A filosofia aplicada à venda de melancias numa grande cidade (China, 1966)

Nota do blog: O Pensamento de Mao Tsetung, como era conhecido até então os aportes do Presidente Mao, ao início da Grande Revolução Cultural Proletária se proliferou e as amplas massas do povo chinês encarnaram seu pensamento, a ideologia científica da classe (marxismo-leninismo pensamento mao tsetung) e o aplicavam no seu cotidiano, resolvendo seus problemas através da ideologia da classe.

A esquerda revolucionária, reforçando a linha de massas no partido, incentivou as massas a escrever suas experiências de aplicação do Pensamento de Mao Tsetung, que eram publicadas em importantes órgãos do país, combatendo as posições da direita contrarrevolucionária que desprezava as massas e serviam assim à sua imobilização, consequentemente fazendo avançar a restauração capitalista.

Este é o primeiro de uma série de cinco textos desta iniciativa. Foi publicado na China, na revista Pequim Informa – Ano IV nº 37 – 14 de setembro de 1966.

a86868ba445950a25b87936399fc6937


A filosofia aplicada à venda de melancias numa grande cidade

por Chou Sin-li, Administrador da sucursal do bairro de Chabei da Empresa Municipal de Frutas e Comestíveis de Shanghai

O Presidente Mao disse: “A interdependência dos aspectos contraditórios das coisas e a luta entre eles determinam a vida e impulsionam o desenvolvimento destas coisas. Não há nada que não contenha contradição, sem contradição não existiria o mundo”.

Ao levar a cabo a construção e a revolução socialistas, constantemente devemos descobrir e reconhecer as contradições existentes em nosso trabalho, tratá-las e resolvê-las corretamente e fazer que se desenvolvam de maneira beneficiosa para a causa revolucionária do socialismo. Este é o dever de um quadro revolucionário. É um problema de revolucionar mais o trabalho que se realiza e um assunto de atitude diante da revolução. Em 1963, nossa sucursal do bairro de Chabei da Empresa Municipal de Frutas e Comestíveis de Shanghai conseguiu melhorar seu trabalho de venda de melancias e diminuir seu desperdício, comparando com os anos anteriores. Mas em comparação com as outras sucursais tanto as perdas provenientes da decomposição quanto de nossos custos continuaram muito elevadas.

Devido a correta política formulada pelo Partido, em 1964 nossos irmãos camponeses das comunas mostraram um entusiasmo maior em seu trabalho, expandiram mais ainda sua produção o que resultou na melhor colheita de melancias. Antes da temporada da colheita a Empresa Municipal fez uma visita às comunas, onde vimos que cresciam abundantes plantas carregadas de frutas. Se prometia uma grande colheita. Esperávamos uma venda de 50% a mais que  de 1963.

Tivemos um aumento grande na quantidade de melancias destinadas ao mercado, será que poderíamos reduzir substancialmente a perda de frutos e custos? Isso era uma questão problemática para nossa sucursal.

Ainda que já estudamos “Sobre a contradição” do Presidente Mao, nossa compreensão deste artigo era relativamente superficial. Portanto decidimos voltar a estudá-lo nessa oportunidade, com base em nosso problema de como vender melancias. Finalmente compreendemos que para realizar bem nosso trabalho, devemos reconhecer as contradições existentes, vê-las de outro ponto e resolvê-las. Tendo na mente o problema da rápida decomposição das melancias e de sua qualidade, voltamos novamente às massas para investigar as contradições da venda. Depois da investigação e o estudo concluímos que as principais eram:  a contradição entre o sobre-abastecimento e a baixa demanda, demonstrada pelos relativamente poucos lugares para a venda específica e a falta de pessoal de vendas para fazer frente a avalanche de melancias durante a temporada de maior produção, e a contradição entre a grande quantidade de melancias e a pouca capacidade de transporte e armazenagem. Além disso, havia um número considerável de problemas com respeito a administração e os métodos de trabalho.

Tomar o pensamento de Mao Tsetung como guia para tratar de maneira correta as diferentes contradições é uma questão de prática revolucionária

 O estudo de “Sobre a contradição” nos ajudou a descobrir mediante a investigação as contradições da venda. No entanto, descobri-las não significa solucioná-las. O primeiro passo para resolver as contradições entre a grande quantidade de melancias e sua fácil decomposição era que todos os camaradas da sucursal adquiriram confiança em que estas contradições poderiam ser resolvidas. A maioria de nossos camaradas manifestavam esta confiança, poucos pensavam que o problema fosse muito difícil. Um camarada declarou: “Não seria melhor se recebêssemos menos melancias?” Outro apontou: “As melancias se estragam facilmente, não se conservam por muito tempo e agora temos que trabalhar com uma quantidade muito maior. Seríamos sábios se não perdêssemos dinheiro ou perdêssemos pouco”. Isto nos demonstrou que só resolvendo as contradições entre o temor às dificuldades e a plena confiança, poderíamos realizar um bom trabalho. Assim como o estudo das obras do Presidente Mao nos ajudou a encontrar as contradições da venda, dessas obras devemos extrair também a força para resolver as contradições existentes em nosso pensamento com relação à venda. Estudamos “Servir ao povo” e “Como Yukong removeu as montanhas”.

Em “Servir ao povo”o Presidente Mao diz: “Nossos batalhões dedicam-se por completo a libertação do povo e trabalham totalmente em interesse do povo”. Isto nos diz que ainda existe divisão do trabalho nas tarefas revolucionárias, qualquer um deve servir ao povo de todo coração, independentemente de que tarefa cumpra. Vender melancias também faz parte do trabalho revolucionário. Para realizar um bom trabalho e satisfazer tantos os consumidores quanto aos produtores, devemos adotar sem reservas a atitude de servir ao povo e de trabalhar por seus interesses. Com o estudo foi possível compreender que apesar de maior abastecimento haveriam mais compradores potenciais segundo as estimativas de tempos vindouros. E mais, se não expandíssemos ativamente as vendas e abastecêssemos ao público com boas melancias, deixaríamos de estimular e apoiar a produção e causaríamos uma perda ao Estado. Como isso poderia ser servir ao povo? Servir ao povo não é algo abstrato, deve ser demonstrado com o que realizamos. Por quanto nossos irmãos camponeses trabalharam arduamente para produzir mais melancias, para que as pessoas da cidade as desfrute, nós trabalhadores do departamento de comércio devemos fazer o que estiver ao nosso alcance para fazê-las chegar em bom estado aos consumidores. Portanto, cabe a nós, trabalhadores do comércio, a tarefa imediata em serviço do povo que consistia em levar êxito a venda de melancias. Devemos nos concentrar na ideia de apoiar aos produtores, satisfazer os consumidores e garantir a qualidade das melancias.

Em “Como Yukong removeu as montanhas” o Presidente Mao disse que as duas grandes montanhas – o imperialismo e o feudalismo – eram como peso morto sobre o povo chinês e que “o Partido Comunista da China havia decidido já há algum tempo removê-las. Nós devemos perseverar e trabalhar incessantemente…”. Na verdade, sob a direção do Comitê Central do Partido e do Presidente Mao, o povo chinês se levantou e unido removeu estas duas grandes montanhas. A revolução chinesa triunfou. O que demonstra de maneira plena que na medida que vamos adquirindo confiança e não tememos os sacrifícios, venceremos as dificuldades, não importa o tamanho que tenham.

Compreendemos que devemos superar as dificuldades na venda de melancias através de uma firme determinação e de incansáveis esforços. Se Yukong da fábula antiga estava decidido a remover as duas grandes montanhas que se encontravam na frente de sua casa, nós também tínhamos que estar resolutos em remover a “grande montanha” da deterioração.

Das obras do Presidente Mao extraímos a força para tratar as contradições alojadas em nosso pensamento. Mas em nosso método de trabalho ainda existia a contradição entre nossa grande tarefa e nossas débeis forças. Qual seria a resposta? Tivemos que encontrá-la outra vez nas obras do Presidente Mao. Em “Concentrar uma força superior para aniquilar as unidades inimigas uma a uma”, o Presidente Mao disse: “Sobre a disposição para uma campanha, quando o inimigo emprega muitas brigadas (ou regimentos) e avança em várias direções sobre nossas tropas, nosso exército deve concentrar uma força absolutamente superior – seis, cinco, quatro ou pelo menos, três vezes a do inimigo – e escolher o momento oportuno para começar a cercar e destruir uma brigada (ou regimento) sua”.

Aqui o Presidente Mao nos ensina que podemos aniquilar o inimigo e obter a vitória só quando concentramos uma força absolutamente superior contra o inimigo. Este conceito, que se refere a táticas militares, pode ser aplicado a um problema comum e corrente como a venda de melancias? Os fatos mostram que sim.

Nossa sucursal, além de vender melancias, vende fruta fresca e seca, guloseimas do norte e do sul, cigarros, vinhos, bolos e salgados. Não capazes de “aniquilar” o “inimigo” – a decomposição – se persistíssemos no velho método de dispersar nossas forças de venda lado a lado com diferentes linhas. Para ganhar a batalha da “venda de melancias”, deveríamos seguir os ensinamentos do Presidente Mao e concentrar uma força superior. O que fizemos foi reorganizar as forças de nossas vendas, diminuindo o pessoal e o espaço para outras mercadorias e designando mais pessoas para a venda de melancias.

Guangchao, um bairro distante dos principais centros comerciais da cidade, as sete lojas de produtos comestíveis contavam com pouco pessoal, apenas 40 membros, uns poucos jovens e fortes, a maioria era de mulheres. Para dispor de mais de 100 toneladas de melancias, as lojas, além de expor os produtos em balcões, determinaram a uma parte do pessoal para que transportasse e vendesse as melancias. Por outro lado, a loja de comestíveis de Lienkang não trabalhava habitualmente com fruta fresca e nesta oportunidade se comprometeu a fazer um volume definido da venda de melancias. No período de maior produção a maior parte de seu pessoal se dedicou a venda. Para vender 300 toneladas, a loja da Estação do Norte organizou 24 pessoas em 7 equipes, três dedicadas a armazenagem, a organização e a inspeção de qualidade e fornecimento; quatro para atender aos clientes que comiam as melancias na loja ou as compravam inteiras ou repartidas para levá-las e vender em pontos móveis nas fábricas. Apenas duas pessoas ficaram responsáveis pelos balcões. O que fez concentrar enormemente as forças proporcionando condições favoráveis para a venda de melancias.

Apreender a contradição principal e resolvê-la de forma resoluta com a intenção de impulsionar o trabalho

O Presidente Mao disse: “Em certas etapas da luta revolucionária, circunstâncias desfavoráveis predominam sobre as favoráveis e constituem, consequentemente, o aspecto principal da contradição, enquanto o favorável constitui o aspecto secundário. Mas através do esforço dos revolucionários, as circunstâncias desfavoráveis podem ser gradualmente superadas, criando-se uma nova situação, assim a situação desfavorável deixa seu lugar propício”.

A partir daí compreendemos que na venda de melancias existiam contradições. Neste caso o aspecto principal eram as dificuldades. Mas, conforme fazíamos o máximo para criar condições favoráveis adotando medidas eficazes para resolver de forma definitiva as contradições nas vendas, a situação difícil não permaneceria inalterável. Poderia transforma-se em favorável. Nos últimos dias de julho do ano passado, afligiu um tufão antes que centenas de toneladas de melancias pudessem ser tiradas dos porões das embarcações que as trouxeram. Rapidamente estragariam com o calor do verão. Como já estávamos compenetrados com a ideia de servir ao povo, todos os quadros e empregados saímos numa chuva torrencial e trabalhamos durante a noite para levar as melancias das margens do rio até as lojas. Para aumentar as vendas, conseguimos com que todos os armazéns de produtos alimentícios que habitualmente não comercializavam frutas secas vendessem melancias e organizamos vendas nas fábricas e nas ruas, aumentando assim de 29 a 118 pontos de venda. Para resolver o problema da falta de vendedores, o pessoal utilizou seus dias de descanso que fosse antes ou depois do período de maior produção, bem quando chegou a avalanche de melancias contamos com 10% a mais de pessoas. Neste momento, concentramos a maior parte do nosso pessoal nas tarefas do transporte e na venda de melancias, o que significava que havia mais de 300 pessoas, em vez de um pouco mais de 100 que contávamos antes, trabalhando com fruta fresca.

De acordo com a nossa experiência em 1963, o abastecimento máximo havia se estendido de 25 de julho até início de agosto e tinha estimado entre 250 a 400 toneladas por dia. Antes do abastecimento máximo, vendemos melancias partidas desde quando chegavam e não deixamos nenhuma reserva para que lojas e porões estivessem vazios quando chegasse a verdadeira avalanche. Selecionamos uma boa reserva para a “Chegada do Outono”, o dia em que habitualmente os residentes de Shanghai comem melancias em grande quantidade, que cai aproximadamente nos dias 7 e 8 de agosto. Preservamos bem esta reserva, virando-a e revirando-a a amontoar com frequência para diminuir os riscos de apodrecimento. Também contamos com a ajuda de outras empresas e obtivemos espaço emprestado para armazenar 450 toneladas.

Conseguimos descobrir que uma das razões da alta perda de melancias em 1963 foram os golpes ao serem transportadas em grandes caminhões. De maneira que inspecionamos e reparamos todos os veículos da sucursal e fizemos pleno uso dos pequenos caminhões de três rodas e triciclos de outras dependências da sucursal. Transportávamos 87% das melancias neles, diminuindo assim os custos e perdas respectivamente.

Os quadros dirigentes melhoraram também seu estilo de trabalho. Reduzimos o número de reuniões regulares do escritório, mas cada noite nos reunimos para analisar a situação do abastecimento e das vendas, as mudanças do tempo e o pensamento do pessoal para uma melhor distribuição para o dia seguinte. Como os shanghaineses têm o costume de comer melancia no dia da “Chegada do Outono”, na véspera organizamos forças de choque para despachar as 100 toneladas de melancias que chegavam ao cais e toda reserva as lojas de varejo, assegurando assim que a maior parte delas estivessem bem abastecidas nesse dia.

Todas estas medidas criaram condições para transformar as contradições passando de uma situação difícil em favorável. Assim, em 1964 vendemos 79% mais melancias que em 1963, diminuímos a porcentagem de custos de 15,8% para 10,65%, reduzimos a perda de melancias de 4,5% para 1,72% e aumentamos a porcentagem de renda bruta de 17,4% para 23,76%. Este ano obtivemos como lucro das melancias 19 mil yuanes que contribuíram à acumulação de capital para a construção socialista.

Ao vender melancias descobrimos as contradições existentes em nosso trabalho e as soluções para elas através do estudo de “Sobre a contradição” do Presidente Mao e desta maneira fomos capazes de transformar a força espiritual em força material.

Tudo isso me fez compreender a profundidade que como quadro revolucionário devo estudar seriamente as obras do Presidente Mao, que devo estudá-las tendo na mente os problemas a resolver e extrair forças delas. Porque estes escritos são poderosas armas ideológicas para transformar o mundo subjetivo e o objetivo.

Anúncios

Um comentário sobre “A filosofia aplicada à venda de melancias numa grande cidade (China, 1966)

  1. Pingback: A fabricação de um relógio de frequência do tipo chinês nos apoiando em “Sobre a prática” e “Sobre a contradição” (China, 1966) – Servir ao Povo de Todo Coração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s