Declaração internacional conjunta: Celebrar combativamente o Dia da Heroicidade! (Revista Internacional Comunista, junho de 2021)

Tradução não-oficial.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Declaração internacional conjunta: Celebrar combativamente o Dia da Heroicidade!

Nós, os Partidos e Organizações Maoistas, subscrevendo à presente declaração no 35⁰ Aniversário do Dia da Heroicidade, estabelecido como o Dia Internacional dos Prisioneiros Políticos Revolucionários e Prisioneiros de Guerra, saudamos a ideologia invicta do proletariado internacional, o Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente Maoismo, sob cujas bandeiras invictas estamos avançando na realização da reunificação do Movimento Comunista Internacional, em uma luta dura e prolongada, realizando a reconstituição dos Partidos Comunistas para iniciar e desenvolver a Guerra Popular nos diferentes países, marchando em direção à Conferência Internacional Maoista Unificada e à Nova Organização Internacional do Proletariado.

Em 19 de junho, comunistas e revolucionários de todo o mundo comemoram esta data, comemorando a rebelião dos prisioneiros de guerra do Partido Comunista do Peru, há 35 anos. Aqueles que se rebelaram em defesa da revolução e de suas vidas contra os planos da reação para aniquilá-los e dar um golpe certo na guerra do povo. O monstruoso e infame genocídio por mandato governamental do fascista García Pérez se chocou contra a resistência inflexível e feroz dos camaradas, combatentes e filhos das massas que levantaram a ideologia, a coragem e o heroísmo corajosamente implantados em um ardente desafio de guerra, moldando a monumental trilogia das luminosas trincheiras de combate de Frontón, Lurigancho e Callao, marco histórico que proclamará cada vez mais a grandeza do Dia da Heroicidade, conquistando uma grande vitória política, militar e moral para o Partido Comunista do Peru, para a classe, para o povo peruano e para os povos do mundo, marco histórico que celebramos em todo o mundo. Assim, os heróis continuam vencendo batalhas e servindo à revolução. O proletariado e os povos do mundo lhes guardam sempre um grande respeito e obrigação: continuar a tarefa na qual estavam engajados.

Nesta ocasião solene, saudamos as Guerras Populares atuais, que contra todas as probabilidades continuam sua marcha invencível, como as Guerras Populares no Peru, Índia, Turquia e Filipinas, que mostram o caminho a ser seguido pelas guerras populares que estão para nascer, servindo à revolução mundial e persistindo em desfraldar, defender e aplicar o Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente o Maoismo; guerras populares que são o farol brilhante para as atuais lutas armadas de libertação e outras travadas pelo proletariado internacional e pelos povos do mundo para varrer o imperialismo e a reação da face da Terra.

Continuar lendo “Declaração internacional conjunta: Celebrar combativamente o Dia da Heroicidade! (Revista Internacional Comunista, junho de 2021)”

Peru: Fracasso das eleições reacionárias e o papel da LOD e dos ‘senhores feudais da guerra’ do Vraem (MPP, 2021)

Tradução não-oficial enviada por um leitor.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Fracasso das eleições reacionárias e o papel da LOD e das ações dos “senhores feudais da guerra” do Vraem

Destruir o capitalismo burocrático, tanto particular como estatal; confiscar todas suas propriedades, bens e direitos econômicos em benefício do novo estado, igualmente que os correspondentes ao imperialismo”. (I Congresso do PCP, Programa Geral da Revolução Democrática)

A fração da burguesia burocrática no segundo turno das eleições gerais para a troca das autoridades reacionárias do velho Estado latifundiário-burocrático serviçal do imperialismo, principalmente ianque, como consequência do estrepitoso fracasso que colheu este processo eleitoral reacionário de 2021, por essas armadilhas farsescas da própria farsa que são as eleições reacionárias, estará representada pelo candidato do partideco “Perú Libre”, Castillo.

Castillo do “Perú Libre”, siglas eleitorais de propriedade do corrupto ex-governador de Junin, não é nenhum vencedor do primeiro turno, senão quem ficou em primeiro lugar de todos os derrotados, ou seja, as 18 agrupações ou siglas eleitorais com seus candidatos que só conseguiram o rechaço de todos os convocados a elegê-los. O “rondero” contrarrevolucionário Castillo, ocupou o primeiro lugar no primeiro turno de 11 de abril com somente 11,04% dos votos dos cidadãos considerados aptos para votar nestas eleições gerais reacionárias segundo a Oficiana de Processos Eleitorais do Peru (ONPE). É dizer, quase 89% dos inscritos ou não votou ou votou contra quem ocupou o primeiro lugar, isto é, a imensa maioria dos chamados a elegê-lo para “legitimá-lo” como futuro presidente, no caso de resultar designado mediante a fraude eleitoral, rechaçou Castillo. Isto é, nem com fraude pode servir como presidente “legitimado pela maioria do voto cidadão em eleições livres”. O caso é mais desastroso ainda para quem acabou em segundo lugar e será seu contendor no segundo turno de 6 de junho, como a representante da fração compradora da grande burguesia, Keiko Fujimori da Fuerza Popular, que só obteve oficialmente 7,72% do total eleitoral, isto é, mais de 92% dos chamados a “eleger” a rechaçaram.

Ambos candidatos, tanto Castillo como Fujimori, são produto do fracasso reacionário do primeiro turno das eleições reacionárias de 2021, que confirmaram o que a reação tanto temia e com ele o fracasso de “legitimar” as novas autoridades reacionárias, isto é, “em última instância” com “um desdém da cidadania quanto à classe política do país. É dizer, uma absoluta ausência de esperança no que os líderes dos partidos que a hospedem possam oferecer aos peruanos nestes comícios, desprezando sua procedência ideológica ou as convicções que afirmem encarnar”. Rechaço espontâneo expressado assim a todo esse velho Estado, seus partidos, personalidades, instituições, etc. Quase 42% do censo eleitoral ou não foi votar ou votou em branco e o resto que votou por algum “partido” ou candidato o fez majoritariamente contra os dois candidatos que passaram ao segundo turno estabelecido para “forçar a mão do eleitorado” (como disse um comentarista político reacionário).

Continuar lendo “Peru: Fracasso das eleições reacionárias e o papel da LOD e dos ‘senhores feudais da guerra’ do Vraem (MPP, 2021)”