Adereço aos quadros diplomáticos (Chiang Ching, 1975)

Nota do blog: Publicamos o pronunciamento da grandiosa guia do proletariado chinês, seguidora e uma das lideranças da linha vermelha do Partido Comunista vanguardeada pelo Presidente Mao, camarada Chiang Ching, sobre o trabalho diplomático na perspectiva marxista-leninista-maoista, o modo proletário de conceber as coisas e o mundo, que reside em colocar a política no comando, compreendendo a luta de classes na frente diplomática, assumindo, defendendo e aplicando o maoismo (à época, Pensamento Mao Tsetung), com otimismo revolucionário proletário, servindo à Revolução Proletária Mundial.

O pronunciamento data março de 1975, durante encontro promovido visando uma ofensiva da linha revolucionária de esquerda sobre a frente diplomática, dado os vários problemas expostos na política externa chinesa da época, controlada sobretudo pelos revisionistas sob guarda-chuva de Chou En-lai.

Traduzido pelo núcleo de colaboração.

chiang1
Camarada Chiang Ching

Continuar lendo “Adereço aos quadros diplomáticos (Chiang Ching, 1975)”

Atividades de Chiang Ching no campo da Literatura e da Arte (China, 1967)

Nota do blog: Por ocasião e aproveitando do Dia Internacional da Mulher Proletária, levantamos a defesa da obra desta que foi uma das mais importantes mulheres proletárias que conheceu o proletariado mundial, a camarada Chiang Ching, fiel aliada e colaboradora da linha proletária e revolucionária do Presidente Mao!

Chiang Ching foi muito importante na defesa do socialismo e na prevenção contra o revisionismo e a restauração capitalista no período da Grande Revolução Cultural Proletária, sobretudo nas frentes culturais e artísticas – ramo onde viveu antes de dedicar-se à Revolução. Combateu as tendências confucianas, revisionistas e burguesas no meio artístico, impondo a consciência e o modo proletário de conceber o mundo.

Com a morte do Presidente Mao, seu companheiro, a camarada Chiang Ching era, definitivamente, o quadro revolucionário proletário mais bem preparado para levar adiante não somente o socialismo na China, mas também o tenaz combate contra a linha burguesa no seio do Partido. Exatamente por isso, com a morte do Presidente Mao, foi presa, junto aos demais líderes da linha revolucionária seguidora do Presidente Mao, acusados de “conspiração” e “grupo antipartido”, sendo apregoados como “bando dos quatro”. Em julgamento, Chiang Ching, com moral proletária, desmascarou os revisionistas como restauradores do capitalismo e que “não tinham coragem de atacar frontalmente o Presidente Mao”.

À seguir, publicamos o artigo original de 1967, fazendo um rápido relato das atividades da camarada Chiang Ching na GRCP.

 

"Aprender com a camarada Chiang Ching!"
“Aprender com a camarada Chiang Ching!”

Continuar lendo “Atividades de Chiang Ching no campo da Literatura e da Arte (China, 1967)”