Índia: 50 anos de Naxalbari, por Varavara Rao

Nota do blog: Reproduzimos tradução de trechos do documento escrito pelo dirigente da Frente Democrática Revolucionária (FDR) na Índia, camarada Varavara Rao, em celebração dos 50 anos do Levantamento Camponês de Naxalbari.


“Na Índia, o levantamento armado revolucionário camponês de Naxalbari, que completará seu 50º aniversário, foi influenciado e inspirado pela Grande Revolução Cultural Proletária da China. Naxalbari foi um acontecimento que conquistou espaço sob a liderança do Camarada Charu Mazumdar – um dos dois grandes líderes, mestres e fundadores do PCI (Maoísta), sendo ele e o camarada Kanhai Chatterjee. Naxalbari marcou um novo começo na história da revolução democrática do país”.

Essa foi a observação feita pelo Comitê Central do PCI (Maoísta) que, ao mesmo tempo, fazia um chamado a celebrar os quatro grandes eventos da história para chegar ao socialismo no mundo, incluindo o quinquagésimo aniversário de Naxalbari. É óbvio que os maoístas – mais ainda no PCI (Maoísta) – são os verdadeiros herdeiros do Movimento Naxalbari na Índia, além de certos grupos revolucionários e indivíduos em todo o país. A menos que se construa um partido bolchevique com espírito bolchevique para alcançar a revolução indiana, que una todas essas forças revolucionárias, a Revolução de Nova Democracia na Índia, não se pode alcançar um precursor do socialismo.

Continuar lendo “Índia: 50 anos de Naxalbari, por Varavara Rao”

Equador: Viva os 50 anos de Naxalbari! (Frente de Defesa de Lutas do Povo)

Nota do blog: Reproduzimos tradução não-oficial do comunicado da Frente de Defesa de Lutas do Povo – Equador aderindo à campanha internacional de celebração dos 50 anos do Levantamento Camponês de Naxalbari, marco da revolução democrática indiana e início do processo que hoje se apresenta como a Guerra Popular dirigida pelo PCI (Maoísta).


Maio de 2017

Depois da revolução de Nova Democracia na China, que deveio em revolução socialista e, sobretudo, na Grande Revolução Cultural Proletária; na Índia, em Naxalbari, Bengala Ocidental, em maio de 1967, os camponeses pobres da Índia assumem o cargo do proletariado e povo da China para levantar-se em armas pela conquista da terra, contra o latifundismo e dar passo, dessa maneira, a um movimento armado que hoje manifesta-se como guerra popular, sob a direção do PCI (Maoísta).

Não há dúvida de que a guerra popular na Índia, cujo gênesis remonta à chamada Revolução Naxalita de 1967, é um dos imponentes alcances revolucionários que desenvolveu o proletariado e povo da Índia e que indiscutivelmente está a serviço do proletariado internacional.

Continuar lendo “Equador: Viva os 50 anos de Naxalbari! (Frente de Defesa de Lutas do Povo)”

Chacina em Pau D`arco no Pará é crime de Estado! (Liga dos Camponeses Pobres)

Importante nota da Associação de Nova Democracia Nuevo Peru – Hamburgo, Alemanha:

A Associação de Nova Democracia – Hamburgo solidariza-se com a luta do campesinato do Brasil pela terra e com os familiares e companheiros e companheiras dos heroicos camponeses brasileiros caídos na luta contra a semifeudalidade, o capitalismo burocrático e o imperialismo, principalmente ianque. Sabemos que suas mortes não são em vão, mas servirá para impulsionar a luta do campesinato e está ao serviço do proletariado do Brasil, quem, em meio de dura, heroica e persistente luta de classes do proletariado e do povo, está brigando por culminar brilhantemente a reconstituição do Partido Comunista, esmagando o revisionismo e oportunismo e, contando com o heroico combatente que dirige e mantém o rumo da revolução, abrir uma nova e gloriosa etapa da revolução democrática no país, como parte e a serviço da revolução proletária mundial.

Honra e glória aos heróis do povo brasileiro!

Honra e glória ao proletariado e povo do Brasil!

Honra e glória ao marxismo-leninismo-maoísmo com os aportes de validez universal do pensamento gonzalo!


As informações dão conta de 11 mortos e 14 baleados.

As informações que chegaram até agora apontam a DECA como a responsável pela operação militar.

As mentiras começam com a DECA informando que os policiais foram recebidos a tiros e reagiram! Mentirosos! Assassinos! Canalhas!

Continuar lendo “Chacina em Pau D`arco no Pará é crime de Estado! (Liga dos Camponeses Pobres)”

Partido Comunista do Peru: Viva o 37° Aniversário da Invencível Guerra Popular!

Retirado de vnd-peru.blogspot.com. Tradução não-oficial.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Viva o 37° Aniversário da Invencível Guerra Popular!

“(…) Esta convergência da nova ofensiva contrarrevolucionária revisionista conluiada com o imperialismo sonha com a destruição definitiva do marxismo, sonha em varrer tudo o que a revolução fez, todos seus logros, toda sua heroica ação, querem entronizar outra vez o velho, o brutal domínio da reação no momento mais caduco e sinistro do imperialismo. Isto repercute e vemos a capitulação no país; difundem a “paz”, a democracia burguesa, a economia de mercado, os direitos humanos, as ideologias reacionárias, a cultura burguesa; capitulam ante o imperialismo. A capitulação se expressa em duas faces: a capitulação ante a reação nativa e a capitulação ante a reação mundial, sempre é assim, seu objetivo é vender a revolução. É podre, pois, que deve ser arrasada a sangue e fogo e isso requer uma estratégia e uma tática (…)”.

Doc. ”Sessão Preparatória do II Pleno do Comitê Central – 1992”

Presidente Gonzalo

 

Neste vermelho e combativo mês, mês do 1º de maio dia do Proletariado Internacional, dos dias 6,7, 8 e 9 de maio Dia da Resistência Heróica e do dia 17 de maio início da Guerra Popular marxista-leninista-maoísta, pensamento Gonzalo (M-L-M,PG), saudamos com júbilo revolucionário o proletariado internacional, as nações oprimidas, os partidos e organizações maoístas, os militantes do Partido Comunista do Peru (PCP) e do estrangeiro, os combatentes do Exército Popular de Libertação (EPL) e as massas, que com sangue regam e escrevem a nova aurora da Revolução Proletária Mundial (RPM).

Neste 37º Aniversário da pujante e vitoriosa Guerra Popular, nos reafirmamos em nossa Base de Unidade Partidária (BUP), fundamento que guia nossa ação com seu triplo conteúdo: 1) Marxismo-Leninismo-Maoísmo, Pensamento Gonzalo; 2) O Programa da Revolução Democrática; 3) A Linha Política Geral e seu centro a Linha Militar, aprovada e sancionada no I Congresso do PCP, um congresso Marxista, um congresso M-L-M, PG, o primeiro marco da imperecível vitória, filha de dois pais: O Partido e a Guerra Popular. Esta reafirmação é necessária e inevitável hoje mais do que ontem porque enfrentamos uma ofensiva contrarrevolucionária geral, encabeçada pelo imperialismo, principalmente ianque, a reação e o novo revisionismo, não só no Peru mas em todo o mundo, que pretende conjurar a revolução como tendência histórica e política principal e será ainda mais.

Continuar lendo “Partido Comunista do Peru: Viva o 37° Aniversário da Invencível Guerra Popular!”

Alemanha: Lutar contra o imperialismo e seus lacaios (G-20)!

Nota do blog: Reproduzimos tradução não-oficial de declaração assinada por revolucionários alemães, austríacos e turcos, unindo forças contra a reunião da cúpula do G-20, que ocorrerá em Hamburgo (Alemanha) em julho de 2017.


Lutar e resistir contra a cúpula do G-20 em Hamburgo!

A cúpula do G-20 em Hamburgo, a se realizar em julho deste ano, enfrentará uma massiva resistência. Os manifestantes de toda a Alemanha, juntos com pessoas de todas as partes da Europa e outras do mundo, mostrarão sua ira e rechaço a esta reunião dos piores assassinos e ladrões de todo o mundo. Expressarão estes sentimentos de muitas maneiras diferentes – e isso é muito bom.

Vamos tomar parte nesta luta para, junto com outras forças revolucionárias e consistentemente anti-imperialistas, enviar um sinal claro à classe operária da Alemanha e aos oprimidos e explorados de todo o mundo, de que: Aqui se luta contra os imperialistas e seus lacaios, o faremos sem dar-lhes descanso, e seu sonho de uma “zona de influência tranquila” se derrubará em cinzas!

Continuar lendo “Alemanha: Lutar contra o imperialismo e seus lacaios (G-20)!”

Equador: Viva o 37 anos da imarcescível Guerra Popular no Peru

Nota do blog: Reproduzimos comunicado da Frente de Defesa das Lutas do Povo (Equador) com razão do 37º aniversário da Guerra Popular no Peru, desatada em 17 de maio de 1980 (ILA-80), fato que abriu a Nova Grande Onda da Revolução Proletária Mundial e sua etapa de Ofensiva Estratégica, época dos 50 a 100 anos em que o socialismo se imponhará e varrerá o imperialismo e a reação da face da Terra.


O proletariado e povos oprimidos do mundo celebram com júbilo e otimismo de classe o 37º aniversário do início da guerra popular no Peru.

Esta celebração está sujeita de muitas conotações. Uma delas, reafirmar-nos na ideologia, marxismo-leninismo-maoísmo, principalmente maoísmo, porque precisamente foi a GP no Peru que permitiu uma melhor compreesão do desenvolvimento dialético do marxismo-leninismo numa nova e superior etapa: o MAOÍSMO. Mas não só isso, a aplicação criadora do MLM à realidade do Peru, exposta como Pensamento Gonzalo, que além de ter uma leitura científica cingida à especificidade da sociedade peruana, imprime em seu desenvolvimento teórico-científico novos elementos ao marxismo-leninismo-maoísmo, com caráter e validez universal.

Continuar lendo “Equador: Viva o 37 anos da imarcescível Guerra Popular no Peru”

50 anos do Levantamento Camponês de Naxalbari

Nota do blog: Reproduzimos publicação do jornal democrático A Nova Democracia sobre o cinquentenário do Levantamento Camponês de Naxalbari, do qual já abordamos em outra oportunidade. A nota que segue é da redação do jornal.

  


Um Trovão de Primavera sobre a Índia

Nota da Redação de AND: Naxalbari é a aldeia situada ao norte do departamento de Bengala Ocidental que, há meio século, despertou a Índia e animou os povos e nações oprimidas do mundo com seu Trovão de Primavera.

Milhares de camponeses e povos tribais, armados de lanças e fuzis, sob a direção do Partido Comunista da Índia (Marxista-Leninista), lançaram-se à revolta varrendo impiedosamente o latifúndio, fazendo tremer o imperialismo e todos os reacionários.

Sob a forte e decisiva influência da Grande Revolução Cultural Proletária, desencadeada na China em maio de 1966 sob a direção do Presidente Mao Tsetung, a fração revolucionária do Partido Comunista da Índia, dirigida por Charu Mazumdar, rompe com os grilhões do revisionismo e desencadeia a luta armada revolucionária camponesa como guerra popular.

Guiados pelos “Oito Documentos”, escritos por Charu Mazumdar entre 1965-67, os comunistas indianos formularam as bases ideológicas do movimento Naxalbari. Rechaçando o caminho do pacifismo e parlamentarismo, sob a luz do marxismo-leninismo pensamento mao tsetung (como era definido o maoismo à época), definiu-se que o caminho da Revolução Indiana é o da guerra popular prolongada e, em seu programa, enfatizou o papel dos camponeses, cujo principal seria a Revolução Agrária, e apontou que, com a liderança do proletariado, os camponeses seriam a força principal da Revolução.

No início da década de 1960, os comunistas já desenvolviam profundo trabalho entre os camponeses de Naxalbari. Centenas de estudantes e intelectuais revolucionários, provados militantes comunistas, transferiram-se das cidades para as vastas zonas rurais da região e fundiram-se solidamente às massas camponesas.

Em 1965-66 era grande a agitação em torno da preparação e início da luta armada. Em março de 1967, camponeses tomaram terras do latifúndio e realizaram a colheita das safras. Animados, os camponeses criaram comitês em toda região. As tomadas de latifúndios e safras se multiplicaram como um rastilho de pólvora.

O velho Estado enviou as forças policiais para reprimir o movimento. Em 25 de março, a polícia abriu fogo, matando nove mulheres e uma criança. Foi o estopim para as massas camponesas elevarem as labaredas da revolta popular. O tronar de Naxalbari fez-se ouvir da forma mais ruidosa.

As massas revolucionárias camponesas tomaram terras, safras, munições, armas dos latifundiários e das forças de repressão. Clandestinamente, os comunistas dirigiram o movimento, instruindo as massas e animando-as. A aliança operário-camponesa se galvanizou no fogo dos combates.

Continuar lendo “50 anos do Levantamento Camponês de Naxalbari”