oprimidos do mundo, uni-vos!”

Unamo-nos para deter as guerras imperialistas e reacionárias, para esmagar o imperialismo e a reação de todo o mundo!
Saudemos aos mártires do povo e da Revolução, apoiemos a luta e a liberdade dos presos políticos revolucionários e comunistas de todo o mundo!
Promovamos o autêntico internacionalismo proletário na direção das lutas proletárias e nas lutas dos povos para criar as condições e avançar a uma organização internacional dos comunistas.
Apoiemos as Guerras Populares até a vitória!
Tomemos o futuro do comunismo nas nossas mãos!

 

[Partidos que assinaram a nota]
Comité Edificando um Partido Comunista Maoísta, Galicia – Estado Espanhol
Comitês de Fundação do Partido Comunista (Maoista), Áustria
Partido Comunista do Brasil  (Fração Vermelha) – PCB (FV)
Partido Comunista do Equador (Sol Rojo) – PCE (SR)
Partido Comunista da Turquia / Marxista-Leninista
Comunista do Afeganistão (Maoista);
Movimento Comunista da Sérvia
Partido Comunista da Índia (Maoista)
Democracia e Luta de classe – Estado britânico
Grande Agitação WSRP – País de Gales/Estado britânico
Coletivo Maoísta Iraniano
Longa Marcha Rumo ao Comunismo (Espanha);
Novo Partido Comunista (Comitê Liaison), USA
Grupo Comunista Maoísta, USA
Movimento Maoísta Comunista, Tunísia
Partido Comunista Maoísta de Manipur
Partido Maoísta Comunista da Itália;
Liga Revolucionária Maoísta – Sry Lanka
Comitê de Construção do Partido Marxista-leninista-maoísta – MLM-PAK, Alemanha
Movimento Popular Peru (Comitê de reorganização)
Blogs comunista vermelho
Fração Vermelha do Partido Comunista do Chile – FV CPC – PPM (CR)
Bloco Vermelho (Unidade de maoístas), França
Partido Comunista Revolucionário (PCR-RCP Canadá);
Revolucionário Intelectual -culturais Frontal, Nepal
Revolucionário Praxis – Reino Unido
Servir aos povos – Liga Comunista da Noruega
Servir Le Peuple – Sheisau Sorelh – Occitany – Estado francês;
Trabalhadores de voz – Malásia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s