Haiti: A Revolução é a única saída (Movimento Revolucionário Internacionalista)

Nota do blog: A seguinte publicação compila trechos de documentos elaborados por revolucionários maoistas e simpatizantes do Movimento Revolucionário Internacionalista (MRI) no Haiti, publicado na revista dirigida pelo MRI “Um Mundo a Ganhar”, de 1988. Traduzido pelo companheiro Alessandro Santos.

haitiprotest
Manifestação democrática contra a ocupação das forças da ONU no país.

Atualmente, o Haiti é palco de uma ocupação genocida pelas forças da ONU, ocupação ditada pelo imperialismo ianque e coordenada pelas forças armadas brasileiras que treinam seus soldados no espírito da brutalidade genocida com nossos irmãos haitianos para depois trazê-los de volta e praticar todo o terror aqui também.
Os documentos a seguir são, portanto, cada vez mais atuais.


 

A Revolução é a Única Saída

Pela Internacional Haitiana

Desde a queda de Jean-Claude Duvalier (Baby Doc), em fevereiro de 1986, as classes dominantes do Haiti e seus mestres imperialistas têm se esforçado para conduzir um regime estável, além romper com o espírito e a resistência das massas que Duvalier conteve com o terror do Tonton Macoute, a força paramilitar haitiana.

Muitos dos ataques inimigos eram focados ou relacionados às eleições circenses. Os meses que antecederam as eleições de 29 de novembro de 1987 estavam particularmente intensos. Durante o verão, uma greve geral e levantes violentos tiveram lugar na capital Porto Príncipe, contra a junta militar liderada pelo general Henri Namphy, no poder desde a queda de Duvalier. Ainda houve um terrível massacre de 300 camponeses lutando pela terra na aldeia de Jean-Rabel. No Outono, dois dos candidatos presidenciais foram assassinados. Esquadrões assassinos dos Macoutes retornaram e milícias emergiram nas favelas da capital, resultando em diversas mortes. Em 29 de novembro, a ofensiva reacionária atingiu o pico e a junta militar desencadeou uma onda de massacres violentos contra as massas haitianas, e ainda cancelou as eleições. Dois meses depois, a junta realizou as suas próprias eleições (até mesmo com candidatos que se recusaram a participar) e declarou Leslie Manigat como presidente, (por hora defensor de Duvalier e, mais tarde, oposicionista), que se comprometeu a apoiar o exército e manter a cortina sobre o Haiti.

Desde então, os Estados Unidos, que inicialmente se opuseram à ação do exército, tentaram limpar a imagem manchada de sangue de Manigat. Os planos para uma reforma e de uma “democratização” foram cancelados como potencialmente desestabilizadores neste país de seis milhões de pessoas. O exército continuou sua repressão pesada contra as massas e à esquerda, e os Macoutes novamente com sua impunidade. Manigat anunciou sua intenção de alvejar os revolucionários, que criticavam os revisionistas do PUCH. O despertar das massas, que haviam ameaçado seriamente o governo durante a greve geral e as revoltas urbanas, em junho e julho de 1987, e ajudaram a despertar milhões para a vida política nos últimos dois anos, diminuiu temporariamente.

Mas a profunda crise que enfrentava os governantes do Haiti, que havia se refletido nos massacres, não fora resolvida. Em 19 de junho, General Namphy, deposto, fora enviado para fora do país por Manigat. Assim, o governo continuou dissipando profundamente as excelentes possibilidades de permanecer no avanço da revolução.

Nós publicamos a seguir trechos de dois documentos relativos ao desenvolvimento do movimento revolucionário no Haiti. O primeiro, “a revolução é a única solução”, foi publicado como um panfleto pelo GRIA, no verão de 1987, vários meses antes do massacre da eleição de novembro.  O segundo documento é um folheto produzido após as eleições por apoiadores e simpatizantes do Movimento Revolucionário Internacionalista. Para saber mais sobre o movimento revolucionário no Haiti, veja AWTW-6 “Haiti: A tomada do poder apenas começou!” – AWTW.


A Revolução é a única solução

(…) Haiti tem sido um neocolônia do imperialismo norte-americano desde 1915, e antes fora dominado pelos franceses, primeiro como uma colônia e, em seguida, como uma neocolônia, começando logo após a Guerra da Independência. Durante os 19 anos que os EUA ocuparam o Haiti, eles exigiram muitas instituições, incluindo um exército, e moldaram as classes para governar o país sob seus interesses. Quando eles retiraram suas forças do país, conservaram a mesma estrutura e, através de seus lacaios, continuaram sua dominação sobre o Haiti. Através desta estrutura, os imperialistas têm sido capazes de ditar durante anos do curso da política e da economia da haitiana. Eles escolhiam quem governaria e quem seria deposto. Criaram, armaram e treinaram o exército para esmagar as massas sempre que se rebelavam contra sua subjugação (…)

Deve ser claro para todos que os imperialistas e as [reacionárias] classes não podem e não vão dar às massas haitianas o verdadeiro poder político, nem mesmo levarão a cabo uma revolução democrática “completa”. De fato, eles têm interesses em manter as massas subjugadas e nunca soltaram as facas de açougueiro.  Assim, o povo haitiano nunca obteve a liberação. É por isso que dizemos que a revolução haitiana deve desmantelar a estrutura neocolonial e suprimir as classes reacionárias que se mantêm e lucram com o sistema atual. “A reforma democrática”, a qual a estrutura só poderia fortalecer, acalma as massas e fazem-na dormir, para agravar ainda mais a sua miséria e opressão.

Assim, a Nova Revolução Democrática é a única solução para a crise. Por que a única solução?(…)

Como Mao claramente afirma, a Nova Revolução Democrática é parte da revolução proletária mundial; dentro do próprio país, e a primeira em uma revolução de duas fases, levando ao socialismo, cujo objetivo final é um mundo comunista. A primeira fase desta revolução deve basear-se no campo, onde o proletariado e seu partido devem levar a maioria dos camponeses como a principal força na luta contra o imperialismo, a burguesia compradora-burocrática e o feudalismo. Nesta primeira fase, o proletariado e seu partido devem conduzir os camponeses haitianos na guerra para derrotar o seu inimigo e resolver a secular contradição na sociedade haitiana, que tem sido a principal fonte de conflito e a principal causa de todas as guerras, de Goman a Acaau, à guerra dos piquetes e Caicos, ou seja, a questão da terra. Assim, a questão agrária, incluindo a demanda de terra para o agricultor, é a chave para esta primeira etapa. Mas, ao mesmo tempo, a resolução da questão da terra é parte do processo revolucionário global. A etapa de nova democracia na revolução é também uma guerra de libertação nacional, uma guerra para desmantelar a estrutura neocolonial, para assim derrubar os imperialistas e seus lacaios(…). É essencial que o proletariado conduza essa primeira etapa, pois é o único caminho para a revolução ser vitoriosa, e é a única maneira pela qual a revolução passará para a segunda fase, socialista.

07621368
Protesto anti-ocupação no Haiti

Para que a revolução obtenha sucesso no Haiti, àquilo que Mao chamou de “As três armas mágicas” são necessários: o Partido, o Exército Popular e a Frente Unida…

Mao Tsé-Tung declarou que: “Sem um exército do povo, as pessoas não têm nada”. Os acontecimentos recentes, incluindo os massacres realizados pelo exército na greve geral de junho-julho, demonstram claramente a veracidade desta afirmação. Muitos revolucionários e muitos entre as massas começaram a perceber isso. Eventos também deixaram claro que o exército está se preparando para a guerra, uma guerra de violência e brutalidade contra as massas haitianas. Sua guerra é uma guerra reacionária, uma guerra para manter a maioria das massas haitianas subjugadas e oprimidas, para manter a dominação imperialista e exploração de classe do Haiti. Mas o que o Haiti precisa é de uma guerra justa, uma guerra popular, uma guerra para derrubar a dominação imperialista e reacionária, uma guerra com base nas pessoas (…).

Há aqueles que criticam a nossa posição e dizem que nossa visão sobre o exército do povo e guerra popular é uma receita para o suicídio nacional. Eles sustentam que nós e as massas devemos enterrar a cabeça nas eleições, ou sempre nos organizar para a reforma limitada. Não, nossa linha não é uma receita para o suicídio nacional, mas uma linha de libertação nacional – é o único caminho para a revolução e um futuro melhor e mais brilhante para as massas haitianas oprimidas. E nós mantemos que nenhum grupo, nenhum partido e nenhum indivíduo poderia chamar-se revolucionário se não definir, como sua maior tarefa, preparar as massas para travar tal guerra, a forma principal e maior da luta…

Este não é o momento para os revolucionários terem medo ou para se fecharem na hibernação; este é o momento para serem ativos e sem medo, o tempo de jogar fora as ilusões, se preparar para travar a luta decisiva para derrotar o imperialismo e seus lacaios no Haiti e em todo o mundo. Nos últimos 70 anos as massas oprimidas do Haiti, ansiando por liberdade, têm vindo a tentar libertar-se por meios políticos pacíficos, votando em constituições, selecionando vários candidatos aparentemente advindos da massa trabalhadora oprimida para a presidência (…), mas esses esforços têm sido sempre frustrado porque o imperialismo e os reacionários haitianos sempre visualizam as aspirações do povo para uma verdadeira emancipação como uma ameaça. Assim, eles sempre responderam por meios violentos, ou seja, através do abate de pessoas, por encarceramento, tortura e terror em sua apresentação. Na verdade, os imperialistas e reacionários haitianos sempre travaram política por meios violentos. A política com derramamento de sangue. Agora, neste momento histórico chave onde as massas que estão lutando pela libertação e emancipação genuína, devem organizar-se para varrer o imperialismo, o capitalismo e o feudalismo, e a única maneira pela qual serão capazes de fazer isso é através da derrota do reacionário e, assim, da violência do opressor (…).

Podemos nos inspirar em heróis populares do Peru, liderado pelo Partido Comunista do Peru (conhecido na mídia como o Sendero Luminoso), que tem crescido a partir de uma faísca para um incêndio devastador, e tudo isso sem pedir uma única bala de qualquer país governado pelo o imperialismo, seja do bloco Ocidental, ou do bloco soviético (…).

A frente única é outro dos três componentes necessários para uma revolução bem sucedida no Haiti ou qualquer outro país. O principal objetivo dela não é a travar uma luta tática para a remoção de um ditador, mas travar a luta revolucionária para eliminar o imperialismo, demolir a estrutura neocolonial de dependência do imperialismo e derrubar os empresários capitalistas e o feudalismo (…).

De todas as classes da sociedade haitiana que estarão na frente anti-imperialista e anti-feudal, só o proletariado pode levar uma luta revolucionária intransigente. Para o proletariado é a única classe com nada para agarrar-se a na presente situação e, portanto, a única classe capaz de libertar todas as outras classes oprimidas. Assim, o proletariado do Haiti deve liderar a revolução haitiana, a luta armada e frente única.

Entre as outras classes na sociedade haitiana que têm interesses inconciliáveis com o status quo, o mais oprimido e numeroso é o campesinato. Assim, o campesinato é o aliado estratégico do proletariado e da principal força da revolução na sua fase de Nova Democracia, e deve ser conduzido como tal pelo proletariado nessa luta. Enquanto o campesinato como um todo deve se unir, há setores do campesinato cujos interesses estão mais próximos aos do proletariado. Estes são os sem-terra, os pobres e os camponeses médios. A aliança entre os operários e as grandes massas de camponeses deve ser a base, a espinha dorsal da frente única.

Como dito acima, cada uma das classes no interior da frente unida tem diferentes interesses de classe e vai tentar persegui-los. Esses interesses contrastantes são o que ordenam que o proletariado e do seu partido mantenham a independência da linha e a iniciativa de ação dentro e enquanto lideram a frente unida pois, caso contrário, não serão capazes de levar a revolução a completar sua primeira etapa democrática, quiçá levar adiante ao socialismo e ao longo do caminho socialista para o objetivo final de um mundo comunista (…).

Como afirma a Declaração do Movimento Revolucionário Internacionalista, o que precisamos é um partido marxista-leninista que “deve armar o proletariado e as massas revolucionárias, não só com uma compreensão da tarefa imediata de levar a cabo a revolução de Nova Democracia e do papel e interesses conflitantes de diferentes forças de classe, amigos e inimigos, mas também da necessidade de preparar a transição para a revolução socialista e do objetivo final do comunismo em todo o mundo.”

Atualmente, no entanto, as forças subjetivas estão a destoar da situação objetiva. A luta das massas é até agora desenvolvida sem a liderança do proletariado e do seu partido. Esta situação há de ser corrigida logo, caso contrário, poderá resultar num efeito desastroso sobre as atuais perspectivas revolucionárias no Haiti. Assim, todos os revolucionários devem se esforçar para trazer uma grande mudança na conjuntura.

Não somos, obviamente, uma voz solitária no deserto; há muitos revolucionários, tanto no Haiti e fora dele, e há também a maioria das massas haitianas que realmente querem uma revolução no Haiti. Eventos do Haiti, nos últimos dois anos, e especialmente nos últimos meses, mostram claramente que o proletariado do Haiti, o campesinato, a pequena burguesia, os jovens, os desempregados e os outros setores das massas oprimidas querem uma mudança radical no país. Eles provaram que estão prontos para se sacrificar, mesmo que isto custe suas vidas, para a mudança. É verdade que muitas pessoas não estão totalmente conscientes sobre como exatamente atingirão o seu objetivo revolucionário, e ainda conservam algumas ilusões de que a constituição, a eleição, a reforma democrática e a luta democrática pacífica os ajudará a atingir este objetivo. No entanto, a ação da classe dominante está quebrando rapidamente tais ilusões, apesar do esforço dos burgueses e burocratas, dos oportunistas e dos revisionistas, sempre a tentar conduzir as massas para o beco sem saída de seu caminho eleitoral e reformista. Muitos dentre as massas estão percebendo estes regimes reacionários e deixando este rumo. Muitos outros percebem que, com constituição ou não, eleição ou sem eleição, ditadura aberta ou “democracia” representativa, o poder da classe dominante recai sobre a violência, em balas e baionetas, e se as pessoas querem poder político, se eles querem a libertação, que busquem-na através do cano da arma. É por estas massas e a grande maioria das pessoas que precisam desesperadamente de uma verdadeira revolução que nós elaboramos a linha e a alternativa neste texto.

 

Demonstrators shout anti-government slogans in Port-au-Prince December 5, 2014. Thousands of demonstrators took to the streets to demand the resignation of President Michel Martelly and Prime Minister Laurent Lamothe as a political crisis boils over in Haiti in the wake of the failure to hold scheduled elections. REUTERS/Marie Arago (HAITI - Tags: CIVIL UNREST POLITICS ELECTIONS) - RTR4GWY2
Rebelião popular contra o regime lacaio no Haiti, 5 de dezembro de 2014.

 

Qual caminho para o Haiti?

Por apoiadores do Movimento Revolucionário Internacionalista

Novembro de 1987: os governantes da sociedade haitiana atacam um ao outro; as massas empobrecidas organizam a autodefesa contra o exército e os Macoutes. Finalmente, em 29 de novembro, o exército responde com um perverso massacre.

Durante quase dois anos, os representantes dos EUA e das demais potências imperialistas disseram ao povo haitiano que, “General Namphy é a melhor esperança”. Durante meses, os candidatos burgueses no Haiti disseram para que as pessoas depositassem sua fé na constituição e nas eleições. Disseram que a libertação poderia vir de reforma – reforma gerida e supervisionada por opressores imperialistas do Haiti. E eles ainda se encontram. Os candidatos dizem às pessoas para olhar para os EUA. Os EUA tentam lavar o sangue de 29 de Novembro de suas mãos, mesmo enquanto suportam as absolutamente as falsas novas eleições chamadas pelo exército, em 17 de Janeiro de 1988. Mas a crise na sociedade haitiana é deveras profunda, o desejo do povo para a mudança é deveras profundo para o opressor resolvê-lo tão fácil e cruamente.

Já esteve mais claro que os mestres e opressores do Haiti não pode ser inocentados? Já esteve mais claro que eles devem ser derrotados, e seu sistema totalmente extirpado – pelo bem do povo haitiano?

O grande revolucionário Mao Tsé-Tung disse uma vez: “O poder político nasce do cano de uma arma”. Novembro de 1987 não confirma isto? Assim, Mao também disse:

“A tomada do poder pela luta armada, a resolução da questão pela guerra, é a tarefa central e mais alta forma de revolução. Este princípio marxista-leninista é válido universalmente (…).”

Os últimos dois anos do Haiti provaram isso para muitos. E, nas chamas de hoje ele não terá tal perspectiva como algo para um futuro vago e distante. As pessoas querem saber: o que deve ser feito agora para lançar essa luta? Como deve ser travada? Qual é o caminho que pode levar à vitória, e não apenas a uma posição corajosa, mas sem esperança? Como as pessoas podem se preparar… agora? Estas são as questões do momento. Ao confrontar tais questões pesadas, a história do movimento revolucionário internacional e do próprio Haiti contêm muitas lições cruciais.

Diferentes caminhos aparecem

O debate sobre estas questões está borbulhante. Alguns concordam que o Haiti precisa de uma revolução, mas apresso-me a salientar que tal só pode ser feita com o apoio e participação das massas. Isso é certamente verdade. Porém, estes muitas vezes dizem, a fim de ganhar esse apoio dos revolucionários, que se deve primeiro mobilizar as massas em torno de questões sobre direitos econômicos e humanos e, só mais tarde, trazer à tona a questão da revolução, e em especial a guerra revolucionária. Aqui eles são muito errados, e correm o risco de adiar as tarefas da revolução por tempo indeterminado. O massacre de Jean-Rabel não mostrou o que acontece quando as massas não têm o seu próprio exército para a guerra revolucionária? A sangrenta experiência no Haiti e em outros lugares mostra que qualquer abordagem onde não há luta armada e tomada revolucionária do poder em seu centro não chegará a lugar algum.

Mas eventos como Jean-Rabel e a grande bravura mostrada pelas massas que se defendiam contra o massacre do exército e dos Macoutes mostram também que há muito de aproveitável no desejo de organizar-se e contra-atacar. Esse tipo de espírito de luta é inspirador e absolutamente necessário para a revolução. Todavia àqueles que dizem que este aproveitamento por conta própria será automática ou organicamente transformado numa revolução também estão enganados; algo mais, algo diferente será necessário neste tipo de organização e auto-defesa.

Outros depositam sua esperança em um pequeno grupo bem armado, que peguem em armas na zona rural e, através da sua ação heroica, provoquem uma revolta. Uma coisa é certa: as massas oprimidas só podem ser libertas pela luta armada, e ela não deve ser adiada sequer um dia a mais do que o necessário; essas pessoas, porém, passam a adotar uma linha puramente militar, uma mentalidade de “bando rebelde errante”. Opõem-se ao coração, à alma e à força vital da verdadeira guerra do povo – a necessidade de um partido de vanguarda e para mobilizar as massas para fazer a guerra e estabelecer seu próprio poder. Sem isso, a guerrilha não será bem sucedida. E a prática recente em outros países, onde essa estratégia levou ao uso da luta armada como uma mera moeda de troca com o inimigo deve ser firmemente rejeitada.

Em suma, a massa é a criadora da História. Tal história tem ensinado que, nas nações oprimidas, a maneira correta para desencadear e evoluir as massas é iniciando a luta armada em uma base correta.

article-1337127-0C68FCFC000005DC-550_634x445
Veículos blindados das “Nações Unidas” avança contra as massas em rebelião no Haiti

Guerra Popular Prolongada

A Declaração do Movimento Revolucionário Internacionalista declara que, “o ponto de referência para a elaboração da estratégia e da tática revolucionária, seja colonial ou neocolonial, continua a ser a teoria desenvolvida por Mao Tsé-Tung durante os longos anos de guerra revolucionária na China”. Quais são os principais pontos dessa teoria?

Primeiro, a guerra revolucionária em quase todas as nações oprimidas deve-se basear nas zonas rurais. Na zona rural do Terceiro Mundo, as estradas e comunicações são geralmente muito piores, se comparadas às zonas urbanas, e o exército é mais fraco do que na cidade. Não só isso, mas a maioria das pessoas e, especialmente, a maioria dos que necessitam e desejam a mudança revolucionária mais urgentemente vivem lá. Devido a estes e outros fatores, uma força revolucionária pode começar pequena, em uma ou várias áreas rurais onde estejam especialmente maduras e, em seguida, construir a força através da guerra de guerrilhas, gradualmente se espalhando seu poder por todo o país e, eventualmente, aproveitando as cidades – e o poderio completo da nação. Certamente, a rica experiência de 1804, das rebeliões piquetes e da resistência à invasão norte-americana de 1915 mostram a capacidade dos camponeses das nações oprimidas em travarem a guerra revolucionária. A experiência da China, de 1921 a 1949, de muitas outras nações do Terceiro Mundo após a Segunda Guerra Mundial e o atual momento do Peru demonstram que a luta ao longo destas linhas, quando levadas corretamente, chegam à vitória.

É claro que não apenas os camponeses devem ser mobilizados. Na verdade, a vanguarda revolucionária deve desenvolver e exercer uma frente unida composta por todas as classes interessadas em destruir o modelo dos imperialistas, os federalistas e os grandes capitalistas aliados. O proletariado deve levar isso à frente, pois é a única classe com absolutamente nada para defender ou perder na ordem atual, a única classe capaz de liderar a construção de uma nova sociedade livre da opressão imperialista e contra a exploração de todos os tipos. Certamente, então, o trabalho político-revolucionário deve continuar nas cidades. No entanto, a principal forma pela qual o proletariado conduz a revolucionária frente unida é através dos camponeses para, então, realizar a guerra popular, que é, mais uma vez, enraizada principalmente na zona rural. “A frente única”, como disse Mao, “é uma frente unida para o exercício da luta armada”.

Em segundo lugar, como Mao também disse, “a guerra revolucionária é uma guerra das massas, e só pode ser travada através da confiança e mobilização das massas.” Um pequeno grupo de heróis que agem por si só pode, na melhor das hipóteses, abrir a porta para a casa do mestre, e até mesmo sentar-se à cabeceira da mesa com eles, como aconteceu em Cuba; mas onde isto interessa o trabalhador? Em vez disso, o potencial intimidador da massa armada deve ser liberada para esmagar os antigos casarões podres do imperialismo e do feudalismo, e lançar as bases de uma sociedade verdadeiramente justa e nova.

Como pode tal intimidação ser colocada em marcha? A experiência mostra que apenas a guerra popular, começando com a guerra de guerrilha, desperta a união organização dos camponeses que foram esmagados por séculos. Apenas a sua participação na luta armada dá o campesinato consciência revolucionária e auto-confiança. Claro, isto não pode ser levado a cabo desordenadamente. Exige-se deliberação aprofundada, bem como ousadia e, acima de tudo, liderança. No entanto, uma vez que o mínimo de base preparativa é concluída em um ou vários pontos do país, em condições de crise, uma guerra popular pode ser iniciada de forma relativamente rápida.

Citando Mao novamente, “para haver uma revolução, deve haver um partido revolucionário”. Na verdade, este é o elo fundamental. Um partido comunista genuíno deve ser construído de maneira diametralmente oposta aos traidores como PUCH [o revisionista pró-soviético Partido Comunista Unificado do Haiti]. Deve rejeitar as falsas bandeiras da União Soviética, China, Cuba, Albânia, etc., e basear-se no Marxismo-Leninismo-Maoismo. Esse partido deve desenvolver um programa e uma estratégia básica e correta, um fundamento básico entre as massas revolucionárias de operários, camponeses, estudantes e outras classes oprimidas. Sem esse partido, as massas lutarão heroicamente, mas não terão uma visão clara. Os interesses independentes do proletariado não será alcançados e a vitória será perdida ou usurpada. Uma parte pode começar pequena e inexperiente, mas a história mostra que se forja uma linha correta se ela atrever-se a travar e perseverar na guerra popular. Assim, essa parte se tornará grande e experiente. Esse partido ainda não existe no Haiti, mas como partidários do Movimento Revolucionário Internacionalista, congratulamo-nos com os esforços urgentes serem feitos pelos revolucionários haitianos para desenvolver tal força de liderança.

Ao longo de sua breve história, o Haiti tem muitas vezes desempenhado um papel especial. No século 18, era maior fonte de riqueza da Europa; as costas e o sangue de seus escravos construíram a riqueza da França. No alvorecer do século 19, esses mesmos escravos se levantaram e, através de quinze anos de guerra, derrotaram os exércitos mais poderosos da Europa na única revolta de escravos bem sucedida da história. Agora, como o século 20 se aproxima do crepúsculo, pode ser hora para o Haiti emergir de suas décadas de desolação forçosamente imperialista e, mais uma vez, marchar adiante. Certamente todos que apoiam a causa da revolução e da libertação podem esperar e, urgentemente, trabalhar para tal, nada menos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s