China: ‘Comemorar o centenário da fundação do PCCh’ (Grupo Comunista – Maoista, 2021)

Tradução não-oficial.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Comemorar o centenário da fundação do Partido Comunista da China

Grupo Comunista (Maoista) – China 2021

Introdução

O dia 23 de julho deste ano marca o centenário do I Congresso do Partido Comunista da China (PCCh). Neste marco histórico, nosso grande Partido Comunista da China nasceu, partido que iria seguir adiante para liderar a Revolução de Nova Democracia na China e a Revolução Socialista, bem como os destacados combatentes proletários chefiados pelo Presidente Mao. Sob a ldireção do presidente Mao, os comunistas chineses completaram grandes tarefas, uma de cada vez, deixando frutos e experiências preciosas para o Movimento Comunista Internacional (MCI). O Partido Comunista da China, em lutas contra inimigos internos e externos, combinou o marxismo-leninismo com a realidade concreta da revolução chinesa e estabeleceu o pensamento mao-tsetung. Mais tarde, o Partido Comunista do Peru (PCP) e o presidente Gonzalo sintetizaram as contribuições universais do pensamento mao-tsetung e as elevaram ao estágio mais alto da ideologia do proletariado – o marxismo-leninismo-maoísmo.

Estabelecimento do Partido Comunista – Fundação da República (1919-1949)

A China, no início do séc. XX, tornou-se um país semicolonial e semifeudal. No campo, havia relações de produção sob a velha economia feudal, que acorrentavam o campesinato e o deixavam sob exploração constantes dos latifundiários e a nobreza rural. Nas cidades, a burguesia compradora burocrática trabalhava como agentes do imperialismo, brutalmente explorando o proletariado recém-nascido, a pequena-burguesia e oprimindo a burguesia nacional. Os latifundiários e compradores mantinham seus interesses através de todos tipos de senhores de guerra, que na realidade montavam seus próprios regimes separatistas.

Antes de nosso partido entrar no palco da história, o povo chinês passou por longas e heróicas lutas contra o feudalismo e o imperialismo, mas essas lutas falharam. A Velha Revolução Democrática dirigida pela burguesia fracassou, uma vez que a burguesia nas semicolônias não possuíam mais a força de levar adiante uma revolução antifeudal democrático-burguesa na era do imperialismo. Sob essas circunstâncias, a tarefa de liderar uma revolução antiimperialista e antifeudal recai sobre os ombros do nascente proletariado. Com a invasão do capital estrangeiro e o desenvolvimento do capital nacional, o proletariado industrial na China alcançou mais de 200 milhões em 1919 e amadureceu, tornando-se a classe mais revolucionária sob os três tipos de exploração do imperialismo, feudalismo e capitalismo burocrático. Além disso, a maioria dos proletários industriais vinham do campesinato, fazendo com que possuíssem conexões naturais com o amplo campesinato e facilitando a aliança operário-camponesa.

Esses fatores, juntamente à influência da Grande Revolução de Outubro, criaram as condições para a constituição da vanguarda do proletariado chinês. De 1919 a 1920, grupos comunistas foram estabelecidos em todas as principais cidades do país. O presidente Mao liderou a luta anti-imperialista e antifeudal do povo de Hunan, espalhando o marxismo-leninismo com o vento leste da Revolução de Outubro. As condições para estabelecer o partido do proletariado estavam maduras.

Em julho de 1921, revolucionários de todo o país deram início ao I Congresso do Partido Comunista da China. Entre as discussões, o Congresso definiu a forma do partido, ratificou a Constituição do Partido e elegeu seus órgãos dirigentes. Nosso grande partido nasceu. No entanto, o recém-fundado PCCh ainda era jovem, tendo representação do proletariado, do semiproletariado, da pequena burguesia e da burguesia nacional dentro do partido, o que gradualmente formou duas linhas opostas, uma proletária e outra burguesa. Por conta disso, sempre existiram lutas de duas linhas dentro do Partido.

Na greve dos mineiros de Anyuan de 1922, Liu Shaoqi pregou “greves pacíficas” e exigiu que os trabalhadores entrassem em acordos com as autoridades. Em 1924, o PCCh e o Kuomintang estabeleceram uma frente única com um programa anti-imperialista anti-feudal, à medida que muitos movimentos populares dirigidos pelo partido irromperam durante este período, incluindo a Greve em Cantão-Hong Kong e o Movimento 30 de Maio; o Partido se fortaleceu muito. No entanto, a partir de 1925, a ala direita do Kuomintang, representando os latifundiários e a grande burguesia, passou a competir pela direção da frente única com o PCCh. Nesse período, a Linha Oportunista de Direita dirigida por Chen Duxiu rendeu suas armas, cedeu a posição de direção, se comprometeu unilateralmente e entregou-se ao Kuomintang, resultando na tomada da direção da frente única pela ala direita do Kuomintang, que em 1927 massacrou sanguinariamente comunistas e trabalhadores e camponeses progressistas (Golpe Contra-revolucionário de 12 de abril de 1927).

Com a falência da Linha Oportunista de Direita de Chen Duxiu no Golpe de 12 de abril, as Linhas Oportunistas de “Esquerda” de Qu Qiubai e, mais tarde, de Li Lisan emergiram dentro do Partido. Qu e Li ignoraram o caráter da Revolução Chinesa à época como de Nova Democracia e classificaram a burguesia nacional e a pequena burguesia como inimigas. Ao mesmo tempo, eles ignoraram o refluxo temporário da revolução criado pelo Golpe de 12 de abril e pensaram que o Partido deveria iniciar uma ofensiva estratégica e conquistar grandes cidades com insurreições armadas e cercos. Sob a influência dessas duas linhas de “esquerda”, o partido empreendeu muitas ações aventureiras, resultando em perdas consideráveis ​​para as organizações do partido e bases de apoio na área governada pelo Kuomintang. Após a falência da linha de Li Lisan, a linha de “esquerda” de Wang Ming e a linha de Luo Zhanglong, que conspiraram para dividir o Partido, surgiram. Sob a influência dessas linhas, o Partido perdeu muitos camaradas, bases de apoio e organismos atrás das linhas inimigas.

A linha revolucionária dirigida pelo presidente Mao travou lutas implacáveis ​​contra os desvios de “esquerda” e direita. Desde a fundação do Partido, houveram debates sobre a questão da linha do Partido durante a revolução democrática: existia a tendência de Chen Duxiu de negar a direção do proletariado e seguir a burguesia, bem como a tendência de Zhang Guotao de negar a aliança operário-camponesa, que nega mais profundamente a ldireção do proletariado. Para responder a esse debate, o presidente Mao escreveu a Análise das Classes na Sociedade Chinesa em 1926, analisando a situação de cada classe na China e que tipo de linha o Partido deveria seguir com o método de análise de classe. Após a falência da Linha de Chen Duxiu, o Presidente Mao usou as atividades concretas na Base de Apoio de Jinggang para refutar a Teoria de Centrar nas Cidades, a expropriação da burguesia nacional e outras posições errôneas levantadas por Qu Qiubai e Li Lisan. Durante a luta contra o cerco de Chiang Kai-shek, a Linha de Wang Ming usurpou a direção do Partido, o que levou as forças revolucionárias tanto nas Áreas Vermelhas quanto nas Brancas a sofrer grandes perdas e forçou o Exército Vermelho a iniciar a Longa Marcha e se realocar as bases de apoio.

Mais de dez anos de constantes lutas de duas linhas educaram o Partido e deram a muitos camaradas um certo grau de compreensão de todas as linhas burguesas “esquerdistas” e de direita. Na Conferência de Zunyi de janeiro de 1935, o Partido repudiou a linha errônea de Wang Ming e afirmou a linha do presidente Mao, estabelecendo a posição de direçãodo presidente Mao. Com mais de dez anos de luta, o Partido estabeleceu pela primeira vez a linha marxista-leninista, marcando a afirmação da linha revolucionária correta. No entanto, o Partido enfrentará ofensivas mais ferozes de inimigos internos e externos no futuro.

Após a Conferência de Zunyi, o Comitê Central do Partido mudou-se para Shaanxi e Gansu, ao mesmo tempo, esmagou a conspiração de Zhang Guotao para dividir o Partido com o Exército. Após o aprofundamento da invasão do imperialismo japonês na China, o Partido levantou a posição de “parar a guerra civil e unir contra o Japão”, na esperança de construir a nova frente única anti-japonesa. A frente única gerou novos debates dentro do Partido. Após o repúdio da Linha de Wang Ming, surgiu a linha isolacionista de “só luta e nenhuma unidade”, que propunha lutar contra a invasão do imperialismo japonês à China separadamente, sem alianças. O Presidente Mao refutou esta tendência e sublinhou que a tarefa do Partido durante a fase atual da Revolução de Nova Democracia era anti-imperialista, anti-feudal e que é possível construir uma frente única ampla nesta base. Enquanto combatia essa tendência, o presidente Mao também propôs que o Partido ficasse alerta contra a possível tendência direitista de abandonar a posição de direção do Partido na frente única. Como disse o presidente Mao, depois que o PCCh forçou Chiang Kai-shek a parar a guerra civil e formar a frente única, indivíduos como Wang Ming e Liu Shaoqi novamente se manifestaram pregando pela formação de um governo único em toda a China, tentando fazer o Partido abandonar o controle da direção e do exército e seguir a cauda da burguesia burocrática.

Durante o período da Guerra de Resistência contra o Japão, o Presidente Mao, na luta contra as linhas errôneas, desenvolveu a linha militar do proletariado. O presidente Mao refutou a ideia de Peng Dehuai de tornar o exército popular um auxiliar do exército do Kuomintang, bem como a ideia de Lin Biao de tratar o exército popular como uma força de combate exclusivamente militar; propôs então que o exército dirigido pelo Partido deve assumir o dever de lutar e de mobilizar as massas, sendo este último o principal. Em “Sobre a Guerra Prolongada”, o presidente Mao analisou a realidade social da China e do Japão, apontando que a situação chinesa será de guerra prolongada, repudiando a tendência da teoria da vitória rápida dentro do Partido e a teoria da subjugação nacional de alguns na China. Ele expressou que esta guerra prolongada terá três etapas: defensiva estratégica, equilíbrio estratégico e ofensiva estratégica. Além disso, o presidente Mao apontou “o exército e o povo como a base da vitória”, que a vitória só é possível mobilizando as grandes massas populares. Politicamente, a luta interna contra a tendência reboquista de Wang Ming, Liu Shaoqi, etc.; externamente, muitas lutas também foram travadas contra o burguês comprador Chiang Kai-shek, que queria fazer as pazes com o imperialismo japonês. O nosso Partido também se fortaleceu no processo dessas lutas.

Para fazer todo o Partido reconhecer mais profundamente a luta de duas linhas dentro do Partido, o presidente Mao escreveu dois artigos, Sobre a Prática e Sobre a Contradição, em 1937, e com eles sintetizou com precisão a luta de duas linhas dentro do Partido: “Se não houvesse contradições no Partido e lutas ideológicas para resolvê-los, a vida do Partido cessaria”. Em 1939, o presidente Mao resumiu a experiência de dezoito anos do Partido, propondo que a “frente única, a luta armada, a construção do Partido, são as três armas mágicas do PCCh na Revolução Chinesa para derrotar o inimigo…” Mais tarde, o Partido Comunista do Peru e o Presidente Gonzalo deram um passo além na síntese das três armas mágicas feita pelo Presidente Mao, propondo a Teoria da Construção Concêntrica das três armas mágicas, que “o Partido é o eixo de tudo, ele conduz os três instrumentos de forma onímoda, sua própria construção; lidera absolutamente o Exército e o Novo Estado como uma ditadura conjunta visando a ditadura do proletariado”. Em 1940, o presidente Mao escreveu Sobre a Nova Democracia, sistematicamente expondo a linha do Partido proletário nos países semicoloniais da era do imperialismo, bem como o programa da Nova Democracia. Em 1941, o Partido iniciou o Movimento de Retificação, estabeleceu o papel de direção da ideologia proletária na política, arte e cultura. Neste período, o presidente Mao também escreveu documentos como Retificar o Estilo de Trabalho do Partido, Palestras no Fórum de Yenan sobre Literatura e Arte, fazendo grandes contribuições para o Partido em suas lutas ideológicas. Sob a direção do presidente Mao, o Partido persistiu na linha correta na luta de duas linhas contra as linhas internas “esquerdistas” e direitistas, lançando as bases para a vitória da revolução de Nova Democracia.

Além disso, após a vitória da Guerra de Resistência contra o Japão, o Partido lutou contra a linha de direita de Liu Shaoqi sobre a formação de um governo de coalizão com o Kuomintang e sua subsequente linha de “esquerda” sobre a reforma agrária nas áreas libertas. Depois que a Guerra de Libertação entrou no estágio de Ofensiva Estratégica, o Presidente Mao também refutou a linha militar burguesa de Lin Biao. Finalmente, sob a direção da linha correta do presidente Mao, o Partido obteve a vitória na Guerra de Libertação e proclamou a fundação da Nova China em outubro de 1949.

Transformação Socialista – Grande Revolução Cultural Proletária

Após a fundação da Nova China em 1949, a China entrou no período histórico da revolução socialista. Neste período, a principal contradição na sociedade chinesa passou da contradição entre as grandes massas populares com o imperialismo e o feudalismo para a contradição entre o proletariado e a burguesia; e a principal tarefa do Partido Comunista da China liderando o povo chinês mudou da derrubada das três montanhas para levar adiante a revolução socialista e a transformação socialista na China. Com a vitória geral da transformação socialista da propriedade dos meios de produção em 1956 e a vitória da Campanha Antidireitista em 1957, a burguesia fora do Partido deixou de ser uma grande ameaça, pois a parte principal da burguesia mudou de fora do Partido para dentro do Partido.

O povo chinês enfrentou ameaças militares do imperialismo dos EUA logo após o estabelecimento da República Popular da China. Em 1950, os EUA instruíram a Coreia do Sul a atacar a Coreia do Norte e manipularam o Conselho de Segurança das Nações Unidas para autorizar sua intervenção militar na guerra um mês depois, enquanto expressava publicamente seu desejo de invadir a China.

Após a fundação da Nova China, com o esforço da população de todo o país, sua economia começou a melhorar, a oportunidade de transformar a indústria e o comércio chegou. Em 1950, foi estabelecida a posição de direção da economia estatal, a indústria e o comércio privados foram incorporados à trilha da transformação socialista em nosso país. Em 1951, para apoiar o esforço da Guerra de Resistência aos Estados Unidos e de Apoio à Coreia, nosso Partido fez o apelo a “aumentar a produção, praticar a economia estrita”. Com o desenrolar desta campanha, sinais do ataque da burguesia ao proletariado começaram a se revelar.

Em Novembro de 1951, na 3ª Conferência do Partido na província de Hebei, o incidente em que os ex-responsáveis ​​do Comitê Regional de Tianjin, Liu Qingshan e Zhang Zishun, que foram corroídos por “projéteis açucarados” da burguesia e violaram gravemente as leis e regulamentos, foi exposto. Liu e Zhang desviaram e roubaram da propriedade do Estado para satisfazer seu estilo de vida extremamente corrupto. Este incidente refletiu a gravidade da corrupção e a corrosão do proletariado pela burguesia. A burguesia conquistou muitos funcionários dos velhos aparatos autorizados a continuarem trabalhando e usou “projéteis açucarados” para atacar aqueles com fraca determinação dentro das fileiras dos revolucionários, transformando-os na nova burguesia, sabotando a causa socialista, severamente fabricando desfalques, desperdício e tendências burocráticas. A burguesia também atingiu os aparatos econômicos em todo o país: em lugares como Tianjin e Xangai, a porcentagem de sonegação de impostos sobre vendas atingiu 87% e 99%. Eles roubaram maciçamente da propriedade do Estado, usando métodos como o fornecimento de produtos inferiores no lugar dos bons, de produtos falsificados no lugar dos reais e relatando menos despesas como mais para roubar uma grande quantidade de lucro. Eles roubaram maciçamente a inteligência econômica do estado, engajando-se na especulação e nos lucros antiéticos, até mesmo vendendo inteligência econômica do estado ao imperialismo. Para obter grandes lucros, eles economizaram com os materiais para a Guerra de Resistência aos Estados Unidos e de Apoio à Coréia, fornecendo comida podre e material médico contaminado para o Exército Voluntário, causando perdas massivas fora de combate para nossos soldados. Em dezembro de 1951, o presidente Mao oportunamente dirigiu o início da campanha “Três-anti”, anti-corrupção, anti-desperdício e anti-burocracia (Três-anti); contra os “cinco venenos” do suborno burguês, roubo de propriedade do Estado, sonegação de impostos, fraude em contratos governamentais e roubo da inteligência econômica do Estado, lutando contra a burguesia (Cinco-anti). Nosso Partido mobilizou a classe operária para lançar uma ofensiva violenta contra a burguesia dentro e fora do Partido, em junho de 1952, após intensa luta de cerca de meio ano, alcançando grande vitória. Através desta luta, a consciência de classe e a consciência socialista da classe trabalhadora e das grandes massas revolucionárias foi altamente elevada, a ditadura do proletariado foi fortalecida e a posição de direção da economia estatal foi consolidada, lançando bases sólidas para a transformação socialista no campo do sistema de propriedade dos meios de produção.

Nas reformas agrárias no campo, entretanto, Liu Shaoqi e sua camarilha pediram por maior desenvolvimento da economia do campesinato rico no Nordeste e no Norte da China, contra a campanha de ajuda mútua e cooperação. Ele propôs “fazendeiros com três cavalos, um arado e uma carroça”, gritando que o trabalho assalariado deveria ser “deixado em paz”, “também é bom ter mais alguns camponeses ricos”, dizendo que “tudo bem se houver dez mil camponeses ricos membros do partido no Nordeste ”. Ele criticou a ideia de tentar criar cooperativas de grupos de ajuda mútua no norte da China pelas costas do Comitê Central, pregando a falácia de “primeiro mecanização, depois cooperação” em todos os lugares: “só com a nacionalização da indústria poderão os camponeses serem supridos com grande quantidade de maquinaria, somente aí será possível a nacionalização da terra e a coletivização da agricultura ”, fazendo o possível para que o campesinato não trilhasse o caminho da cooperação.

Em novembro de 1951, no simpósio de estudos do comitê nacional do Comitê Central do PCCh, Liu Shaoqi resumiu sua “teoria” e métodos em um único slogan: “lutar pela consolidação do sistema de Nova Democracia”, lançando oficialmente seu programa reacionário de “consolidação da ordem de Nova Democracia”. Ele pregou por “assegurar a propriedade privada” em todos os lugares, apelando às “quatro liberdades” (liberdade de venda e arrendamento de terras, liberdade de usura, liberdade de empregar mão de obra e liberdade de comércio). A chamada “consolidação da ordem de Nova Democracia” é a “consolidação” e desenvolvimento das forças capitalistas, é fazer qualquer coisa exceto fazer a revolução socialista, é trilhar o caminho do capitalismo. Quanto à “assegurar a propriedade privada” e às “quatro liberdades”, são slogans que representam os interesses da burguesia e dos camponeses ricos, seu objetivo é acobertar o desenvolvimento do capitalismo nas cidades e no campo e fazer a China trilhar o caminho do capitalismo. Ele negava completamente a contradição fundamental entre a economia capitalista e a economia socialista, balbuciando que a base econômica no período de transição é “abrangente”, que “inclui as partes econômicas socialistas e as partes econômicas capitalistas”, que as duas “podem se desenvolver em conexão uma com a outra de uma maneira equilibrada ”, que a superestrutura socialista precisa servir à “toda a base econômica” incluindo a economia capitalista, em uma tentativa vã de fazer uma colaboração de classe completa e realizar a capitulação de classe desde a base econômica à superestrutura.

Em junho de 1953, o presidente Mao refutou diretamente o programa reacionário de “consolidação da ordem de Nova Democracia” em uma reunião do Birô Político do Comitê Central, apontando que esta proposta era prejudicial. “O período de transição é cheio de contradições e lutas. Nossa luta revolucionária agora é ainda mais intensa do que a luta revolucionária armada do passado. Esta é uma revolução para enterrar completamente o sistema capitalista e todos os sistemas de exploração. A ideia de ‘consolidar a ordem de Nova Democracia’ não está de acordo com a condição concreta da luta, está impedindo o desenvolvimento da causa socialista”. O presidente Mao Tsetungapontou que a essência da linha geral do Partido no período de transição é fazer com que o sistema socialista de propriedade dos meios de produção, que é a propriedade socialista de todo o povo e a propriedade coletiva das massas trabalhadoras, seja a única base econômica de nosso país. Este é um passo importante na consolidação da ditadura do proletariado. A ratificação da linha geral do Partido no período de transição anunciou a falência total da “consolidação da ordem de Nova Democracia” de Liu Shaoqi.

Em 1953, a fase de recuperação econômica em nosso país, no principal, tinha terminado. Todo o país, sob a orientação da linha geral do Partido no período de transição, começou a desenvolver o Primeiro Plano Quinquenal de desenvolvimento da economia nacional e a luta para construir nosso país como um grande país socialista. No entanto, a camarilha representada pela burguesia dentro do Partido, Gao Gang e Rao Shushi, iniciou atividades faccionais dentro do Partido, tentando consolidar suas próprias forças em nome de criticar a linha errada de Liu Shaoqi, pregando sobre o “Partido da área vermelha” e o“ Partido da área branca”, secretamente se comunicando com elementos como Lin Biao e Peng Dehuai, na tentativa de derrubar o Comitê Central. O presidente Mao, na conferência do Birô Político de 1953, levantou a sugestão para fortalecer a unidade do Partido, redigiu a Resolução sobre o Fortalecimento da Unidade do Partido, esmagou o complô da aliança anti-Partido Gao Gang-Rao Shushi. O Partido também deu oportunidades implicadas para retificar os erros, mas Gao Gang e Rao Shushi persistiram com o ponto de vista reacionário e sem intenção de mudar. Rao Shushi suicidou-se, significando sua traição final ao Partido.

Em 1958, o presidente Mao lançou a Campanha do Grande Salto Adiante e a Campanha das Comunas Populares. Além de aumentar rapidamente as forças produtivas, o Grande Salto Adiante também pôs adiante a tarefa de acabar com a ideologia do direito burguês. A burguesia dentro do Partido boicotou o Grande Salto Adiante: a camarilha de Liu Shaoqi destruiu o Grande Salto Adiante pela “esquerda”, enquanto oportunistas de direita como Peng Dehuai atacaram abertamente o Grande Salto Adiante e a Campanha das Comunas Populares na Conferência de Lushan em 1959. Embora seus planos tenham sido temporariamente frustrados, a burguesia dentro do Partido encabeçada por Liu Shaoqi ainda tentou usar as dificuldades econômicas do país em 1962 para destruir o Sistema Socialista e restaurar o capitalismo. Exigiram dissolver as comunas populares no campo, expandir as desigualdades de renda nas cidades, fortalecer a administração ditatorial dos trabalhadores e introduzir o veneno feudal, capitalista e revisionista no campo ideológico. Os revolucionários dirigidos pelo presidente Mao refutaram as posições da burguesia dentro do Partido. Sobre a difícil situação do momento, o Presidente Mao apontou claramente que “no período histórico do socialismo, ainda existem classes, conflitos de classes e lutas de classes, existem as lutas entre as duas via, do socialismo e do capitalismo, ainda existe o perigo da restauração capitalista” (Discurso no 10º Plenário do 8º CC do PCCh). Em 1964, a luta irrompeu novamente entre o Presidente Mao e Liu Shaoqi em relação à Campanha de Educação Socialista, com Liu Shaoqi negando que a principal contradição da campanha é a contradição entre o proletariado e os burguesia. Como uma certa maioria de quadros no poder em todo o país seguiu a camarilha de Liu Shaoqi representando a burguesia dentro do Partido e a maioria dos quadros na posição “média” não entendia a necessidade de impedir a restauração capitalista, o Presidente Mao reconheceu que os métodos para conduzir movimentos políticos o passado não mais correspondiam às necessidades atuais, como ele apontou mais tarde, as massas devem ser mobilizadas de forma mais completa. “Exponhamos nosso lado obscuro publicamente, completamente, de baixo para cima.” (Conversa com os camaradas Kapo e Balluku).

Em novembro de 1965, Yao Wenyuan escreveu o artigo Sobre “A Destituição de Hai Rui”, começando a criticar a burguesia no campo ideológico pela primeira vez. A burguesia dentro do Partido tentou limitar a crítica ao campo acadêmico, mas o “Aviso” de 16 de maio de 1966 iniciou formalmente a Grande Crítica no plano político, marcando o início da Revolução Cultural. Os amplos estudantes e intelectuais revolucionários foram os primeiros a se levantar e criticar a burguesia dentro do Partido. Liu Shaoqi e Deng Xiaoping enviaram equipes de trabalho para reprimir os estudantes revolucionários e os intelectuais, classificando os estudantes rebeldes como “direitistas”. Quando o presidente Mao foi informado dessa situação, ele escreveu Bombardear os Quartéis Generais – Meu Primeiro Pôster de Grandes Letras [i.e. dazibao] em agosto, expondo o enredo da camarilha de Liu Shaoqi e removendo as equipes de trabalho.

Depois que as equipes de trabalho foram retiradas, os elementos capitalistas no poder dentro do Partido recorreram a apoiar as organizações conservadoras oficiais de massa para enfrentar as organizações de massa rebeldes, enquanto os revolucionários proletários dirigidos pelo Presidente Mao apoiavam resolutamente os estudantes rebeldes e os intelectuais. Em novembro, depois que Zhang Chunqiao apoiou abertamente os trabalhadores revolucionários no Incidente de Anting, as amplas massas de trabalhadores em todo o país começaram a se organizar contra a burguesia no poder no seu espaço de trabalho e áreas locais.

Sob tais circunstâncias, a burguesia dentro do Partido utilizou meios como sabotagem e suborno material para tentar neutralizar o movimento de massas. Para acabar com a sabotagem do movimento pela burguesia, o presidente Mao ordenou que as grandes massas rebeldes se levantassem e tomassem o poder dos que apoiavam o caminho capitalista em suas regiões. Em janeiro de 1967, a classe trabalhadora de Xangai foi a primeira a tomar o poder do Comitê da Cidade de Xangai. Imediatamente depois, os rebeldes tomaram o poder em muitas outras áreas em todo o país. Após a tomada do poder, Comitês Revolucionários baseados no princípio três-em-um de representantes do Exército, representantes de quadros e representantes das massas foram estabelecidos como os novos órgãos do poder estatal; enquanto elementos da burguesia foram expurgados do aparelho estatal.

Sob a onda da Grande Crítica e das tomadas de poder, os elementos burgueses dentro do Partido conluiaram-se com os elementos burgueses do alto escalão das Forças Armadas. Em fevereiro, as forças militares conservadoras intervieram nos movimentos políticos na maior parte do país, as organizações de massa rebeldes foram dissolvidas à força pelo Exército e muitos foram presos. Os líderes militares de mais alto escalão atacam abertamente o presidente Mao e os líderes da esquerda em reuniões, repudiando a Revolução Cultural. O presidente Mao lutou contra o ataque da burguesia, ordenando a todas as forças militares que parassem de reprimir os rebeldes e que libertassem as massas presas. Os líderes militares conservadores tiveram de cumprir as diretrizes do presidente Mao. No entanto, os líderes militares conservadores não perderam seu poder e usaram a força do Exército para reconstruir as organizações de massa conservadoras desintegradas no período anterior contra as organizações de massa rebeldes. Em Wuhan, a organização conservadora dos “Milhões de Heróis” usaram violência para atacar os rebeldes. Em julho, o presidente Mao chegou a Wuhan e pediu ao líder do distrito militar, Chen Zaidao, que apoiasse os rebeldes em vez dos conservadores, mas os líderes do distrito militar contrapunham-se abertamente às diretrizes do presidente Mao e até planejaram sequestrá-lo. Após a evacuação do presidente Mao de Wuhan, o Exército de Pequim reassumiu o controle da cidade e declarou as organizações conservadoras ilegais, libertando os rebeldes.

Embora as forças conservadoras em toda parte tivessem sofrido grandes perdas, as dificuldades dos movimentos de massa ainda não tinham sido resolvidas. Em algumas áreas, a burguesia dentro do Partido e do Exército apoiou as organizações conservadoras para continuar a combater os rebeldes, enquanto em outras áreas, os rebeldes, após derrotar os conservadores, caíram em divisões internas sob a instigação da burguesia, lutando incessantemente entre si pelo poder . Em setembro, o presidente Mao deu novamente instruções e convocou todas as facções de massas a “entrar numa grande aliança revolucionária sob princípios revolucionários”. Apesar disso, as lutas persistiram nas organizações de massa na maioria dos lugares, troca de autoridades aconteciam em áreas onde o poder já tinha sido conquistado. Muitas organizações de massa foram influenciadas pelo sectarismo e anarquismo e não estavam dispostas a fazer aliança com outras organizações de massa. O latifundiário derrubado e os elementos burgueses usaram o caos do momento para instigar uma muito pequena minoria de massas contra a ditadura do proletariado. Para pôr fim à guerra civil que se intensificava entre as organizações de massa, o Presidente Mao ordenou que o Exército de Libertação do Povo interviesse novamente no movimento, ajudando as organizações revolucionárias de massa a entrar em aliança e estabelecer um novo poder garantido. As organizações de massa foram integradas e as facções originais foram dissolvidas. Em setembro de 1968, Comitês Revolucionários foram estabelecidos em todas as províncias e regiões autônomas (excluindo a Província de Taiwan).

Em 1969, o PCCh iniciou o IX Congresso depois de passar pela retificação do Partido novamente, com muitos da esquerda revolucionária e elementos avançados se tornando delegados no Congresso. O presidente Mao apontou que “[a Revolução Cultural] deixou algumas coisas inacabadas e que ainda precisam ser continuadas, como falar sobre luta-crítica-transformação”. A principal tarefa em todo o país mudou da tomada do poder de baixo para cima pelas organizações rebeldes de massa para a luta contra a burguesia e a crítica e transformação de velhos regulamentos irracionais sob a direção do poder revolucionário recém-nascido. As tendências capitalistas nas fábricas e no campo foram criticadas, as forças espontâneas da pequena burguesia foram contidas, as trincheiras do proletariado no campo ideológico foram retomadas, novas coisas socialistas começaram a surgir por toda parte.

No entanto, a camarilha de Lin Biao, que é contra a Revolução Cultural, foi formada nos altos escalões do Exército. A camarilha de Lin Biao fingiu seu apoio ao presidente Mao nos movimentos de massa da Revolução Cultural e expandiu suas fileiras em segredo enquanto se opunha à esquerda revolucionária. Antes do IX Congresso, eles propuseram um relatório político repleto de teoria das forças produtivas, que foi refutado pelos revolucionários. Na Conferência de Lushan em 1970, eles concentraram seu ataque no camarada Zhang Chunqiao, mas foram rebatidos pelo presidente Mao. Com o fracasso dos meios legais de luta, a camarilha de Lin Biao trilhou o caminho do golpe de estado contra-revolucionário. No “Esboço do Projeto 571”, eles atacaram violentamente o Presidente Mao e a Revolução Cultural e levantaram o programa político de restauração do capitalismo de “enriquecer o povo e fortalecer a nação”. O golpe contra-revolucionário da camarilha de Lin Biao foi finalmente esmagado e Liu Biao morreu em um acidente de avião ao fugir para o exterior em setembro de 1971.

Outras facções da burguesia dentro do Partido também não pararam com suas atividades. Em torno do IX Congresso, eles usurparam a direção de alguns comitês revolucionários e usaram campanhas políticas como “Liquidando os elementos de 16 de Maio” (16 de Maio é uma pequena organização conspiratória ativa em 1967) para atacar representantes de massas que entraram nos comitês revolucionários e excluí-los dos comitês revolucionários. Depois que a notícia da fuga de Lin Biao chegou ao país, eles criaram a opinião pública de que “a Revolução Cultural foi um fracasso” para confundir as amplas massas populares. Em 1972, sob a direção do líder centrista Zhou Enlai, muitos elementos centristas e direitistas foram reintegrados sem a permissão das massas. Zhou Enlai mudou a crítica à camarilha de Lin Biao para a “crítica da ultraesquerda”, na realidade, criticando e repudiando coisas novas na Revolução Cultural. Os revolucionários proletários combateram isso e alteraram a “crítica à ultra-esquerda” à “crítica à direita”, defendendo os frutos da Revolução Cultural. No X Congresso do PCCh em 1973, mais revolucionários entraram no Birô Político e no Comitê Central do Partido.

Em 1974, o presidente Mao lançou a campanha “Criticar Lin Biao, Criticar Confúcio”, visando atingir a recuperação da burguesia dentro do Partido, além de criticar a ideologia do antigo pensador reacionário Confúcio. Os rebeldes revolucionários que foram reprimidos pela burguesia nos anos anteriores começaram a se tornar ativos novamente, deixando de lado as rivalidades históricas e concentraram as forças contra a burguesia, aqueles que foram erroneamente atingidos foram reabilitados e uma parte dos rebeldes são novamente absorvidos pelos Comitês Revolucionários. Depois da campanha “Criticar Lin Biao, Criticar Confúcio”, a força dos revolucionários proletários no Partido e na sociedade aumentou. No entanto, os elementos burgueses no alto escalão do Partido não foram completamente liquidados, eles resistiram à camarada Jiang Qing, ao camarada Zhang Chunqiao e outros revolucionários proletários e apoiaram a reintegração de Deng Xiaoping.

Em 1975, Deng Xiaoping lançou a Campanha de “Retificação” que tinha como alvo os rebeldes revolucionários e as coisas novas da Revolução Cultural, muitos rebeldes foram reprimidos. O esforço do presidente Mao pela retificação de Deng Xiaoping foi em vão. Em 1976, o presidente Mao lançou a campanha “Criticar Deng, contra-atacar a tendência desviacionista de direita de reveter os vereditos”, Deng Xiaoping e muitos outros elementos de direita são removidos de suas posições. Com a necessidade de estabilizar a situação, Hua Guofeng, que adotava uma posição centrista, substituiu Deng Xiaoping. Em abril, a burguesia usou o luto das massas por Zhou Enlai e criou um motim contra-revolucionário na Praça Tiananmen. Os revolucionários proletários suprimiram esse motim e prenderam os elementos intransigentes.

Em 1974, o presidente Mao apontou que a fonte da restauração capitalista na economia é a direita burguesa. “Se gente como Lin Biao chegar ao poder, é fácil fazer o capitalismo”. O presidente Mao observou ainda que “a burguesia está dentro do Partido”, que “agora eles são funcionários de alto escalão e protegerão os interesses de funcionários de alto escalão”. A teoria da Revolução Cultural foi desenvolvida, a necessidade de continuar lutando contra a burguesia tornou-se clara. As amplas forças rebeldes e as massas populares mais uma vez atuaram para criticar a burguesia dentro do Partido e exigir que retificassem as políticas do período anterior. Alguns líderes rebeldes ingressaram no Partido ou novamente receberam cargos nos Comitês Revolucionários.

O presidente Mao morreu em 9 de setembro. A alta burguesia imediatamente se reuniu e se preparou para o golpe de estado. O centrista Hua Guofeng conspirou com o direitista de longa data Ye Jianying e lançou um ataque repentino contra os revolucionários proletários, prendendo os líderes revolucionários de alto escalão Jiang Qing, Zhang Chunqiao, Wang Hongwen e Yao Wenyuan. Depois de receber a notícia, os dirigentes de esquerda em Xangai pretenderam lançar uma insurreição, mas ela acabou não se materializando devido à fraqueza dos líderes. Depois de controlar Xangai, a burguesia expurgou todos os elementos de esquerda de nível médio e superior nos níveis central e regional e empreendeu um frenesi de repressão contra os rebeldes e as massas que apoiavam o combate à contra-corrente desviacionista de direita em todos os lugares. Essa campanha de repressão em grande escala durou quase dois anos. Na província de Fujian, o “Exército de Libertação de Trabalhadores e Camponeses” organizou e se engajou brevemente em uma luta armada contra a restauração antes de ser rapidamente derrotado. O golpe de estado reacionário de 6 de outubro de 1976 marcou a mudança da China de um país socialista sob a ditadura do proletariado para um país capitalista sob a ditadura da burguesia.

Depois que a camarilha de Hua Guofeng usurpou o poder do estado, eles imediatamente começaram a impulsionar uma linha contra a Revolução Cultural. Eles repudiaram todas as coisas novas da Revolução Cultural e reempregaram o velho sistema criticado na Revolução Cultural. Os revisionistas até adicionaram conteúdo como “aprender com o sistema de gerenciamento de fábrica ocidental” ao Volume V das Obras Escolhidas do Presidente Mao. Depois de 1977, Deng Xiaoping foi reintegrado e gradualmente substituiu Hua Guofeng. Em 1978, a camarilha de Deng Xiaoping propôs a “Reforma e Abertura” na III Plenária do XI CC, oficialmente confirmando a trajetória de desenvolvimento do capitalismo chinês.

Restauração Capitalista

Após o golpe de outubro de 1976, a camarilha revisionista de Hua Guofeng usurpou o controle do Partido, do Governo e do Exército da República Popular da China, subvertendo a ditadura do proletariado. Esta camarilha imediatamente passou a realizar a impulsionar a linha contra-revolucionária após consolidar suas posições.

Primeiramente, eles interromperam a campanha “Criticar Deng” e reabilitaram Deng Xiaoping. Depois de um ano, Deng Xiaoping foi reintegrado.

Em segundo lugar, sob o pretexto de denunciar e criticar a “Gangue dos Quatro”, eles negaram a Grande Revolução Cultural Proletária e negaram as coisas novas socialistas. Nas fábricas e unidades, os elementos no poder impunham disciplinas de trabalho e restauravam o princípio dos incentivos materiais. No campo, o foco da campanha “Aprender com Dazhai na Agricultura” mudou da crítica às tendências capitalistas para o desenvolvimento das forças produtivas e a elevação do padrão de mecanização. Os frutos da revolução educacional foi negado, o sistema de exames foi restaurado, as crianças de famílias operárias e camponesas foram despojadas de seus direitos de receber educação. A revolução literária e artística, bem como a revolução médica e da saúde, foram negadas. A teoria de criticar a burguesia dentro do partido foi contaminada com a chamada Teoria de usurpar o Partido e tomar o poder da “Gangue dos Quatro”.

Em terceiro lugar, eles reprimiram cruelmente os ativistas da Revolução Cultural. Quase todos os líderes de organizações de massa rebeldes e quadros que apoiavam os rebeldes foram lançados à prisão. As massas que participaram das organizações rebeldes também enfrentaram repressão em grande escala. Segundo as documentações, apenas na província de Henan, cinquenta mil quadros foram expurgados, cem mil tiveram a adesão ao Partido rescindida, quase dois mil foram condenados.

No entanto, gente como Deng Xiaoping achava que a camarilha de Hua Guofeng era muito lenta na restauração capitalista. A camarilha de Deng Xiaoping tomou o controle do Partido por meio da luta e lançou a chamada “Discussão sobre o Critério da Verdade” para repudiar os “Dois Tanto Faz” de Hua Guofeng, criando condições para negar abertamente o Presidente Mao. Em 1978, o 3º Plenário do 11º CC estabeleceu a “Reforma e Abertura” como política nacional básica. Em 1981, a camarilha de Deng Xiaoping aprovou a “Resolução sobre a História”, repudiando completamente a Revolução Cultural e atacando o Presidente Mao por cometer “erros no final de sua vida”.

O Presidente Mao apontou que “(se a restauração capitalista acontecer) … a ditadura do proletariado se transformará na ditadura da burguesia, uma ditadura reacionária e fascista” (Discurso sobre a Conferência dos Sete Mil Quadros). Na nova Constituição de 1982, foi eliminado o direito das massas de fazer greve, realizar debates amplos e fazer cartazes de grandes letras (dazibaos), reafirmando a ditadura fascista no plano jurídico.

Para obter o favor dos imperialistas ocidentais, a camarilha de Deng Xiaoping acabou com o auxílio aos partidos revolucionários em cada país e lançou uma guerra de invasão contra o Vietnã.

No campo econômico, a camarilha de Deng Xiaoping implementou princípios capitalistas. As Comunas Populares no campo foram dissolvidas, a terra foi distribuída para as mãos de agricultores individuais. Muitas Zonas Econômicas Especiais foram estabelecidas nas áreas costeiras, encorajando os países imperialistas a vir e investir. Nas reformas econômicas nas cidades, a burguesia primeiro subornou os trabalhadores com benefícios materiais e bônus, depois, por meio da aplicação de disciplinas e do sistema de contratos, transformou completamente os trabalhadores em escravos assalariados. Com o avanço do processo de mercantilização, as economias capitalistas privadas nas cidades e no campo desenvolveram-se rapidamente. A camarilha de Deng Xiaoping encorajou esse desenvolvimento e reconheceu o status legal do trabalho assalariado. No entanto, a economia capitalista estatal ainda desempenhou um papel absolutamente dominante neste período.

Na “troca de trilhos” da economia planejada para a economia de mercado, a corrupção dos aparatos do estado se desenvolveu enormemente, muitos funcionários de alto escalão conspiraram para que seus filhos explorassem a riqueza com o privilégio de realizar a acumulação primitiva de capital. A lei e a ordem social caíram no caos. Embora a campanha “Golpear Fortemente” tenha processado milhões de pessoas (muitas sendo massas inocentes), as atividades criminosas na sociedade só aumentaram. Prostituição, jogo e drogas apareceram novamente. Os desempregados nas cidades e os camponeses sem terra no campo caíram na pobreza abjeta.

A camarilha de Deng Xiaoping permitiu a propagação da ideologia burguesa. Em toda a década de 1980, a ideologia liberal foi a principal forma de ideologia da sociedade. Além disso, em Xinjiang e no Tibete, alguns líderes religiosos reacionários foram reintegrados, populações há muito desligadas da influência religiosa foram convidadas a praticar religiões novamente. Quando o liberalismo atingiu um estágio intolerável para a burguesia estatal, eles lançaram uma campanha contra a “liberalização” e demitiram líderes que apoiavam a liberalização dentro do Partido.

No final da década de 1980, as reformas econômicas levaram a fortes inflações, a vida das massas tornou-se mais difícil a cada dia passado. Em 1989, a intelectualidade burguesa e estudantes lançaram uma manifestação pela democracia burguesa em Pequim, exigindo transformar a China de um estado de partido único em um estado parlamentar. À medida que este movimento levantava o slogan “contra a corrupção”, recebeu a simpatia e a participação de muitos trabalhadores. Embora esse movimento não tenha sido violento, no entanto, depois que a camarilha de Deng Xiaoping derrubou os liberais no alto escalão do Partido dirigido por Zhao Ziyang, eles ainda esmagaram esse movimento de forma sangrenta com tropas de fora de Pequim.

Após a supressão, debates sobre o caminho a seguir no futuro surgiram no partido revisionista. Alguns sugeriram que se implementasse o capitalismo estatal altamente centralizado de estilo soviético. Em 1992, Deng Xiaoping derrotou esses indivíduos e empurrou a China para a transição à economia de mercado.

Na década de 1990, a economia capitalista privada desenvolveu-se rapidamente, o nível de abertura ao imperialismo nas áreas costeiras se aprofundou. A maioria das empresas estatais foi privatizada pela burguesia sob o pretexto de não serem eficazes, dezenas de milhões de trabalhadores de empresas estatais perderam seus empregos neste processo. As relações de classe social da China moderna foram formadas neste período, que é a contradição fundamental entre um punhado de burgueses (tanto capitalistas estatais quanto capitalistas privados) e o amplo proletariado (incluindo trabalhadores urbanos e camponeses trabalhadores semiproletários), entre esses dois está a pequena burguesia composta de camponeses médios, pequenos comerciantes, intelectuais e técnicos profissionais. A burguesia estatal reservou o controle dos recursos da terra e dos setores mais importantes, que geram mais lucro, enquanto a burguesia privada controla a maior parte da indústria e do setor de serviços.

A burguesia estatal ocupou altos cargos dentro do Partido, enquanto a burguesia privada também tem um poder considerável na política. A burguesia privada foi permitida dentro do Partido revisionista, a entrar na ANP e no CC do PCCh, a entrar em negociações com o governo em nível regional (o governo precisa deles para contribuir com a receita financeira). Muitos membros da burguesia privada provém originalmente das fileiras dos burocratas.

A contradição entre o proletariado e a burguesia foi intensificada a uma escala sem precedentes nas reformas. As condições de trabalho para centenas de milhões de camponeses trabalhadores e proletários urbanos pobres são muito vis, a retenção de salários, a administração cruel e os acidentes de trabalho são normas para os trabalhadores, já que as proteções básicas sob o sistema socialista foram completamente abolidas há muito. Quando os trabalhadores lutam contra a exploração, são frequentemente reprimidos pela polícia. A sindicalização ainda é completamente ilegal até hoje, enquanto os sindicatos oficiais formados por um punhado de burocratas quase nunca surtem efeito.

A maioria dos camponeses do campo também é fortemente explorada pela burguesia. Depois do desmantelamento das Comunas Populares, o campo foi rapidamente polarizado, produzindo um punhado de camponeses ricos e uma amplidão de camponeses pobres. Os pedidos em muitas partes do campo são de fato controlados pela pequena nobreza local. Antes da abolição do imposto agrícola em 2006, o campesinato carregava fardos extremamente pesados, lutas anti-tributação eclodiram em muitos lugares.

Em 2001, a China aderiu à Organização Mundial do Comércio (OMC) e sua economia começou a se desenvolver rapidamente. No entanto, esse desenvolvimento econômico foi totalmente baseado na exploração selvagem de centenas de milhões de proletários. De acordo com os registros oficiais, a jornada média de trabalho dos camponeses trabalhadores era de 55 horas semanais, enquanto que na realidade a jornada de trabalho em muitas fábricas chegava a mais de 70 horas semanais. Ao mesmo tempo, os salários permanecem aquém do nível de desenvolvimento econômico, o sistema de proteção social basicamente não é colocado em vigor. Os trabalhadores chineses estão em situação semelhante aos trabalhadores do Terceiro Mundo.

A burguesia chinesa acumulou grande quantidade de capital através da exploração selvagem. Como o custo da força de trabalho na China é relativamente baixo, enquanto a integridade do sistema industrial, a alfabetização e as habilidades da força de trabalho e o nível de instalações básicas são relativamente altos (graças às políticas socialistas anteriores a 1976), uma grande quantidade de capital nacional e estrangeiro estão dispostos a investir na China. A China se tornou a “fábrica mundial”, exportando mercadorias lá produzidas para todo o mundo, inundando os bolsos dos capitalistas com riquezas.

A acumulação de capital resultou no desenvolvimento do capital monopolista e levou a China a se tornar um país imperialista no início do século XXI. O capitalismo estatal assumiu a direção na exportação de capital para países estrangeiros: a China fornece investimentos e empréstimos a semicolônias no Terceiro Mundo e controla as terras e os portos desses países. A China também exerceu influência política em alguns países, como na venda de armas ao regime reacionário do Sri Lanka, apoiando-os na repressão ao LTTE [Tigres de Liberação do Tamil Eelam].

Com o início do novo século, os trabalhadores chineses nunca pararam sua luta reivindicativa. De acordo com dados oficiais, os “incidentes em massa” na China aumentam a cada ano, e “nos incidentes em massa com mais de 100 participantes, a principal causa é o conflito entre trabalho e capital”. As lutas dos trabalhadores assumiram muitas formas, como greves, marchas e protestos, sendo a luta mais intensa o “Incidente do Grupo Tonghua Iron”, onde trabalhadores furiosos espancaram um gerente reacionário até a morte. Além disso, os trabalhadores de algumas fábricas aumentaram a demanda pela formação de sindicatos. Devido ao caráter reacionário do regime reacionário chinês, essas lutas são travadas quase todas sob a ameaça de repressão policial.

As contradições nacionais sob o capitalismo se intensificaram, especialmente a contradição entre a nação chinesa Han e a nação uigur em Xinjiang. O presidente Mao apontou que “a luta nacional, fundamentalmente, é uma questão da luta de classes”. Depois de restaurar o capitalismo, a burguesia chinesa Han e os elementos superiores das minorias étnicas conspiraram para controlar a economia em áreas de minorias étnicas. As grandes massas de minorias étnicas nada ganharam com o desenvolvimento econômico e a ideia de lutar contra a opressão chinesa Han surgiu. Em Xinjiang, as massas uigures lançaram uma luta armada contra o regime reacionário. Como essas lutas são influenciadas por nacionalistas reacionários, eles adotaram principalmente o método do terrorismo, atingindo indiscriminadamente agentes armados do regime reacionário e massas chinesas de etnia Han, não conseguindo obter o apoio das amplas massas populares. Com a repressão cruel e opressão nacional do regime, essas lutas retrocederam temporariamente.

Após a ascensão de Xi Jinping ao poder em 2012, embora slogans para enganar o povo como “anticorrupção”, “estado de direito” e “erradicar a pobreza” tenham sido levantados, nenhuma reforma social significativa foi implementada na realidade. Depois de processar várias centenas de milhares de funcionários corruptos, a desigualdade social continua a aumentar, o índice de Gini atingiu perto de 0,5 mesmo com dados oficiais (de acordo com algumas instituições de pesquisa, esse número chegou a 0,6). Os artigos que beneficiam os trabalhadores na Legislação Trabalhista ainda não foram implementados. O padrão oficial para o nível de pobreza é extremamente baixo, já que as populações pobres no campo são reconhecidas como “saindo da pobreza” apenas por receberem “subsídios” muito limitados.

Com a desaceleração do crescimento econômico, as contradições sociais, que abrandaram ligeiramente, voltaram a intensificar-se. A principal força da luta reivindicativa se expandiu dos proletários industriais urbanos e camponeses pobres para os trabalhadores em todos os campos da sociedade. Em 2018, os operadores de guindastes de torre lançaram uma greve Única em todo o país, aumentando a demanda por aumento de salários. Trabalhadores do setor de serviços – empregados de supermercados, taxistas e entregadores, todos travaram lutas de greve contra a exploração capitalista. Na internet, os programadores de computador levantaram o chamado contra o “996” (trabalhar 12 horas por dia, 6 dias por semana), recebendo amplo apoio. A luta do proletariado contra a burguesia está se intensificando cada vez mais, o velho método de exploração, que dependia principalmente do aumento da mais-valia absoluta, é incapaz de continuar.

As camadas médias, mesmo as em posição de pequena burguesia, estão em constante polarização. O status da intelectualidade continua diminuindo, os pequenos empresários enfrentam a ameaça de falência, os camponeses médios enfrentam crises agrícolas, entre outras, rebaixam uma parte considerável deles à posição do proletariado.

Em Hong Kong, eclodiram motins contra as leis reacionárias, exigindo o alargamento da democracia. Esta luta foi dirigida por liberais reacionários, mas expôs objetivamente a severa contradição de classe na área, que é o produto da colaboração com a grande burguesia, ignorando o interesse da ampla classe trabalhadora desde a transferência de Hong Kong em 1998.

Internacionalmente, a grande burguesia na China enfrenta uma nova crise. A China executa políticas para facilitar a exportação de capital como “Um Cinturão, Uma Rota” [também divulgado como “Nova Rota da Seda”], estacionando forças armadas na África. Esses atos intensificaram a contradição entre o social-imperialismo chinês e as nações oprimidas internacionalmente, bem como a contradição entre a China e outras potências imperialistas. Pessoas de muitos países oprimidos queimaram a bandeira chinesa, dizendo aos capitalistas chineses para irem embora. Os Estados Unidos lançaram uma guerra comercial contra a China há dois anos, impedindo sua exportação e forçando-a a ceder em muitos aspectos. Este ano, as potências imperialistas na América do Norte e na Europa Ocidental lançaram uma sanção conjunta contra a China sob o pretexto de “direitos humanos”, entre outros. A contradição da competição pelo domínio global entre a China e outras potências imperialistas é irreconciliável. O desejo da China de redividir o mundo entrou em conflito com antigas potências imperialistas. Com base nessas contradições, uma nova guerra mundial ou guerra fria está se formando. No entanto, a China hoje não é “um dos dois pólos”, como algumas pessoas pensam. É apenas um entre os países do Segundo Mundo. Os Estados Unidos ainda são a única superpotência hegemônica e o inimigo número um dos povos do mundo.

Mais importante, as forças subjetivas para a revolução na China tiveram alguns desenvolvimentos nos últimos anos. Nas décadas de 1990 e 2000, os “esquerdistas” que faziam chamados “revolucionários” com a bandeira do presidente Mao eram, em sua maioria, na realidade, reformistas inextricavelmente ligados ao regime revisionista. Embora tenham participado de forma limitada na luta reivindicativa das massas operárias naquele momento, não foram capazes de liderar verdadeiramente a revolução. Alguns grupos relativamente avançados foram rapidamente suprimidos pelo estado fascista após emergir. Quase ninguém foi capaz de compreender verdadeiramente o Maoísmo, alguns não conseguiram distinguir “restauração do capitalismo” de “privatização” e viram os anos 90 como o período da restauração do capitalismo na China. Alguns foram severamente influenciados pelo nacionalismo e produziram um entendimento incorreto sobre o caráter da sociedade chinesa, pensando que a China se tornou uma “semicolônia”, e uma revolução nacional é necessária antes de uma revolução socialista. O entendimento da Grande Revolução Cultural Proletária também foi vulgarizado, a luta contra a burguesia dentro do Partido e para limitar o direito burguês foi mal interpretada como a luta palaciana de alguns indivíduos de alto escalão. Com o desenvolvimento da situação, muitos “esquerdistas” tornaram-se direitistas.

Nos últimos anos, mais e mais massas começaram a reavaliar a era de Mao Tsetung . Muitos jovens estudantes e trabalhadores entraram em contato com o marxismo, clubes marxistas surgiram em muitas faculdades e alguns pequenos círculos de estudo do marxismo surgiram na sociedade. Seus pontos de vista avançaram em certo grau em comparação com os esquerdistas anteriores, com alguns levantando a palavra de ordem para a revolução armada e a ditadura do proletariado. No entanto, esses grupos ainda não foram verdadeiramente capazes de liderar a revolução. Em 2018, trabalhadores avançados da empresa Jasic em Shenzhen exigiram a formação de um sindicato independente. Após a prisão dos trabalhadores, estudantes de esquerda do local e de outras áreas dirigiram-se à delegacia para protestar, o que culminou na prisão de elementos avançados que participavam da luta pelo Estado fascista. Subseqüentemente, grande repressão foi lançada em todo o país contra grupos progressistas. Este incidente expôs o oportunismo e o aventureirismo desses grupos de esquerda, que não entendiam o segredo e o prolongamento da luta nos países fascistas, expondo completamente elementos avançados publicamente e, finalmente, gerando grandes perdas.

Apesar de sofrer reveses tão severos, a disseminação de ideias avançadas é inevitável. Mais e mais pessoas começaram a perceber a natureza fascista do regime alegando ser “socialista com características chinesas”. Como o presidente Mao apontou, “Se ocorrer um golpe anticomunista de direita na China, tenho certeza de que não haverá paz, possivelmente não durará muito, porque todos os revolucionários que representam os interesses de mais de noventa por cento do povo não vão tolerar isso. Nesse tempo, os direitistas podem tomar vantagem usando das minhas palavras, mas os esquerdistas definitivamente usarão das minhas outras palavras para se organizar e derrubar os direitistas”. O principal problema no período atual é que as pessoas dispostas a aceitar o Comunismo ainda não sabem sobre o Maoísmo, muitos elementos avançados não são capazes de distinguir completamente o Maoísmo do revisionismo. É necessário um trabalho prolongado dos revolucionários.

Hoje, o mundo está no período de ofensiva estratégica da revolução proletária, todas as três principais contradições do imperialismo mundial estão se aguçando, a revolução é a tendência principal. As amplas massas estão prontas para se rebelar, mas não têm a direção dos comunistas. Todos os elementos avançados contra a ditadura fascista da burguesia na China precisam aceitar a orientação teórica do Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente Maoísmo, construir organizações revolucionárias com base nisso, realizar lutas de duas linhas, assumir a reconstituição do Partido Comunista da China, partido militarizado, como a principal tarefa no presente. O caminho da Guerra Popular Prolongada não é apenas o caminho para a revolução nos países semifeudais e semicoloniais, onde a população rural é a maioria, é também o caminho para a revolução nos países imperialistas industrializados e em todos os outros países. Somente através da Guerra Popular, através da construção concêntrica dos três instrumentos da revolução, o Partido, o Exército Popular e a Frente Única, pode o Novo Poder da ditadura do proletariado ser estabelecido e, finalmente, completar a revolução proletária em escala mundial, realizando o comunismo.

Conclusão

O Partido Comunista da China fez uma grandiosa história na luta de classes e nas lutas de duas linhas, deixando uma experiência preciosa para o proletariado internacional e suas vanguardas. Mas após a derrota da Grande Revolução Cultural Proletária, o PCCh transformou-se em um partido revisionista, tornando-se a “vanguarda” da burguesia.

Por que a Revolução Cultural foi derrotada no final? Consideramos que a principal razão é a incapacidade de aplicar plenamente a linha militar proletária de “mar armado de massas” apontada em “Comemorar o 50º aniversário do GPCR com a guerra popular até o comunismo!”, que poderia ter se materializado dando mais poder à milícia popular. Em 1967, o presidente Mao ordenou que Zhang Chunqiao e Wang Hongwen expandissem a milícia em Xangai contra os seguidores do capitalismo, mas essa direção não se concretizou em todo o país. Depois que os líderes esquerdistas de alto escalão foram presos por meio de um ataque surpresa, os quadros e massas que apoiavam a continuação da revolução em todo o país caíram em uma posição de impotência, sem direção, sem organização e sem armas, tornando-os incapazes de lutar contra a repressão de elementos burgueses.

Existem algumas outras questões: 1) Os líderes de esquerda falharam em liderar com sucesso as grandes massas para se unirem e não ganharam a direção no movimento de massas, fazendo com que uma grande parte das forças do movimento de massas fossem desperdiçadas em lutas internas inúteis. 2) A maioria dos quadros manteve-se na posição centrista e não compreendeu o significado da Revolução Cultural. Eles resistiram passivamente à Revolução Cultural, sem ir abertamente contra a direção do presidente Mao. Após o Golpe de Outubro, eles imediatamente se posicionaram ao lado da burguesia por interesse próprio. 3) A China era um país com grande número de pequenos-burgueses, a pequena burguesia do campo que constituía a maioria absoluta da população não estava totalmente mobilizada durante a Revolução Cultural por múltiplas razões que não compreendiam a Revolução Cultural. 4) Os elementos burgueses do alto escalão do Partido e do Exército nunca foram totalmente expurgados. Por causa da força limitada da esquerda, eles só foram capazes de tentar enfraquecer gradualmente a influência da burguesia. Um dos mentores do Golpe de Outubro, Ye Jianying, sempre foi contra a Revolução Cultural, mas só foi transferido de seu cargo em 1976. Apesar disso, a maioria dos líderes do Exército estava disposta a ouvir suas instruções nos bastidores.

A derrota da Revolução Cultural é um ponto baixo para a revolução proletária chinesa. Mas depois da vitória da burguesia dentro do Partido e da restauração do capitalismo na China, o proletariado chinês ainda está se engajando espontaneamente em lutas prolongadas com a burguesia. Além disso, as revoluções proletárias no mundo estão se desenvolvendo fortemente mediante o cerco do capitalismo. Como apontou a Declaração de Primeiro de Maio deste ano, o sistema imperialista está enfrentando sua crise geral, o protesto espontâneo e as lutas das massas estão surgindo em todos os lugares – tudo deixou claro que a Revolução Proletária Mundial entrou na fase de ofensiva estratégica. Devemos armar-nos com a etapa mais elevada e mais recente da ideologia proletária, o Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente Maoismo, integrar-nos activamente na luta do proletariado e dos povos oprimidos e liderá-los. Precisamos reconstituir os Partidos Comunistas destruídos pelo revisionismo com o Maoismo, construir o Exército Popular e a Frente Única tendo o Partido como centro, lançar a Guerra Popular e tomar o poder do Estado.

Hoje, os maoístas na China e em todo o mundo devem absorver a experiência e as lições do GRCP e compreender mais profundamente a teoria da militarização levantada pelo Presidente Gonzalo. Como assinalou a Linha de Construção dos Três Instrumentos, “Quando a burguesia perder seu poder, ela se introduz no Partido, tenta usurpar o Poder com o Exército, sabotar a ditadura do proletariado e restaurar o capitalismo. Por isso, o Partido Comunista deve se militarizar, aplicar a ditadura onímoda com os três instrumentos, forjar-se na Guerra Popular, fortalecer as organizações armadas de massas, a milícia popular, para engolfar o Exército… Com a militarização do Partido, damos um passo rumo à militarização da sociedade, perspectiva estratégica para garantir a ditadura do proletariado. A sociedade militarizada é o mar armado de massas de que falaram Marx e Engels, que guarda a conquista do Poder e o defende depois de conquistado”. Somente mobilizando, organizando e armando completamente as grandes massas populares, a restauração capitalista pode ser evitada com a Guerra Popular até o Comunismo.

Os elementos progressistas na China precisam estudar ativamente e aprofundar a compreensão do Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente do Maoísmo, e dos aportes de validez universal do Presidente Gonzalo. Precisamos nos concentrar na situação nacional e internacional, entender a situação da Revolução Proletária Mundial, percebendo que a tarefa mais importante no momento é a reconstituição do Partido Comunista da China militarizado. As organizações devem ser claramente guiadas pelo Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente o Maoismo, organizado com os princípios Maoistas, contra todas as formas de revisionismo e desvios, rejeitar o ecletismo e o sectarismo. Os maoístas precisam combinar a teoria com a prática, estabelecer laços estreitos com as massas e nossa própria experiência na prática, dando importância à crítica e à autocrítica.

Viva o centenário do Partido Comunista da China!

Abaixo o social-imperialismo chinês!

Viva o Marxismo-Leninismo-Maoismo, principalmente o Maoismo!

Viva a Nova Grande Onda da Revolução Proletária Mundial!

Reconstituir o Partido Comunista da China!

Grupo Comunista (Maoista)

1º de julho de 2021

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s