Morte do Presidente Gonzalo: Declaração do Comitê de Direção Central dos Comitês para a Fundação do Partido Comunista (Maoista) da Áustria (setembro de 2021)

Tradução não-oficial.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Morte do Presidente Gonzalo: Declaração do Comitê de Direção Central dos Comitês para a Fundação do Partido Comunista (Maoista) da Áustria

O crime imperdoável e fascista do assassinato do Presidente Gonzalo será respondido pelo proletariado internacional com ardente ódio de classe, com a forja de um imenso número de novos comunistas e a destruição da velha ordem sob grandes ondas vermelhas de guerras populares!

A reação sabe, porque ela quer levar nossos chefes: não é fácil produzir chefes. E uma Guerra Popular, como a que nós travamos, precisa de uma chefatura que preside esse movimento, o representa e o guie implacavelmente.” – Presidente Gonzalo.

Contudo, todos morrem, mas a morte de um é mais pesada que o Monte Tai, a morte de outro pesa menos que uma penugem de um cisne. Se alguém morre pelos interesses do povo, sua morte pesa mais que o Monte Tai; se alguém serve aos fascistas e morre pelos exploradores e opressores do povo, sua morte pela menos que a penugem de um cisne.” – Presidente Mao.

O Presidente Gonzalo, maior Marxista-Leninista-Maoísta do mundo, foi assassinado em 11 de Setembro de 2021, às 6:42 da manhã, na Base Naval de Callao, onde ele foi aprisionado por 29 anos sob isolamento e tortura, porém nunca desistiu de prosseguir em sua grande e heroica luta! O proletariado internacional, os povos e nações oprimidas do mundo, o Movimento Comunista Internacional, nunca deixarão esse crime seguir impune. Gerações de comunistas se forjarão frente a esse crime, continuarão ordenando suas fileiras e avançando, erguendo a grande bandeira vermelha do Presidente Gonzalo na vanguarda. O Presidente Gonzalo deu sua vida pela Revolução Proletária Mundial, ele designou o grande plano para a reconstituição do glorioso Partido Comunista do Peru, criou sua base de unidade e magistralmente carregou este plano até o fim, a serviço da Revolução Proletária Mundial, no qual deveio em seu chefe, dirigindo o Exército Mundial do Proletariado e seus batalhões vermelhos como nenhum outro. Nós repetimos: com [a morte] do Presidente Gonzalo o indisputavelmente maior marxista-leninista-maoísta no mundo foi assassinado pelos cães fascistas da reação! O Presidente Gonzalo fez contribuições universalmente válidas à única ideologia científica do proletariado, todo-poderosa porque verdadeira e através do pensamento gonzalo ele enriqueceu o marxismo-leninismo-maoísmo em todos seus aspectos essenciais através de sua teoria e exposições. Foi ele quem sintetizou o marxismo-leninismo-maoismo de maneira sistemática, assim completando o trabalho que foi arrancado das forças proletárias da esquerda do Partido Comunista da China após a morte do grande Presidente Mao pela contrarrevolução de 1976.

O assassinato do Presidente Gonzalo abala os comunistas e revolucionários em todo o mundo. O plano da reação é levar adiante com este ato de barbárie fascista, com esse crime inimaginável de selvageria animalesca, confusão, depressão, indisciplina e capitulação às fileiras dos comunistas e revolucionários. Isso é o que eles querem conquistar com a culminação de seus planos sombrios de longa data, por isso que eles celebram seu ato baixo e vergonhoso. Mas os comunistas, hoje marxistas-leninistas-maoístas, estão armados com o ensinamento do Presidente Gonzalo, que dá ênfase ao otimismo revolucionário e o sintetiza com a necessidade de um Partido Comunista, uma questão fundamental da atitude dos comunistas, que nunca deveremos abandonar: “… porque o Presidente Mao nos ensina que somente os revisionistas e oportunistas são pessimistas. O proletariado e nós comunistas somos sempre otimistas porque o futuro está definido historicamente. Ele pertence a nós e politicamente ele caminha nessa direção. As massas não cairão no pessimismo. Elas nunca caíram. Dizer o oposto é um absurdo e significa difamá-las. As massas estão lutando. Mas para as massas lutarem, elas precisam de uma direção, de um partido, porque nenhum movimento das massas pode se desenvolver, se sustentar e avançar sem um partido.” (Presidente Gonzalo).

A imprensa internacional burguesa, comprada e à serviço dos monopólios imperialistas, celebra o assassinato do Presidente Gonzalo, a quem chamam de “terrorista” e cujo suposto “crime” foi ter posto sua vida completamente à serviço do proletariado e das massas populares, mais que isso, que fez dos interesses do proletariado e das massas populares os seus próprios e imergiu nelas em pensamento e ação – mas ainda se destacando, assim como o marxismo no ensina sobre o papel da personalidade na história. Deste modo, o Presidente Gonzalo é um grande exemplo do que significa por a própria vida completamente à serviço da emancipação do proletariado, de dar a própria vida pelo comunismo. A reação pensou que eles poderiam ter alívio ao matar o Presidente Gonzalo, por que o Presidente Gonzalo foi um perigo para eles até o final, porque eles estavam inimaginavelmente aterrorizados por ele até a culminação de seu plano sinistro. Mas em seu júbilo eles somente provam o quão longe, de fato, o Presidente Gonzalo superou a todos eles, que ele se firmou nos cumes das mais altas alturas e tinha uma visão ampla e clara, enquanto esses cães reacionários na lama e imundície da exploração, das mentiras, da tortura, da opressão, do oportunismo e da fraude arrastando-se em sua miserável e inútil existência como reacionários e serviçais do imperialismo, noticiam: “Com Gonzalo morre também o pensamento gonzalo”. Este é o seu sonho, um sonho reacionário que já falhou antes de ter tido início e que, portanto, nunca se concretizará. Este sonho reacionário é extremamente revelador, porque eles admitem implicitamente que o pensamento gonzalo, a concretização do marxismo-leninismo-maoísmo na realidade peruana, existe e que eles não podem livrar-se de sua existência. Seu sonho reacionário está fadado ao fracasso, porque o pensamento gonzalo é verdadeiro e mesmo a burguesia mais furiosa e irada não pode assassinar a verdade, como o próprio Presidente Gonzalo apontou. E enquanto por um lado eles gritam seus sonhos negros, pelo outro a reação diz que ao Presidente Gonzalo não pode se conceder um túmulo, porque senão tornar-se-ia um “local de adoração”. Bem, mas se o pensamento gonzalo morreu com o Presidente Gonzalo e não está enraizado no povo, como a reação afirma, de onde viriam os temidos tributos ao seu túmulo? Está perfeitamente claro: mesmo com seu assassinato, o Presidente Gonzalo não deixa de ser um terror para a burguesia; à despeito de seu assassinato, a reação não tem paz – e ela finalmente o prova ao mundo através suas próprias declarações. O medo da burguesia é correspondente ao medo que tem oportunismo internacional do Presidente Gonzalo e do partido que ele forjou através de sua chefatura. É o medo oportunista de seus ensinamentos e do exemplo que ele deu aos comunistas e revolucionários ao redor do mundo. Os oportunistas, especialmente aqueles que se concretizam no Peru na forma da Linha Oportunista de Direita, continuam a lutar contra o Presidente Gonzalo mesmo após sua morte, porque seu trabalho não os deixa descansar. Assim, os oportunistas, seja em qual forma na qual apareçam internacionalmente, confirmam uma vez mais que sua existência política miserável consiste em nada além de carregar a influência daninha da ideologia burguesa ao proletariado e ao povo e tentando espalhá-la por entre eles.

A campanha internacional em defesa da vida e da saúde do Presidente Gonzalo produziu ações poderosas e vívidas em muitos países, incluindo a Áustria, e expressa a luta dos comunistas pela reunificação em escala internacional. É necessário enfatizar aqui o grande papel do Presidente Gonzalo como chefe da esquerda no Movimento Internacionalista Revolucionário (RIM), através do qual o Presidente Gonzalo confirmou ainda mais ser o maior internacionalista proletário e deu lições indispensáveis ao proletariado internacional. Nós saudamos expressivamente cada uma destas ações na atual campanha, compreendendo-as como exemplos excepcionais de internacionalismo proletário e como expressão de que o reconhecimento das contribuições de validez universal do Presidente Gonzalo ao marxismo-leninismo-maoísmo está crescendo e se expressando em cada vez mais países. “Em resumo, a luta do proletariado, dos povos oprimidos, dos partidos e organizações fieis ao marxismo é a primeira e mais concreta assistência do internacionalismo proletário. O maior apoio, contudo, é a teoria imperecível do marxismo-leninismo-maoismo, a ideologia do proletariado internacional, produzida pela classe operária mundialmente nas décadas de lutas. Essa é a luz que nos guia e nos permite ver e agir. Somente através disso pode se garantir o progresso.” (Presidente Gonzalo). E nesse progresso, como declarado pela direção de nossos comitês em carta sobre a campanha internacional: “Hoje vemos mais partidos, organizações e grupos ao redor do mundo defendendo as contribuições de validez universal do Presidente Gonzalo ao marxismo-leninismo-maoísmo que nunca antes…”

Os Comunistas do mundo, o que significa também sua secção na Áustria, estabelecerá justiça para o Presidente Gonzalo. O proletariado não demandará esta justiça do velho estado e nem da burguesia, porque a demanda por justiça para o Presidente Gonzalo é, primeiramente, uma demanda do proletariado e de seu Partido Comunista para consigo mesmos. O proletariado estabelecerá essa justiça por si próprio ao constituir e reconstituir seus Partidos Comunistas, para, onde isso já aconteceu, iniciar ou empreender guerras populares, ou caso contrário, prepará-las. Portanto, incendiados por ódio de classe inconciliável, muitas ondas vermelhas quebrarão sobre a burguesia, finalmente enterrando-a sobre si, esmagando sua velha ordem e estabelecendo a ditadura do proletariado. Comunistas em todos os lugares do mundo extrairão ainda mais inspiração que antes do Presidente Gonzalo, irão basear-se mais firmemente em seus ensinamentos, irão conduzi-las às massas e reivindica-las ainda mais profundamente. Os comunistas continuarão sua campanha em defesa da vida e saúde do Presidente Gonzalo, mas eles a transformarão sob o impacto dos acontecimentos, numa grande campanha por sustentar, defender e aplicar o pensamento gonzalo e as contribuições de validez universal do Presidente Gonzalo ao marxismo-leninismo-maoísmo, por meio da qual sua chefatura será defendida e realçada ainda mais. Isso significará o salto para os comunistas e revolucionários que é objetivamente necessário e seja aonde avancem, a burguesia terá de reconhecer que o Presidente Gonzalo está marchando à seu topo, até o comunismo.

Esta será a justiça que os comunistas estabelecerão para o Presidente Gonzalo, nem mais nem menos. Estamos em meio ao período de “50 a 100 anos” no qual grandes tempestades e lutas de classe decisivas emergirão, no qual a face da humanidade mudará fundamentalmente e a revolução será reafirmada como a principal tendência da história. Neste processo, comunistas se confrontam com muitas questões e situações extremamente complexas; para alguns deles, as circunstâncias objetivas parecem brilhantes, mas os problemas parecem igualmente imensos. Permita-nos dizer que nós devemos tomar os problemas com seriedade, mas não os superestimar e entender como manter nossa orientação mesmo com os desvios na estrada. O fato de que questões e problemas emergem não é uma coisa má, primeiro porque eles emergem na luta de classes, e segundo porque podemos os solucionar, como o Presidente Gonzalo nos demonstra: “Para nós, a questão é qual é a chave para a solução. É o marxismo-leninismo-maoísmo, porque o problema é ter uma linha política e ideológica correta e apropriada. Não pode haver linha correta e apropriada se não houver ideologia correta e apropriada. Portanto, estamos convencidos de que a chave para tudo é a ideologia: marxismo-leninismo-maoísmo, com ênfase no maoísmo.” (Presidente Gonzalo) É assim que os comunistas resolverão suas questões e superarão seus problemas. É assim que o Presidente Gonzalo vive nas lutas do proletariado internacional, povos oprimidos e nações; e comunistas, não no sentido do idealismo burguês, mas no fato de que os comunistas se forjam de acordo com seus ensinamentos e através de seu exemplo. Se eles tomam esse caminho e seguem-no firmemente e sem vacilação, então indubitavelmente grandes sucessos virão, os problemas serão superados e as questões resolvidas: “Nós marcharemos adiante, ainda que comecemos a dar passos como um homem cego. No processo, nós encontraremos soluções temporárias ou somente soluções momentâneas até que encontremos as finais, assim como Lenin nos ensinou quando disse que nenhuma revolução pode ser completamente apreendida de início, e que frequentemente se dá passos como um homem cego. Se apalpa como se estivesse no escuro. Soluções temporárias ou mesmo soluções momentâneas são encontradas, mas assim é como as coisas progridem. Nós assumimos isso também porque pensamos que a arma fundamental é nossa ideologia. Nós partimos de Marx. Ele disse que seria muito fácil fazer uma revolução se soubesse com absoluta certeza que iria vencê-la. Isso seria fácil, mas a revolução não acontece desse jeito. A coisa crucial é dar início a ela e empurrá-la adiante, não importa o que custar. É sobre o esforço que devemos impor e sobre as massas fazendo a história.” (Presidente Gonzalo) Equipados com essas intuições, incontáveis comunistas se forjarão, expandindo e alargando as fileiras daqueles em esforço para destruir a velha ordem e construir a nova. Eles aprenderão do exemplo que o Presidente Gonzalo os deu quando, através de sua luta, ele derrotou os revisionistas, oportunistas e capituladores e expôs seu papel miserável perante o mundo.

O Movimento Comunista Internacional está abalado pelo assassinato covarde do Presidente Gonzalo, e todas as forças revolucionárias do mundo entendem que uma perda incomensurável foi infligida contra elas. Se nós falamos sobre o Presidente Gonzalo, falamos sobre chefatura vermelha e proletária, chefatura que foi arrancada de nosso meio com o assassinato covarde. E assim foi, porque a reação nunca conseguiu quebrá-lo, mas ele transformou sua cela, mesmo sobre condições de isolamento e tortura, numa luminosa trincheira de combate, usando o julgamento putrefato contra ele como um palco de maneira brilhante e excepcional, como uma vez fez Dimitrov, apresentando o grande plano estratégico ao proletariado internacional. Através desse heroísmo e exemplo, o Presidente Gonzalo consolidou seu lugar entre os comunistas fora das prisões, entre as massas. Essa chefatura está agora sendo sucedida pela chefatura forjada e vermelha da esquerda do Movimento Comunista Internacional, que continuará seu trabalho, comprovando mais profundamente as contribuições de validez universal do Presidente Gonzalo e dirigir a reunificação dos comunistas à nível internacional, caminho aberto pelo Presidente Gonzalo.

Os comunistas na Áustria, com todo seu ódio de classe, todos seus esforços e todo seu trabalho para a reconstituição do Partido Comunista da Áustria, garantem que irão içar alto a grande bandeira vermelha do Presidente Gonzalo, defendê-la com suas vidas e aplicar seus ensinamentos. Nós tomamos essa luta, nos demandaremos cada vez mais para dar saltos e concentrar nossas experiências passadas e lições tomando o exemplo da chefatura do Presidente Gonzalo e entregá-las ao Movimento Comunista Internacional. O presente momento é difícil. Mas como marxistas-leninistas-maoístas, iremos dominá-lo também, então permitam-nos concluir confiantemente e com a vista dirigida ao futuro, com o Presidente Gonzalo, como ele pôs em seu luminoso e vitorioso discurso em 24 de Setembro, 29 anos atrás, “Estamos vivendo em momentos históricos. Cada um de nós sabe que é este o caso. Não nos enganemos. Nestes momentos, devemos nos fortalecer para enfrentar as dificuldades, continuar a completar nossas tarefas e conquistas as metas! Os sucessos! A vitória! É isto que precisa ser feito.”

Nós saudamos o proletariado internacional, as nações oprimidas e o Movimento Comunistas Internacional!

Glória eterna, honra eterna ao Presidente Gonzalo!

Viva o marxismo-leninismo-maoísmo, que inclui as contribuições de validez universal do Presidente Gonzalo!

Viva o glorioso Partido Comunista do Peru!

Viva a gloriosa Guerra Popular no Peru!

Viva a Revolução Proletária Mundial!

Viva a reunificação dos Comunistas à nível internacional!

Viva o Movimento Comunista Internacional!

Abaixo com o oportunismo e o revisionismo, morte ao imperialismo!

Comitê de Direção Central dos Comitês para a Fundação do Partido Comunista (maoísta) da Áustria.

11/09/2021

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s