O grande guia da Revolução Proletária Mundial (Núcleo de Estudos Marxismo-Leninismo-Maoismo Brasil)

Nota do blog: Artigo do Núcleo de Estudos do Marxismo-Leninismo-Maoismo (Brasil), publicado originalmente no jornal A Nova Democracia nº 124, 2ª quinzena de janeiro de 2014, por ocasião do 123º natalício do Presidente Mao Tsetung.


O grande guia da Revolução Proletária Mundial

“Os imperialistas e todos reacionários são tigres de papel.”

“Ou a revolução conjura a guerra mundial ou a guerra mundial atiça a revolução.”

Presidente Mao Tsetung

Dos três maiores marcos da Revolução Proletária Mundial no século XX, afora a Revolução Bolchevique (1917), dirigida pelo grande Lenin, o Presidente Mao Tsetung dirigiu dois deles. Chefatura inconteste da revolução no país mais populoso do mundo e grande guia do mais alto patamar alcançado pela Revolução Proletária Mundial, a Grande Revolução Cultural Proletária (GRCP). O Presidente Mao, grande continuador de Marx e Lenin e grande chefe do proletariado internacional, aportou imarcescíveis contribuições à Revolução Proletária e ao tesouro do marxismo-leninismo, as quais constituíram-se numa nova etapa do desenvolvimento da ciência do comunismo.

Assim como Marx e Engels fundaram o marxismo em luta contra as correntes filosóficas idealistas e metafísicas, dialética-idealistas e o materialismo antigo, bem como as teorias e ideologias correspondentes a essas concepções das classes dominantes exploradoras e opressoras, Lenin o elevou a uma segunda etapa de desenvolvimento, em dura luta contra o revisionismo que buscava negar sua essência revolucionária. O leninismo constituiu-se, portanto, como segunda etapa deste desenvolvimento. Como afirmou Stalin, “o leninismo é o marxismo da época do imperialismo e da revolução proletária”. Coube ao Presidente Mao em sua tormentosa época, como chefatura da Revolução Chinesa, o desafio, papel e labor semelhante, confirmando os precedentes do surgimento com Marx e desenvolvimento com Lenin, de que a ciência do proletariado só pode desenvolver-se em luta inconciliável contra todas as tentativas de sua negação.

APLICAÇÃO CRIADORA

Desde o triunfo da revolução na China (1949) após 22 anos de luta armada e a construção do socialismo com o “Grade salto à frente” e as “Comunas populares”, passando pelo desmascaramento do kruschovismo (a Grande Polêmica-1963) à GRCP (1966), todo o labor do Presidente Mao foi resultante de seu magistral manejo da dialética e criadora aplicação das verdades universais do marxismo-leninismo à realidade chinesa, à prática da sua revolução, da análise acurada do imperialismo e do seu demolidor e inseparável combate ao novo revisionismo, na defesa irrenunciável do caráter revolucionário do marxismo. Seus aportes, pelos grandes e novos problemas a que deu respostas, já nos anos de 1960, constituiu-se no desenvolvimento de uma nova etapa de que demandava o marxismo, devenindo-se o marxismo-leninismo em marxismo-leninismo-maoísmo. Assim como a compreensão e aceitação do leninismo como segunda e nova etapa do marxismo foi um divisor de águas entre comunistas e revisionistas na primeira metade do século XX, também o é desde os anos de 1960, a compreensão de que o maoísmo é o marxismo-leninismo da época. Hoje, mais que nunca, o maoísmo é o deslinde entre comunistas e todo o revisionismo, incluído suas manifestações mais novidadeiras. É a terceira, nova e superior etapa do desenvolvimento do marxismo.

Foi o Presidente Gonzalo, chefatura do Partido Comunista do Peru e da Revolução Peruana, e em meio à grande Guerra Popular que dirigia quem, pela primeira vez e acertadamente, sintetizou os gigantescos aportes do Presidente Mao como maoísmo, como nova, terceira e superior etapa do desenvolvimento do marxismo. Como cumprira Stalin a tarefa de definir e sintetizar o leninismo, coube ao Presidente Gonzalo a de definir e sintetizar o maoísmo. E fez com a profunda compreensão de que uma nova etapa de desenvolvimento se caracteriza quando determinados aportes de determinado processo revolucionário se dão nas três partes constitutivas do marxismo – a filosofia marxista, a economia política marxista e o socialismo científico –, como um salto qualitativo destas como unidade, por exigência objetiva da época e necessidade de desenvolvimento do marxismo para respondê-la.

Na Entrevista do Século concedia a El Diario desde a clandestinidade, logo após o histórico I Congresso do PCP, em 1988, o Presidente Gonzalo expôs as bases dessa compreensão:

Para nós, o marxismo é um processo de desenvolvimento e este grandioso processo nos deu uma nova, terceira e superior etapa. (…) Dizemos isto porque vendo as três partes integrantes do marxismo é claramente evidente que o Presidente Mao Tsetung desenvolveu cada uma destas três partes.

“Assim, simplesmente para enumerar: na filosofia marxista ninguém pode negar seu grandioso desenvolvimento na dialética, centralmente na lei da contradição estabelecendo que é a única lei fundamental; se nos colocarmos o problema da economia política, podemos dizer que neste campo basta destacar duas coisas: uma, para nós de importância imediata e concreta, o capitalismo burocrático, e, dois, o desenvolvimento da economia política do socialismo, pois, em síntese, poderíamos dizer que é ele quem realmente estabeleceu e desenvolveu a economia política do socialismo; quanto ao socialismo científico bastaria destacar a guerra popular, pois, é com o Presidente Mao Tsetung que o proletariado internacional logra uma teoria militar cabal, desenvolvida e nos dá assim a teoria militar da classe, do proletariado, com aplicação em todas as partes.

Acreditamos que estas três questões nos demonstram que há um desenvolvimento de caráter universal. Visto o problema desta maneira, então estamos frente a uma nova etapa e a chamamos terceira, porque o marxismo tem duas etapas precedentes: a de Marx e a de Lenin, daí que falemos de marxismo-leninismo. No pertinente a superior: no maoísmo, a ideologia do proletariado universal alcança o mais alto desenvolvimento adquirido até hoje, seu mais alto cume; porém, no entendimento de que o marxismo é uma – desculpem a reiteração – unidade dialética que dá grandes saltos e esses grandes saltos são os que geram etapas. Assim, para nós, o que existe no mundo hoje é marxismo-leninismo-maoísmo, principalmente maoísmo.”

E ademais asseverou que “O fundamental no maoísmo é o poder. O poder para o proletariado, o poder para a ditadura do proletariado, o poder baseado numa força armada e dirigida pelo partido comunista. Mais explicitamente: 1) o poder sob direção do proletariado na revolução democrática; 2) o poder para a ditadura do proletariado nas revoluções socialista e culturais e 3) o poder baseado numa força armada dirigida pelo partido comunista, conquistado e defendido mediante a guerra popular”. E esta é questão medular.

MAGISTRAL MANEJO DA DIALÉTICA

Em brilhantes sínteses o Presidente Mao, de forma clara e profunda, disseca o materialismo dialético, estabelece que a contradição é a única lei fundamental que rege a natureza, a sociedade e o pensamento. Sistematiza a questão sobre a contradição: a contradição principal e o aspecto principal da contradição, o aspecto particular e universal da contradição, o papel do antagonismo na contradição, contradição antagônica e não antagônica, a identidade e luta dos contrários. Sobre a relação da prática e a teoria, aprofundou Lenin, afirmando que o conhecimento surge da prática indicando seus dois saltos, o que vai da prática ao conhecimento e deste à prática, sendo o segundo o principal.

Na economia política aprofunda teses leninistas na análise do imperialismo com a conceituação do capitalismo burocrático, ou seja, como na época do imperialismo, através da exportação de capitais e da política colonial, o capitalismo se desenvolve nos países dominados engendrado pelo imperialismo e atado a ele. Também desenvolveu a tese leninista de que “a política é expressão concentrada da economia”, que “o trabalho político é a linha vital do trabalho econômico”apontando “pôr a política no posto de comando”. Ainda em economia política do socialismo aponta grandes questões com o Grande Salto a Frente e as Comunas Populares.

Na esfera da luta de classes, da luta revolucionária e do socialismo, o Presidente Mao, assentado numa experiência de mais de cinquenta anos de luta partidária e mais de vinte de luta armada, desenvolveu a concepção da linha de massascomo método de mobilizar as massas, conhecer a realidade para formular corretamente a linha geral, aplicar o centralismo democrático, construir os três instrumentos e organizar as massas na revolução. Partindo da concepção marxista de que são as massas que fazem a história formulou que para uma correta e acertada prática revolucionária os comunistas e ativistas revolucionários devem de modo sistemático e continuado “recolher as ideias das massas (ideias dispersas, não sistemáticas), concentrá-las (transformá-las por meio do estudo em ideias sintetizadas e sistematizadas), ir de novo às massas para propagá-las e explicá-las de maneira que as massas as tomem como suas, persistam nelas e as traduzam em ação; e ainda verificar a justeza dessas ideias no decorrer da própria ação das massas. Depois é preciso voltar a concentrar as ideias das massas e levá-las outra vez às massas, para que estas persistam nelas e as apliquem firmemente”.

Desenvolveu a tese marxista-leninista do partido ao formular o conceito da luta de duas linhas no partido, que se expressa como reflexo das contradições de classes existentes na sociedade e, inclusive, durante toda a época da construção do socialismo. Razão pela qual postula como determinante a necessidade da permanente luta ideológica contra o oportunismo, contra o dogmatismo, contra o revisionismo, tendo sempre em conta o revisionismo como perigo principal, para afirmação e domínio da linha proletária no partido, condição indispensável para a vitória da revolução, da construção do socialismo e de sua passagem ao comunismo.

Potencializou a linha político-ideológica da revolução proletária estabelecendo osTrês Instrumentos Fundamentais da Revolução como sendo o Partido Comunista, Exército Popular e Frente Única Revolucionária. Chamando-os de “as três varinhas mágicas”, afirmou que “A experiência… nos demonstra que a frente única e a luta armada são as duas armas básicas para vencer o inimigo. A frente única é uma frente para manter a luta armada. E as organizações do Partido são os heroicos combatentes que manejam estas duas armas – para assaltar e destruir as posições do inimigo”. Na construção e manejo dos mesmos, o Presidente Mao compreendeu tratar-se da construção do novo poder e nisto definiu que “O poder nasce do fuzil” e que o “o partido manda no fuzil e jamais permitiremos que o fuzil mande no partido”.

Deu superior dimensão à questão militar, desenvolvendo e sistematizando a teoria e linha militar do proletariado, a guerra popular, como guerra de massas dirigida pelo partido comunista, com que se resolveu o problema da estratégia da conquista do poder do proletariado passo a passo com as bases de apoio, sua conquista em todo país e sua defesa. Ademais o Presidente Mao desenvolveu a teoria marxista do Estado com a teoria da revolução democrática burguesa de novo tipo ou Nova Democracia, expressa como ditadura conjunta das classes revolucionárias. Tese de suma importância, dado que a imensa maioria dos países são dominados pelo imperialismo e a esmagadora maioria da população da terra se localiza neles.

Ademais da inovadora e monumental contribuição com a GRCP, pois com ela resolveu-se a questão de como conduzir a luta de classes nas condições da ditadura do proletariado, para desenvolver a construção do socialismo, lutar contra as linhas defensoras do caminho capitalista e a inevitável tentativa de restauração burguesa.

O GRANDE LEGADO DO PRESIDENTE MAO

 

Uma geração de valorosos dirigentes e militantes comunistas que sucedeu à morte do Presidente Mao Tsetung buscou estudar e aplicar seus ensinamentos. Dela fazem parte Ibrahim Kayppakkaya, assassinado sob torturas pelo Estado fascista turco em 1973, fundador do Partido Comunista da Turquia (Marxista-Leninista) – TKP/ML que segue levantando a bandeira da guerra popular; Charu Mazumdar, dirigente do Partido Comunista da Índia Marxista-Leninista que apoiou-se no histórico levantamento camponês de Naxalbari para fundamentar o caminho da guerra popular na Índia e que nos dias de hoje tem continuidade sob a direção de seu sucessor Partido Comunista da Índia (Maoísta) – PCI (M); Pedro Pomar, grande dirigente do Partido Comunista do Brasil, assassinado pelo regime militar fascista em 1976 após a derrota da Guerrilha do Araguaia, no balanço da qual defendeu avaliação crítica dos erros da concepção aplicada, para superar erros e prosseguir a estratégia da guerra popular, entre outros.

Mas, de todos estes, destacou-se Abimael Guzman Reynoso, o Presidente Gonzalo, que soube, com maior acerto, cumprir a tarefa de sistematizar a experiência da Revolução Chinesa de forma mais profunda e completa à frente da Fração Vermelha do Partido Comunista do Peru. Em 17 anos de luta e retomando a Mariátegui, reconstituiu o PCP ao final de 1979, iniciando em 17 de maio de 1980 a Guerra Popular. Estremecendo os Andes e sacudindo as velhas e podres estruturas semifeudais e burocráticas da sociedade peruana, golpeando duramente suas forças armadas e policiais genocidas conduziu a guerra até sua etapa de Equilíbrio Estratégico. No histórico I Congresso de 1988, filho do partido reconstituído e da guerra popular, o PCP, sob a chefatura do Presidente Gonzalo, estabeleceu de forma cabal que a ideologia do proletariado atingira uma nova, terceira e superior etapa, o maoísmo. Congresso que estabeleceu a Base de Unidade Partidária (BUP) com seus três elementos: a Ideologia como marxismo-leninismo-maoísmo pensamento Gonzalo, principalmente pensamento Gonzalo; o Programa e a Linha Política Geral, com linha internacional e linha militar como centro da revolução de nova democracia ininterrupta ao socialismo, como parte e a serviço da revolução proletária mundial, rumo à meta final do sempre dourado Comunismo.

A iniciativa do MRI nos anos de 1980 foi importante passo na direção de se reconstituir a Internacional Comunista, aglutinando e coordenando a luta ideológica no MCI. Com o contributo decisivo do PCP, o MRI avançou na compreensão do maoísmo como nova, terceira e superior etapa do marxismo, porém as posições oportunistas no seu interior, temendo a crescente influência do pensamento Gonzalo, sabotaram o apoio à guerra popular e difundiram capitulação. Questão que se condensou na capitulação no Nepal pela direção de Prachanda do PCN(m) que, traindo o povo e a revolução pôs fim à heroica guerra popular. Tal episódio representou a bancarrota do MRI e sua liquidação, principalmente pelas posições de Bob Avakian do PCR-USA. Nos dias atuais, seguem os ataques abertos e velados ao marxismo-leninismo-maoísmo desferidos pelo imperialismo e toda a reação, pelos trotskistas de sempre, pelos revisionistas kruschovistas e titistas, os dogmático-revisionistas hoxhistas, os revisionistas tengsiaopinistas e os mais novos próceres do revisionismo contemporâneo, tais como as LOD (linha oportunista de direita) no Peru dos “acordistas” de MOVADEF e suas ratazanas Mírian, Morote, etc., e da guerrilha mercenária da ratazana José, detrator do Presidente Gonzalo, do pensamento Gonzalo e do histórico I Congresso, ademais de Avakian do PCR-USA com sua “nova síntese”, Prachanda do PCN (Nepal), com seu “Socialismo do Século XXI” e “Competição multipartidária”. Os maoístas peruanos, após os duros golpes sofridos com a prisão de sua chefatura, o Presidente Gonzalo, e a capitulação de vários membros do CC, enfrentando o vento e a maré contrarrevolucionárias, lutam pela reorganização do PCP em todo país, levando sua BUP estabelecida por seu histórico I Congresso.

ENCARNAR O MAOÍSMO

gpp

Hoje mais do que nunca, em meio da profunda crise de decomposição do imperialismo, quando todas as contradições fundamentais se agudizam, particularmente a que é principal que opõe nações/povos oprimidos ao imperialismo, em função de que a rebelião das massas populares explode em todos os continentes, em que se fortalece a resistência dos povos contra as guerras imperialistas de agressão e partilha, em que guerras populares levantam alto a bandeira da revolução de nova democracia, do socialismo e do comunismo na Índia, Filipinas, Turquia e Peru, em que em diferentes países contingentes de revolucionários maoístas preparam o desencadeamento de novas guerras populares, configurando-se desenvolvimento desigual da situação revolucionária no mundo, é tarefa central dos verdadeiros revolucionários desfraldar, defender e aplicar, principalmente aplicar o marxismo-leninismo-maoísmo, ou seja, encarná-lo.

E se faz necessário, como parte de um mais acertado balanço da experiência da revolução proletária, de forma geral e da experiência da ditadura do proletariado em particular, realizar o balanço da aplicação do maoísmo. Exatamente partindo da GRCP, tomar das diferentes experiências dos partidos comunistas maoístas e dos processos que dirigem, para colher lições positivas e negativas de todos, mas principalmente compreender onde mais se avançou na compreensão e aplicação do maoísmo.

Disto depreendemos que o processo da Revolução Peruana, que com a aplicação magistral do maoísmo pelo Presidente Gonzalo e decorrente Guerra Popular, trouxe, por consequência, contribuições universais à teoria da revolução proletária dos dias atuais. Pois, em que pese os duros golpes recebidos, o que se passa com a Revolução Peruana nada mais é que momentos cruciais presentes em todos os processos revolucionários triunfantes. Tal como vivenciou-se na Rússia entre a derrota da Revolução de 1905 até as vésperas do triunfo de Outubro de 1917 ou na China do período das cinco grandes operações de cerco e aniquilamento pelo Kuomintang, o da Longa Marcha, até o estabelecimento da base de apoio central e retaguarda geral e quartel general da revolução que representou Yenan e o triunfo em outubro de 1949. Nem o grande Lenin e nem o Presidente jamais avaliaram que essas derrotas e duros golpes recebidos pela revolução em seus países foram principalmente devido a erros de linha. Muito ao contrário, a prática de cada uma destas revoluções só confirmaram que somente triunfaram porque persistiram com mesma e correta linha. Daí a correta compreensão dos maoístas peruanos em lutar pela reorganização do PCP centrados na defesa de seu histórico I Congresso, sua BUP, o maoísmo, o pensamento Gonzalo, a defesa da vida do Presidente Gonzalo, impulsionando a guerra popular.

A síntese do maoísmo expressa pelo pensamento Gonzalo e suas contribuições de vigência universal, tais como sua magistral análise do curso e trajetória da Revolução Proletária Mundial, apontando que a mesma se encontra na etapa da Ofensiva Estratégica, dentro da qual o proletariado revolucionário tem que organizar sua contra-ofensiva, impulsionando uma Nova Grande Onda da Revolução, quando a crise de decomposição e agonia do imperialismo atingiu níveis avançados, quando a revolução deveniu-se tendência principal histórica e política, donde se faz necessário constituir/reconstituir e desenvolver partidos comunistas maoístas, brigar para que o maoísmo seja mando e guia da revolução proletária mundial; de aplicar a construção concêntrica dos três instrumentos fundamentais da revolução; partido comunista militarizado de cujo processo desenvolva correspondentes chefatura e pensamento guia; de que a Guerra Popular tem vigência universal aplicada à particularidade de cada país, para desencadear novas guerras populares e opor à guerra imperialista mundial a guerra popular mundial; guerra popular até o luminoso Comunismo.

Quando a crise de decomposição e agonia do imperialismo se aprofundou de modo tão formidável, dentro da qual as condições objetivas para a revolução proletária nunca estiveram tão maduras, com explosão de gigantescas revoltas das massas populares mundo afora, de crescimento das guerras de resistência anti-imperialistas e da persistência heroica das guerras populares da Índia, Filipinas, Turquia e Peru, o necessário desenvolvimento das condições subjetivas para impulsionar a nova grande onda da revolução cobra um salto de qualidade. E este só pode ser alcançado com a elevação da luta de duas linhas no MCI para dar luta implacável a todo oportunismo, combatendo o revisionismo como perigo principal e especificando-o, assumir cabalmente o maoísmo, encarná-lo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s