Opinião: “Viva à cultura que emerge do povo!”

Nota do blog: Texto do companheiro Gomes Gamarra sobre a cultura popular e o velho Estado, destinado à seção Opiniões.


O povo preto das periferias e do interior sempre foi muito talentoso e criativo, tendo o gueto originado artistas de talento incontestável, isso vem desde os pioneirismo com o jazz e o blues, até hoje com grafiteiros, danças, rap etc.

A arte é fundamental para o povo se expressar e para entreter-se desenvolvendo sua cultura na medida que participa ativamente ou/e interage, porém para o nosso povo as dificuldades são sempre maiores. Nossas manifestações populares sofrem com o preconceito elitizado e falta de apoio das instituições governamentais, o Estado burguês nunca vai incentivar a autêntica cultura nacional e popular, porque ela é subversiva e crítica, nos concedendo mínimos espaços (oportunismo eleitoreiro) ou espaço algum.

A falta de apoio aos artistas periféricos e do interior, a falta de eventos populares, é só mais uma ferramenta de opressão ao nosso povo, deixando o trabalhador alienado ao trabalho e jovens afundados pela falsa-cultura do consumismo que rebaixa nossas mulheres, nossa cor, nossa classe e nossa nacionalidade.
O estado burguês investe em festas e artistas que movimentam muito capital – que tem grandes empresários, patrocinadores e que induzem ao consumismo, também se investe em pseudoartistas que fazem “artes” sem técnica alguma mas que dão um valor de simbólico superestimado para agradar excêntricos, pois são expressões subjetivistas e individuais que em nada contribuem para a humanidade.

É osso, tio. Nossa arte, nossa cultura é resistência, é correria, é esforço que move multidões. Nosso talento é incrível, muitas vezes aprendemos sozinhos, desenvolvemos técnicas novas, muitas vezes nos dividimos entre trabalho e ensaios, treinamentos. Enquanto boy sai pelado ou junta um monte de tralha e diz que é “arte” e ainda recebe dinheiro público¹, nós temos que matar um leão por dia pra nos mantermos vivos, porque, um povo sem cultura é um povo morto!


 

* O companheiro é de Salvador (BA) e músico.

¹ Referência à mais recente polêmica no meio artístico, sobre a tal peça financiada com dinheiro público onde os protagonistas aparecem com seus respectivos dedos no ânus uns dos outros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s