Ao patriótico povo venezuelano cabe desenvolver uma luta heroica contra o agressor imperialista ianque e seus lacaios (Associação de Nova Democracia Nuevo Peru, 2019)

http://vnd-peru.blogspot.com/2019/01/america-latina-al-pueblo-patriotico.html

A agressão do imperialismo ianque contra a República Bolivariana da Venezuela está marchando como um golpe de Estado por um fantoche do imperialismo ianque, Juan Guaidó. O golpe de estado anunciado desde setembro de 2018, para preparar a opinião pública interna e externa, por representantes próprios do governo Trump e divulgado pelo The New York Times, sem revelar a forma, está em curso da maneira mais cínica e sinistra.

O fantoche do imperialismo ianque Juan Guaidó apareceu de repente como líder da “oposição” e foi nomeado presidente da Assembléia Legislativa suspensa. Então, continuando com o libreto do golpe estabelecido pelo governo arquirreacionário e genocida de Trump-Pence, ele se proclamou em uma reunião pública de seus partidários como “presidente interino” violando a ordem constitucional e legal do país, supostamente contra o “governo ilegítimo de Maduro”, “contra a ditadura”, “pela liberdade”.

Imediatamente após, numa paródia ridícula e violando sua própria ordem internacional (Carta das Nações Unidas e da OEA), o governo imperialista ianque reconheceu nesta encenação um ato válido de assunção de poderes como presidente do país e como governo legítimos, ordenando às Forças Armadas e à Segurança Venezuelana que eles “protejam seu títere”, isto é, ordenaram, como autoridade imperial, que as forças armadas de um país formalmente independente sigam suas ordens como tropas coloniais a seu serviço, então ignoraram o ato soberano do presidente Maduro de romper relações com o USA e disseram que as forças armadas e de segurança devem responder pela segurança de seu pessoal diplomático, porque eles não reconhecem o ato soberano do governo venezuelano, mas sim o que o “governo interino” ordena seguindo suas próprias ordens e serviços.

Como era necessário, os imperialistas russos e os social-imperialistas chineses condenaram a agressão do imperialismo ianque, que aparece por enquanto como um golpe de Estado e assume a defesa do “direito internacional”, porque esta agressão do imperialismo ianque vai contra os seus próprios interesses no país e na região.

As outras potências imperialistas, sempre em conluio e pugna com a única superpotência hegemônica, o imperialismo ianque, tomaram seu tempo para negociar e depois agir para garantir sua parte dos despojos. Assim, a Espanha, com grandes interesses econômicos na Venezuela,

“anunciou que reconhecerá nos próximos dias o líder da oposição e presidente da Assembléia Venezuelana, Juan Guaidó, como ‘presidente encarregado’ do país, se Maduro não concordar em realizar eleições imediatamente com garantias democrática e sob controle internacional, de acordo com fontes diplomáticas. As mesmas fontes apontaram que a duração deste período, que em qualquer caso será muito breve, está sendo discutida na sexta-feira pelos embaixadores políticos dos 28 para salvaguardar a unidade da UE.

O chefe do governo, Pedro Sánchez, manteve conversações com a chanceler alemã, Angela Merkel; o presidente francês, Emmanuel Macron, e outros líderes europeus para chegar a uma posição comum. Sánchez se reuniu quinta-feira em Davos (Suíça) com os presidentes do Equador, Lenin Moreno; Colômbia, Iván Duque; e Costa Rica, Carlos Alvarado, que lhe pediu para liderar na UE o reconhecimento do presidente interino autoproclamado (então os ianques enviaram uma mensagem extra e pressionaram seus lacaios, nossa nota).

Neste sentido, o governo alemão exigiu na sexta-feira a realização imediata de eleições “livres e justas” na Venezuela e indicou que está disposta a reconhecer provisoriamente Guaidó como chefe do Estado interino durante as eleições, informa a Efe”. (El País 25.01.19).

A agressão imperialista contra a Venezuela, que no momento está ocorrendo como um golpe de Estado, força o povo venezuelano a se levantar em um poderoso movimento de resistência contra a agressão imperialista, derrotando neste estágio o golpe de Estado em marcha, cabe ao povo armar a mente com a decisão de enfrentar a intervenção armada do imperialismo e depois armar para lutar e resistir à luta numa luta heroica contra o agressor imperialista ianque e seus lacaios.

Os povos da América Latina, para salvaguardar a independência nacional e a soberania nacional, têm o imperativo de empreender uma luta “golpe por um golpe” contra o agressivo e genocida imperialismo ianque, o principal inimigo dos povos do mundo.

Cabe ao governo venezuelano assumir o desafio e mobilizar as forças armadas para salvaguardar a independência nacional e a soberania nacional para entregá-las em uma dura guerra de resistência. É um bom exemplo, que finalmente o governo pelos golpes recebidos parou de fingir estar sentado em dois cavalos e decidiu romper relações com o imperialismo ianque e expulsar seu pessoal diplomático. Mas isso não é suficiente, as coisas não são como nas oportunidades anteriores em que a oposição lacaia depois de algumas escaramuças recuou, agora é uma intervenção direta do imperialismo ianque, descarada:

“A diferença é que hoje a oposição afirma ter um plano mais definido e apoio internacional que vai além das declarações de solidariedade (…) Como se traduzem esses passos? Guaidó disse em sua conta no Twitter, trata-se de ‘resultados concretos’. Em primeiro lugar, o envio de 20 milhões de dólares para ajuda humanitária anunciada pelo Secretário de Estado dos Estados Unidos e, em segundo lugar, ter recebido o apoio de outra instituição que garante o acesso a fundos na América. ‘O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) manifesta sua disposição de trabalhar com o presidente interino da Venezuela para garantir a continuidade de nosso apoio ao desenvolvimento do povo venezuelano’, disse Luis Alberto Moreno, chefe da instituição. acrescenta o reconhecimento recebido pela Administração de Donald Trump, do Canadá, Brasil Colômbia, Argentina, Peru, Equador ou Chile'”. (El País, 25.01.19).

E o que o governo de Maduro faz, de acordo com o mesmo jornal: “Em 10 de janeiro, ele convocou a população, as comunidades, as famílias a se tornarem ‘ativas defensoras da paz’. Ele ordenou, antes, a saída de todos os diplomatas norte-americanos e anunciou o retorno de autoridades venezuelanas que estavam naquele país (…). ‘Eu, ao Governo do México e o Governo do Uruguai, digo: ‘Concordo com uma iniciativa diplomática de diálogo’, continuou ele durante a abertura do ano judicial. E deixou claro para todos que permanecerá no poder pelo menos até 2025. ‘Eles pretendem impor um governo paralelo, um governo de palhaços’, enfatizou. ‘O governo que eu presidirei continuará a governar (…) continuaremos governando, aplicando a lei’, enfatizou”.

Como se lê nas palavras de Maduro, por limitações de classe, como representante de um setor da fração burocrática da grande burguesia, não avalia bem a situação e dúvida do que fazer, acha que ainda pode-se negociar quando o momento exige agir decisivamente, quando o tempo das armas soa, a situação exige que ele capitule ou lute. Se capitular, vai cumprir a ordem do amo imperialista ianque que o chama a deixar o governo e convocar eleições a ser designado legitimada pelas urnas, pela farsa eleitoral sob o controle direto dos imperialistas e seus fantoches ou outro da mesma laia. Trump ameaçou usar maior caso de violência Maduro não cumpra a ordem imperialista. Se lutar, Maduro estará a defender a soberania e a independência de seu país e servindo assim, querendo ou não, à revolução de nova democracia na Venezuela, que irá desenvolver-se armadamente, tendo como principal contradição, em sua primeira etapa, a contradição nacional-imperialista e as outras duas serão secundárias no momento.

Para o proletariado da Venezuela, no seu nível mais avançado, os maoístas devem se fundir com os operários, camponeses, a  pequena burguesa e a burguesia nacional e todos aqueles que estão dispostos a enfrentar o agressor imperialista e seus lacaios, com exceção de um de traidores, participando ativamente do armamento geral das massas no campo e na cidade para preparar uma ampla guerra de resistência como uma luta armada, lutando para dirigir e no decorrer dos eventos bélicos lutar para reconstituir seu Partido Comunista para transformar a luta de resistência armada em guerra popular da libertação nacional.

É necessário unir todos aqueles que não querem ser escravos dos Estados Unidos, todos aqueles que defendem a independência, a soberania e a dignidade nacional do país, todos aqueles que se recusam a se submeter à intimidação, interferência, controle e agressão dos imperialistas ianques. Com todos eles, é necessário uni-los e mobilizá-los, colocando-se contra os chamados à conciliação, à paz ou privilegiando as negociações antes de agir resolutamente para esmagar a agressão do imperialismo ianque que se desenvolveu momentaneamente na forma de um golpe de estado.

As forças patrióticas devem aplicar o centralismo democrático e defender as condições de vida do povo, os maoístas, como representantes do proletariado e da sua vanguarda em ascensão, são responsáveis por criticar todas as expressões do capitulacionismo nos representantes das outras classes e daqueles que são mostrados com pouca decisão de assumir o dever que lhes corresponde.

A intervenção militar do imperialismo ianque, que começou como um golpe de estado acompanhado de um desdobramento e cerco de forças para levar a capitular o governo de Maduro e subjugar a nação, não vai parar por aí se não atingir seus objetivos, vai desenvolver-se escalando em todas as áreas para tentar alcançar seus objetivos e, portanto, suscita e levantará uma nova onda contra o imperialismo ianque entre os povos da América Latina e do mundo.

Tu, heroico povo venezuelano, sem dúvida não está sozinho em sua luta. Você desfruta do apoio de todos os povos da América Latina, do apoio de todos os povos da Ásia, do apoio de todos os povos da África, do apoio dos povos de todo o mundo.

A luta dos povos do mundo contra o imperialismo ianque vencerá!

 

O artigo do jornal El País contém parte da verdade para ocultar o próximo passo do plano: a invasão e ocupação militar do país

http://vnd-peru.blogspot.com/2019/02/venezuela-articulo-del-diario-el-pais.html

Hoje, o jornal pró-governo do imperialismo espanhol publicou um artigo em nome dos jornalistas Miguel González e Silvia Ayuso, intitulado: “O reconhecimento de Guaidó: político, mas ainda não jurídico”. Subtitulado: “O estrangeiro espera que o líder da Assembleia venezuelana nomeie um representante, mas não um embaixador, para evitar ter que demitir ao de Maduro”.

No artigo mencionado acima, comenta, de maneira cínica, os representantes da diplomacia e do governo espanhol reconhecem que o muito difundido reconhecimento diplomático do governo espanhol e de outros governos da União Europeia (UE), como Alemanha, França, Inglaterra , etc., do “governo interino” como o governo “legítimo” do fantoche venezuelano do imperialismo ianque Juan Guaidó, não tem validade ou força jurídica, mas é um reconhecimento político, ou seja, é APENAS UM APOIO POLÍTICO PARA O GOLPE DE ESTADO PARA JUSTIFICAR A INTERVENÇÃO MILITAR DO IMPERIALISMO IANQUE COM O PRETEXTO DA “AJUDA HUMANITÁRIA”.

A “AJUDA HUMANITÁRIA” É O “CAVALO TROJANO” CRIADO PELA IMAGINAÇÃO MALDITA DO IMPERIALISMO PARA OCULTAR A INVASÃO.

O “RECONHECIMENTO” MEDIÁTICO DO GOVERNO PARALELO FALSO E INEXISTENTE É UM ATO DE SIMULAÇÃO JURÍDICA PARA TRATAR DE VALIDAR O OFERECIMENTO DE “AJUDA HUMANITÁRIA” COMO DE UM GOVERNO PARA OUTRO “GOVERNO”: DO GOVERNO IANQUE E SUA ACEITAÇÃO PELO “GOVERNO INTERINO” MADE IN USA, MOVIDO PELOS EUA, A MARIONETA GUAIDÓ MOVE E SEU VENTRÍLOCUO DIZ QUE ACEITA “A AJUDA”.

ÀS FRONTEIRAS DA VENEZUELA (COM O APOIO DOS GOVERNOS DOS IMPERIALISTAS DA ALEMANHA, ESPANHOL, INGLÊS, FRANCÊS, INGLÊS E OUTROS DA UNIÃO EUROPEIA (UE), QUE DEFINEM SER “GRANDES DEFENSORES DE DEMOCRACIA E DIREITO INTERNACIONAL”), OS IMPERIALISTAS IANQUES VÃO EMPURRAR O PRESENTE DE GREGO DO GOVERNO DO TRUMP-PENCE, ENCHER A BARRIGA COM TROPAS INTERVENCIONISTAS:

ENTÃO ELES LOGO FABRICARÃO TAMBÉM O PRETEXTO PARA EMPURRAR PARA O INTERIOR DAS FRONTEIRAS DO PAÍS (VENEZUELA) AGREDINDO-LHE VIL E COVARDEMENTE. DEPOIS, TRATARÃO DE TENTAR JUSTIFICAR A GUERRA DA AGRESSÃO IMPERIALISTA, O GENOCÍDIO E O SAQUE DA RIQUEZA DO PAÍS NOVAMENTE COM A CORTINA DE FUMAÇA DA INTERVENÇÃO HUMANITÁRIA, DA OBRIGAÇÃO DE INTERVIR PARA EVITAR O “DESASTRE HUMANITÁRIO”.

QUE TODA A INFÂMIA DO IMPERIALISMO E SEUS LACAIOS CONTRA O POVO DE UMA NAÇÃO OPRIMIDA DO TERCEIRO MUNDO COMO A VENEZUELA CAIA COMO MALDIÇÃO SOBRE SUAS PRÓPRIAS CABEÇAS CONTRA TODOS ESTES IMPERIALISTAS E SEUS LACAIOS E OUTROS SERVOS. PORQUE PARA O POVO DA VENEZUELA RESISTIR É SALVAR-SE, RESISTIR É VIVER E CAPITULAR É CAIR NA ESCRAVIDÃO COLONIAL DE IMPERIALISMO IANQUE, CAPITULAR É MORRER.

O QUE PRETENDE OCULTAR O ARTIGO DE EL PAÍS

O plano imperialista ianque de golpe de Estado na Venezuela para impor um governo fantoche e mudar o status semi-independente (semicolonial) do país para um status colonial, estabelece consumar-se pele agressão militar direta com suas próprias forças, coalizão ou outras forças. A forma pode variar, mas em qualquer caso, agressão militar direta pelo imperialismo ianque, esse é o seu caráter.

O “reconhecimento do governo interino” simulado por Trump-Pence e seus servos do continente como os governos do Peru, Argentina, Brasil, Colômbia, etc., assim como pelos seus pares dos países imperialistas da UE, é NO MOMENTO apenas um ato jurídico simulado, já que um reconhecimento real, com validade e força jurídica vinculativa, nas atuais circunstâncias é uma impossibilidade política e jurídica.

Mas, os patriotas venezuelanos e todos os anti-imperialistas do mundo não podem ser surpreendidos, então o artigo do El País é omisso acerca de como o plano ianque continua, porque os imperialistas são tigres de papel no estratégico e você tem que desprezá-los, mas taticamente eles são tigres reais e você tem que levá-los em conta.

A parte que não diz o artigo do jornal, é que o plano de intervenção militar ianque contempla avançar com suas tropas ou outras no território venezuelano com o pretexto de proteger a ‘ajuda humanitária’, para arrancar um ‘pedaço’ do território pátrio venezuelano e entregá-lo para a marionete do imperialismo ianque, declarando-o um ‘governo efetivo’ e não só de reconhecimento e, a partir deste fato político-militar e dos efeitos jurídicos, naquele território ocupado, declarar “por mandato de seu senhor e diante de seu senhor”, “agir como governo e usurpar passo a passo com o avanço da invasão estrangeira as funções executivas do país e depois os titulares das grandes mídias a serviço da reação e do imperialismo proclamarão que a partir desse fato o reconhecimento não é apenas político, mas jurídico e passarão a receber as credenciais de representante diplomático do fantoche do invasor e dispensarão “o de Maduro”.

Até agora, o “governo interino” do fantoche dos ianques, Guaidó, não é nem formal nem, de fato, um governo provisório interino, isto é, não exerce um pingo de poder em nenhuma parte do território do país.

É apenas um falso remedo inventado pelos ianques e seus lacaios para realizar seu plano colonial na Venezuela. É por isso que não podemos rir, mas enfurecer-nos, ódio de classe justo e convocar à resistência das massas mais estáveis do povo e o apoio internacional mais amplo e consistente sob a consigna universal: Yankees Go Home!

Como uma farsa a serviço da agressão, no momento o “governo interino” do fantoche Guaido e seu “reconhecimento nacional” como “governo legítimo” é semelhante em todos os chamados “governos no exílio”, só que neste caso foi declarado como tal em uma praça de Caracas e seu dormitório e escritórios estão em território estrangeiro (a Embaixada dos ianques em Caracas). Mas, com o acréscimo, que na propaganda de guerra dos imperialistas ianques e seus capangas, que é propagada em todas as mídias, é chamado de “governo legítimo”, “reconhecido internacionalmente”.

Neste momento, não é um governo em funcionamento e é apenas uma pantomima de “presidente interino”, “um remedo ianque”, como parte de um plano mais amplo elaborado. Tem a aparência de ridículo, mas não nos confundamos com as aparências. O governo de Maduro mostra uma suposta supremacia política e militar nesse sentido.

Ao povo da Venezuela cabe mobilizar-se ampla e profundamente para se preparar à resistência. Os maoístas e outros revolucionários são responsáveis por instruir o povo e mobilizar para a resistência e conjurar a capitulação, criticando os erros e vacilações demonstradas pelos representantes das outras classes que no momento se tornam parte das forças patrióticas anti-ianques.

Os governos imperialistas da Europa, no meio do conluio e da pugna imperialista com o USA, fazem um clamor público que reconhece Guaidó como um governo legítimo, sabendo que faz parte do plano de guerra de agressão dos ianques, porque, como eles o reconhecem, pelo menos para o momento, seu “governo provisório” é uma impossibilidade política e jurídica.

Quando declaram solenemente tal “reconhecimento”, para dizer o mínimo, estão cometendo uma ofensa aos seus próprios cidadãos propagando a mentira da guerra do imperialismo ianque. E o pior, eles fazem isso com o descaro imperialista, em conluio e pugna com os ianques, pelo botim que, desta vez, é a Venezuela. Eles servem para avançar o plano de agressão contra o povo da Venezuela com uma ameaça de reconhecimento diplomático do “governo interino” do ianque Guiadó, embora eles estejam cientes de que, de acordo com o direito internacional e diplomático não poderia ocorrer assim, como explicado no próprio artigo do El País que, como já advertimos, contém apenas uma parte da verdade e quase dá o próximo passo do plano: a invasão militar e a ocupação da Venezuela pelo imperialismo ianque, seja qual for sua forma. Por que eles procedem assim? Sem dúvida, tentar justificar a agressão imperialista, apresentá-la como guerra justa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s