A guerra de ‘baixa intensidade’ do imperialismo ianque contra o povo da Venezuela passou a manejar todo tipo de instrumento, como semear o caos com o apagão (Associação de Nova Democracia, março 2019)

Tradução não-oficial

Um jornal, em um artigo, disse o seguinte sobre o apagão causado presumivelmente pelos imperialistas ianque, como parte de sua agressão militar contra a nação venezuelana, por agora, com a sua chamada “guerra de baixa intensidade” para conseguir a capitulação do governo de Maduro e impor sua marionete no governo, com Guaidó ou outro:

“Numerosos informes e notas publicados nos últimos dias confirmam que o apagão foi precisamente produto de um atentado informático, obra de hackers de alto nível de sofisticação técnica. Não vem ao caso dar maiores detalhes do assunto, mas basta observar um artigo da revista Forbes, insuspeita de simpatias chavistas, no qual disse que embora a causa mais provável do apagão venezuelano tenha sido falhas e deficiências na manutenção da rede de represas, não pode descatar-se que o fato pode ter sido parte de uma operação do governo do Estados Unidos, haja visto a manifesta beligerância da Casa Branca contra a Repúbica Bolivariana da Venezuela e a crescente importância que a ciberguerra adquiriu nos círculos políticos e militares de Washington. Segundo o autor da nota, Kalev Leetaru, ‘o primeiro ataque cibernético pretende enfraquecer um Estado adversário como preparação para uma invasão convencional, e o caos e a anarquia gerados podem forçar a derrubada de um governo estrangeiro sem que este último possa acusar seu agressor. O artigo tem um tom muito cauteloso, apesar de que não deixar de dizer que “no caso da Venezuela a ideia de que um governo como o do Estados Unidos pode interferir à distância em sua grade é completamente realista’. (https://www.forbes.com/sites/kalevleetaru/2019/03/09/could-venezuelas-power-outage-really-be-a-cyber-attack/#3e026e0b607c)”.

É claro que a revista Forbes dá uma ideia aproximada da agressão que atualmente é desenvolvida pelo imperialismo norte-americano contra a Venezuela, mas ainda vê tudo apenas como uma preparação para uma invasão convencional, ou seja, não vê a guerra que atualmente está sendo desenvolvida pelo imperialismo norte-americano contra o povo da Venezuela, que tem como objetivo político da guerra do “espectro mais baixo de forças” (“guerra de baixa intensidade”, mas finalmente a guerra): a capitulação do país e sua submissão ao imperialismo. E que no caso desta forma de agressão militar de “guerra de baixa intensidade” não atingir o objetivo político; então, depois de enfraquecer a frente interna e internacional do país e obter opinião favorável no próprio USA, passaria a desenvolver uma invasão militar convencional, sozinha ou em coligação, mas como é até agora, será também a agressão militante do imperialismo ianque contra este país oprimido. É por isso que o artigo do qual a citação foi extraída e Forbes fala do apagão ter a “missão de enfraquecer um Estado adversário como preparação do terreno para uma invasão convencional”.

É por isso que citaremos a seguir um de nossos artigos que não mereceu a devida atenção:

“(…) Plano que revela o modo como o imperialismo norte-americano visa principalmente a luta das nações oprimidas, neste caso a Venezuela.
Os imperialistas ianques estão aplicando em sua agressão a chamada ‘guerra ou conflito de baixa intensidade’. Toda esse falatório, até mesmo ameaças como a ‘resposta forte e significativa’ de Trump e Bolton ou antes as mais enganosas, tentam cobrir o desenvolvimento do plano como uma reação necessária contra a atitude violenta e ditatorial do governo da Venezuela, apontando para desmilitarizar o discurso de agressão e tentar esconder suas verdadeiras intenções da opinião pública norte-americana e dos povos do mundo. O imperialismo quer ganhar opinião pública, que é o seu desejo, no entanto, como discutido pelo Presidente Gonzalo, também contém uma diferença no conteúdo chamado conflito ou guerra de baixa intensidade.

O Presidente Gonzalo nos transcreve um texto: ‘Conflito de baixa intensidade se refere a uma série de atividades e operações no extremo mais baixo do espectro do conflito, incluindo o uso de forças militares ou semimilitares (tanto de combate como de não combate), de parte de um poder interventor para influenciar e obrigar ao adversário a aceitar uma particular condição político-militar’. Segundo este texto, guerra de baixa intensidade seria o extremo mais baixo do espectro. O problema quando fala do espectro se refere a que quando se utilizou a bomba atômica, contaram com uma arma de imenso poder destrutivo que rebaixava todo o conhecido até então, isso em agosto de 1945; dali em diante passa-se a conceber que é factível classificar as guerras segundo a intensidade das armas, dos meios utilizados e as classificam em baixa intensidade, média intensidade e máxima intensidade, estas últimas utilizam bomba atômica; as de média intensidade usam armas da guerra convencional, todos meios não atômicos; e aquelas de baixa intensidade utilizam ps meios mais simples e menos poderosos; daí a classificação da guerra pela intensidade.

Ele diz que essas atividades e operações ‘incluem o uso de forças militares ou semimilitares e forças de combate e de não combate’. A guerra entrou para lidar com todos os tipos de instrumentos. Eles são usados por uma superpotência ou potência porque, como diz, ‘da parte de um poder interventor para influenciar e obrigar o adversário a aceitar uma determinada condição político-militar’, uma condição que não é senão sujeição.

‘O uso de forças não são exclusivamente para o combate, há uma variedade de métodos e estratégias para influenciar o meio e a ação de outros Estados sem recorrer à batalha’. Significa o uso de outros meios sem recorrer à batalha.
‘Abrange a ameaça do uso da força sem usá-la ou combater e o uso da força em combate’. Ou seja, ameaçar é uma coisa, outra coisa é usar essa força em combate.

‘Um Estado ou Estados estrangeiros devem estar convencidos de que o Estado que está usando a força também está preparado para empregá-la em combate’. É um princípio da diplomacia: se uma força armada é usada simplesmente para ameaçar sem a certeza de que vai ser usada, então ela não tem efeito para ameaça. Kissinger disse assim: tem que ficar claro que essa força utilizada para ameaça será usada. Diplomacia é apenas um conjunto de vínculos e tratados que ultrapassam seu limite, é a arma que impõe condições. A diplomacia serve a essa guerra e, quando triunfa, leva a maior vantagem do triunfo.

Outra definição: ‘A guerra de baixa intensidade é o recurso de nações e organizações para o uso limitado de suas forças ou ameaça de uso para atingir objetivos políticos sem a plena inclusão de recursos’. Você pode começar com baixa intensidade e, em seguida, elevar a guerra para a média, se você precisar disso para atingir fins políticos. ‘Típico deste conflito é que envolve um número relativamente pequeno de participantes em relação à importância dos objetivos em risco’. ‘Inclua-se a diplomacia coercitiva’. Que eles pressionam, por exemplo, um bloqueio. ‘Ações policialescas’, ‘operações psicológicas, insurgências, guerra de guerrilhas, atividades contraterroristas e deslocamentos militares e paramilitares com objetivos diferentes’. Ampla gama de possibilidades desta guerra de baixa intensidade.
‘Frequentemente a vitória é apenas a metade para evitar um certo resultado’. Ou seja, uma guerra para obter resultados, giros ou mudanças. Toda guerra é assim.

Resumo:

Os imperialistas ianques estão desenvolvendo sua agressão contra o povo da Venezuela como um “conflito ou guerra de baixa intensidade”, dentro do qual está se tornando conhecido pelas ameaças de Trump e seu assessor de segurança nacional, o bêbado genocida Bolton, é o próximo passo que você terá em sua aplicação. Ou seja, como parte desta guerra abrangente de agressão que se aplicam como sua “guerra de baixa intensidade”, usando bonecos como Guaidó e governos e lacaios militares do continente, vai escalar no campo militar como operações contra alvos de alto valor (HVT), que a revista Caretas procura abordar como: “ações militares cirúrgicas de grande impacto, mas com limitadas consequências sociais e políticas”, caso “algo aconteça com Guaidó”. É por isso que eles mandam seu boneco Guaidó de volta para Caracas. Para criar o pretexto para essas operações contra membros proeminentes do governo venezuelano, etc.

Como estamos vendo em seu desenvolvimento, a agressão do imperialismo ianque persegue a capitulação do governo da Venezuela para impor um governo fantoche, liderado por seu fantoche Guaidó ou outro. Isso está de acordo com as citações sobre “conflito ou guerra de baixa intensidade”. O que o USA usa contra o povo da Venezuela, a superpotência hegemônica única como um poder interventor, tem objetivo de “influenciar e forçar o adversário a aceitar uma condição político-militar particular”. Condição esta que não é senão sujeição”. Isto é, a capitulação da nação. Se tudo isso falhar, então eles vão escalar sua agressão como uma guerra de intensidade média ou invasão com grandes forças e meios.

Operações contra alvo de alto valor (HTV) no manual da CIA, “Melhores práticas de contrainsurgência (WikiLeaks publicou: 18 Dezembro 2014)”, são definidos como segue:

“operações contra alvos de alto valor (HVT). Definição de alta – metas de valor (C // NF) vai definir alvo de alto valor como focados em operações contra indivíduos ou redes específicas, cuja remoção ou exclusão deve degradar desproporcionalmente um grupo insurgente. Eficácia. Os critérios para a designação de alto valor. Os objetivos irão variar de acordo com fatores como as capacidades, estrutura e capacidade do grupo insurgente, a dinâmica de liderança e os desejos do governo”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s