Reconstituir o Partido Comunista da Noruega! (Tjen Folket, novembro de 2018)

Nota do blog: Publicamos importante documento assinado por militantes comunistas noruegueses, publicados originalmente no site Tjen Folket e repercutido no Dem Volke Dienen (Servir ao Povo, Alemanha). Tradução não-oficial – pode conter imprecisões.


Reconstituir o Partido Comunista da Noruega!

Em 4 de novembro de 1923, o Partido Comunista da Noruega (PCN) foi estabelecido pela primeira vez. Já fazem 95 anos desde então. Existe uma organização que continua a usar este nome, mas não é um partido comunista. Portanto, o objetivo mais importante dos comunistas é reconstituir o Partido Comunista da Noruega, organizar e estabelecer novamente este partido, e desta vez como um partido maoista.

“PCN” não é um partido comunista

O Partido Ccomunista é o partido do proletariado. A tarefa do partido é liderar o proletariado através da guerra revolucionária e tomar o poder político. O partido só pode servir de direção enquanto organizar os mais ativos e abnegados da classe e organizá-los com rigorosa disciplina e com base no centralismo democrático, principalmente no centralismo. O núcleo da organização do partido é a linha ideológica, o socialismo científico, hoje, o maoísmo.

O “PCN” de hoje não atende a nenhuma das condições particulares de ser um Partido Comunista. Não há diferença qualitativa entre eles e partidos como Rødt [Partido Vermelho] ou SV [Partido Socialista de Esquerda], afora o fato destes serem muito maiores que “PCN”. O programa do partido não é um programa à guerra revolucionária. Eles escrevem que a revolução é quando “uma nova classe toma o poder e a direção da sociedade através de revolução, pacificamente ou não”, isto é, desconsideram Marx e Lenin e outros clássicos, que demonstraram que uma revolução é uma guerra e que não pode ser “pacífica”. O programa deles prossegue afirmando que, antes dessa revolução “pacífica ou não”, devemos primeiro ter reformas.

“PCN” escreve que “para limitar e depois romper o poder do capitalismo monopolista e desenvolver a democracia, reformas democráticas extensas devem ser implementadas para amarrar a luta pela democracia junto com a luta pelo socialismo”. A teoria é que as reformas e demandas do Estado intensificará a luta de classes. Quanto mais reformas, mais luta de classes e, portanto, mais caminhamos ao socialismo. O programa do partido é, em outras palavras, puro reformismo. E ele está em forte contraste com a realidade, onde as reformas dentro do capitalismo têm sido um dos dois principais métodos para reprimir a luta de classes e a revolução. Desde Bismarck, as reformas estatais e o bem-estar social têm sido métodos conscientes para dar às massas algumas migalhas, para evitar que elas tomem todo o poder.

É até reformista na prática. Eles não têm políticas de segurança e colocaram todo o seu foco em participar da eleição, mesmo que mal. Tanto na teoria como na prática, é um grupo social-democrata. A razão para esta situação pode ser encontrada em uma série de erros e falhas com a parte original.

De erros fundamentais a um partido revisionista

Os únicos que nunca cometem erros são aqueles que já estão no túmulo. Todos os partidos vão cometer erros. Mas, alguns erros são mais sérios que outros. E erros sérios e fundamentais estabelecem a base para que os partidos mudem de cor e se tornem seus contrários. O PCN foi estabelecido como um partido com algumas fraquezas extremamente sérias que ele mesmo nunca foi capaz de romper completamente e que lançou as bases para o partido deixar de ser um Partido Comunista. O PCN foi estabelecido sem romper totalmente com o reformismo. Eles tinham uma ala de direita influente que era particularmente forte dentro do grupo parlamentar do partido e dentro da direção dos sindicatos trabalhistas. O partido foi criado como resultado da ruptura do Partido Trabalhista que aderiu ao Comintern (Internacional Comunista) e a conexão entre o Comintern e a União Soviética lançou uma sombra sobre todas as outras questões políticas na divisão entre o Partido Trabalhista e o estabelecimento do PCN.

Além disso, o partido não foi capaz de produzir um chefe forte que pudesse aplicar o marxismo-leninismo criativamente com base nas condições norueguesas, iniciar a luta armada e levar adiante uma linha de esquerda para o desenvolvimento do partido. Como uma série de outros partidos na mesma época, a liderança do partido foi aparentemente dominada por lealdade do Comintern que “meramente” queria lutar pela linha do Comintern, assim como uma variedade de oportunistas de direita como Hallvard Olsen, Sverre Støstad, Emil. Stand, Olav Scheflo e, eventualmente, Peder Furubotn.

O primeiro chefe do partido, Støstad, retornou ao Partido Trabalhista em 1927. O deputado do partido, Olsen, foi expulso um ano após sua criação (1924) por trair a greve dos trabalhadores de ferro, ingressou no Partido Trabalhista em 1927 e 1940 terminou com o partido nazista, Nasjonal Samling (NS).

O partido tinha representantes da linha de esquerda e tinha também ativistas e dirigentes que merecem grande respeito. Mas, o partido não foi capaz de produzir essa direção, nem o chefe que eles precisariam para ter sucesso na iniciação de uma guerra popular e levar o proletariado à sua vitória. Para piorar a situação, vários dirigentes também foram fortemente traumatizados pelo terror nazista e aprisionamento em campos de concentração.

O partido acabou como um partido reformista normal, um partido revisionista que seguiu a linha de direita capitalista da União Soviética após o golpe de Kruschov em 1956. Mas, mesmo após esta transição completa para o revisionismo, as divisões continuaram e dirigentes como Jørgen Vogt, Hans I. Kleven, e Reidar T. Larsen foram expulsos ou deixaram o partido livremente. Não como oponentes do revisionismo soviético ou do reformismo, mas porque o partido não foi suficientemente longe para a direita para o seu gosto.

Resumindo brevemente: um partido que não trabalha para a revolução ou não vê a diferença entre capitalismo e socialismo; um partido inútil para o proletariado. Tal partido, obviamente, nunca pode levar o proletariado ao poder e desenvolver a luta de classes até o comunismo. Não é um partido comunista aquele que confunde o capitalismo de Kruschov, embrulhado com uma fina camada vermelha, com uma ditadura do proletariado.

Os erros do partido e o heroísmo dos comunistas durante a guerra

Quando o Partido Trabalhista deixou a Internacional Comunista (Comintern) e a PCN, o partido já começava tarde como um partido comunista. Muitos países já haviam construído seu partido comunista. Na Alemanha, comunistas em 1919 e 1920 já haviam dirigido rebeliões massivas que infelizmente foram brutalmente reprimidas. Mas, em 1923, a onda de revolução proletária que se seguiu após a Revolução de Outubro de 1917 começou a regredir. O movimento revolucionário na Europa estava de volta em ascensão. O PCN foi estabelecido no meio deste retrocesso e não mudou a tendência. A maioria de seus dirigentes principais que formaram o partido em 1923 desapareceram do partido nos próximos 15 anos.

Quando a Alemanha invadiu a Noruega em 1940, foi um PCN particularmente enfraquecido que recebeu a tarefa de formar uma política proletária para enfrentar a ocupação fascista. Isso falhou miseravelmente no primeiro ano. Eles gastam todos os seus esforços na luta legalista continuada, incluindo o trabalho sindical e negociações sobre a possibilidade de se juntar a um novo governo quando o governo social-democrata foi exilado para a Inglaterra. Os erros da PCN em 1940 não eram só deles. Esta falha também pertence ao Comintern. Mas, os líderes noruegueses devem ter a responsabilidade primária, pois eram eles que estavam no comando do partido. Foi em 1941 que o partido começou a realizar uma resistência armada contra os ocupantes, então sob a liderança de Peder Furubotn. Antes disso, ele era um membro instável da direção central do PCN e da direção no Comintern. Ele foi polêmico e foi em várias ocasiões foi anulado de seus cargos de direção devido a isso.

Em 1949, Furubotn foi expulso do PCN, junto com vários de seus compatriotas. Ele havia defendido um “comunismo nacional”. Durante a guerra, ele liderou a luta armada do partido com grande sucesso. Após o fim da guerra, o aparato ilegal do partido foi fechado, as armas foram entregues e o partido se uniu ao governo de unidade com todos os partidos burgueses. Depois de 1949, ele liderou um grupo que claramente representava uma linha reformista. Ele desenvolveu suas próprias teorias, alegando que o aumento da produtividade fortaleceria a posição do proletariado no local de trabalho e mostraria o caminho a seguir para mais democracia e, portanto, para um futuro mais socialista. Uma linha puramente reformista, com notáveis ​​semelhanças com as linhas direitistas do revisionista na União Soviética e na China. Nestes dois países também, a produtividade foi colocada antes da luta de classes como uma suposta força motriz do desenvolvimento socialista. Este é o “pensamento real” dos atuais líderes chineses e dos grandes capitalistas, onde afirmam que a principal contradição na China não é entre classes, mas entre uma base produtiva atrasada e uma superestrutura socialista moderna.

Para ser claro, não foi uma linha de esquerda no PCN que liderou a luta armada contra a ocupação alemã. Essa direção foi rasgada em pedaços pelos fascistas. Os dirigentes foram enviados para campos de concentração. Vários morreram. Furubotn foi capaz de convencer a liderança do partido como a única voz em apoio à linha correta para a luta armada contra a ocupação, e mesmo assim um pouco tarde demais. O movimento marxista-leninista nos anos 70 desenvolveu uma crítica ao papel do PCN durante a guerra. E o partido também foi autocrítico em suas conseqüências. Isso não contradiz a honra devida a todos os bravos comunistas que entregaram sua luta contra o fascismo. Milhares demonstraram grande heroísmo. Centenas perderam suas vidas. Estes são mártires não só na luta contra o fascismo, mas na orgulhosa história do movimento comunista.

Mas o partido não honrou os sacrifícios que foram feitos. Pelo menos, não de uma maneira comunista honesta. Havia até mesmo tendências de uma vergonhosa ocultação da luta, já que ela não havia sido liderada pela própria direção do partido. Os mais ativos, por exemplo, estavam no Grupo Osvald, no Grupo Pelle e nos partidários de Finnmark. Osvald recebeu ordens diretamente do NKVD (serviços de inteligência soviéticos). Os partisans foram conduzidos diretamente pelo Exército Vermelho. E o trabalho de oposição do partido acabou sendo dirigido por Peder Furubotn, um homem que nunca foi particularmente popular entre a direção real do partido ou do Comintern, nem antes nem depois da guerra. Os historiadores descrevem um homem que era problemático em um nível individual, bem como em termos da linha política que ele defendia.

O revisionismo é o inimigo mortal da revolução

A popularidade do partido entre o povo foi multiplicada por dez durante a guerra. Os comunistas ganharam muito respeito por lutar contra o fascismo. No entanto, o partido não foi forjado para a luta revolucionário. Eles voltaram diretamente para seus “velhos pecados”. Campanhas eleitorais e campanhas para posições nos sindicatos se tornaram o foco principal do partido. Não havia uma compreensão real do proletariado, só é possível tomar o poder apreendendo a arma, e que o partido deve, portanto, ser construído em torno da arma. Em vez disso, o partido construiu-se em torno das mesmas formas de atividade que todos os outros partidos o parlamentarismo. O que aconteceu com a tese de Lenin sobre “um partido de novo tipo”? Não havia nada de novo com esse tipo de partido tal como o PCN.

Na década de 1970, muitas vezes se ouvia dizer que “PCN” era o eco do Partido Trabalhista na política nacional e o eco da União Soviética na política externa. Eles apoiaram voluntariamente os “governos trabalhistas” social-democratas. Eles obedientemente seguiram a União Soviética quando começaram a angariar apoio para sua política social-imperialista e hegemônica. Sob a capa da “coexistência pacífica” e do “caminho pacífico para o socialismo”, esses revisionistas soviéticos lutaram contra a revolução em todos os continentes. Seu apoio a partidos e movimentos políticos era o mesmo que todas as grandes potências sempre ofereceram – apoio sob a condição de que servisse a seus próprios interesses. Eles de bom grado intervieram militarmente, fosse Tchecoslováquia, Etiópia, Cuba ou Afeganistão. E foram recebidos por políticos que desejavam trabalhar em favor das baionetas soviéticas. Aqueles eram tão traidores quanto os que queriam trabalhar em nome do imperialismo ianque. A única exceção deve ter sido aqueles que se permitiram ser enganados por línguas de prata e promessas vazias. Mas, a ingenuidade política não é nada para ser honrada, mesmo que seja marginalmente menos podre do que a flagrante e consciente traição.

A sombra do “PCN” que persiste tem membros que merecem respeito por isso ou aquilo. Mas o partido se manifesta como um defensor da união reacionária de falsos “partidos comunistas e trabalhistas”. Seus partidos aliados serviram diretamente como agentes do social-imperialismo em todos os continentes, como o regime de Mengistu na Etiópia, que matou os revolucionários aos milhares. Ou, como o PCI (Marxista) na Índia, que enviou esquadrões da morte contra maoístas e camponeses em Bengala Ocidental. Ou, a monarquia capitalista de estado na Coreia do Norte, um inimigo jurado da revolução cultural chinesa. Ou o Vietnã, que invadiu o Camboja e subjugou o país como uma semi-colônia. Ou, o PDPA no Afeganistão, que matou milhares de jovens comunistas.

Dentro dos movimentos revisionistas, pode-se encontrar muitas pessoas com boas intenções. Alguns deles permanecem dentro desses movimentos revisionistas porque acreditam que, como há tão poucos comunistas na Noruega hoje, eles precisam se reunir onde puderem. Eles talvez acreditam que devemos simplesmente reunir todos aqueles com boas intenções e aqueles que simpatizam com uma espécie de “pensamento comunista”, de modo a não dividir a esquerda. Eles talvez acreditem que qualquer coisa seria melhor que o capitalismo imperialista liderado pelo USA. E muitos deles acreditam que é errado travar a luta de duas linhas porque temem a divisão.

O revisionismo é o inimigo mortal dos comunistas. Não só no passado, mas no aqui e agora. Os partidos revisionistas perseguem, aprisionam e matam os nossos camaradas hoje, nos nossos tempos. E, em vez de se reconciliar com o revisionismo, o comunista deve avançar à linha que sustenta que pode existir apenas um Partido Comunista, que o proletariado só pode ter uma liderança, e que essa liderança em nossa época deve ser guiada e deve aplicar o maoísmo.

A exigência de reconstruir um partido como partido maoísta opõe-se ao princípio de agradar a todos. Ele se opõe ao medo da luta de duas linha e se opõe à unidade sem princípios. A demanda é tratar o socialismo científico como a ciência que é, e reconhecer que um partido revolucionário combativo deve ter uma liderança e uma ideologia, unir o proletariado ao seu redor, romper e lutar e esmagar as linhas e líderes revisionistas.

Em todos os continentes, o revisionismo se manifestou como infiltrado e agente. Ele se manifestou como apologista do social-imperialismo soviético. Ele legitimou a opressão fascista na União Soviética e na China, particularmente contra os verdadeiros revolucionários. Todo este movimento está podre no seu núcleo, que vergonhosamente continua a abusar de símbolos revolucionários, só torna isso pior. É dever de todos os comunistas revelar essa falsa imagem. O revisionismo é o inimigo mortal da revolução. Seja operando “de dentro” ou de fora, tem por toda a sua existência legitimado o capitalismo, apoiado e assassinado dezenas de líderes revolucionários.

Do maoísmo à vitória

Além disso, é dever dos comunistas dedicar-se plena e inteiramente ao restabelecimento do Partido Comunista. O Partido Comunista da Noruega deve ser reconstituído e reconstruído, desta vez com base no marxismo de hoje, ou seja, o marxismo-leninismo-maoísmo, principalmente o maoísmo. Deve ser reconstruído como um partido que inicie a guerra popular, porque este é o único caminho para a tomada do poder político pelo proletariado. Se existem outras maneiras, então não as vemos há mais de cem anos. Pelo contrário, vimos que a guerra popular é o que leva à vitória. E o partido deve, se for para iniciar a guerra popular, ser um partido militarizado.

Que o velho deve morrer e o novo deve nascer não é em si algo para lamentar. É o caminho da vida e da história. É a coisa mais natural do mundo. O fato de hoje estarmos sem partidos comunistas na maioria dos países do mundo não é uma situação qualitativamente pior do que a que enfrentamos no século XIX, quando não existia uma única parte desse tipo no mundo. Mas hoje, estamos em uma posição qualitativamente muito melhor, pois agora temos mais de um século de experiências ricas para aprender. Temos guerras populares que estão sendo travadas no Peru, na Turquia, nas Filipinas e na Índia. A ideologia do proletariado passou por um novo salto qualitativo, elevando-o a um nível muito mais alto: o maoísmo.

O maoísmo compreende a sistematização dessas experiências ricas e nos permite definir o curso correto à nossa frente. E foi implementado de forma criativa pela maior e mais abnegada das massas mais pobres do mundo nas florestas tropicais da Índia e do Brasil, nas montanhas da Turquia, nos vales do Peru e nas milhares de ilhas das Filipinas. Sempre existiram “gênios” que afirmam fazer todas as descobertas por conta própria. Quem vive relativamente isolado das grandes lutas revolucionárias, mas que de alguma forma conseguiram encontrar “o seu próprio caminho” nas suas mesas nos países imperialistas. Eles são influenciados por seus interesses de classe e uma compulsão correspondente para subordinar as descobertas científicas dos clássicos. Eles são muitas vezes incapazes de oferecer uma crítica aos grandes líderes comunistas, mas vai “encontrar algo novo”, a fim de evitar ter que responder por isso. Na maioria das vezes, eles estão enganando a si mesmos e nunca estão à altura dos verdadeiros gênios da história.

Se alguém é um revolucionário humilde, alguém que tenha como objetivo maior servir ao povo, preferiria aprender com os líderes que o próprio proletariado forjou. E, além disso, procurarão apaixonadamente aplicar seus estudos às condições materiais em que eles mesmos vivem e trabalham. Mais importante, eles lutarão para reconstituir a direção necessária para avançar e depois para avançar o próprio partido do proletariado, o Partido Comunista da Noruega. Este partido será novamente estabelecido e este partido conduzirá a revolução à vitória na Noruega como parte da revolução proletária mundial.

Estamos condenados a vencer e a nossa primeira grande vitória será a reconstituição do Partido Comunista da Noruega. Quando isso acontecer, quanto tempo levará, dependerá da iniciativa e dos sacrifícios dos comunistas noruegueses, juntamente com nossa capacidade de aplicar o maoísmo criativamente às nossas condições. Não é, contudo, uma questão de se vencermos, mas quando vamos vencer.

Esmague o oportunismo e o revisionismo com luta de duas linhas e revolução!

Reconstituir o Partido Comunista da Noruega como um partido maoista!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s