Cuba, a evaporação de um mito – da revolução antiimperialista a peão do social-imperialismo

Nota do blog: A publicação que segue é a tradução, feita pela colaboração do blog, do livro produzido pelo Partido Comunista Revolucionário-USA (na época em que este seguia a linha proletária e desempenhava um papel antirrevisionista), ano de 1977. O livro aborda toda a história recente de Cuba, isto é, da dominação e saque imperialista praticada pelos ianques antes da Revolução cubana, analisa todo o processo da revolução, as posições centristas da direção revolucionária, o triunfo da Revolução e o processo de capitulação ao social-imperialismo russo/soviético. O livro é, portanto, muito importante ao contexto em que se encontra Cuba, que recentemente vem se mostrando cada vez mais próxima do imperialismo ianque. O livro mostra que não é de hoje que a direção é, como hoje se apresenta claramente, vacilante e revisionista, oportunista, contrarrevolucionária.

Consideramos importante lembrar que não há nenhuma conexão entre este livro – que aliás se mostra muito preciso pelo próprio passar do tempo – com o atual PCR-USA, que sob a concepção revisionista denominada “nova síntese” de Bob Avakian, marcha cada vez mais para o fundo do poço do oportunismo.

Alertamos para os nossos companheiros e companheiras que defendem Cuba como um país socialista e que podem ser inicialmente hostis à publicação, que estamos completamente abertos para o debate, desde que os companheiros(as) tenham conhecimento das teses que abordam a questão de Cuba como um país revisionista e dirigido pela burguesia – assim, havendo o mínimo necessário para o debate.

Desejamos uma boa leitura!
Estudar! Desenvolver! Aplicar!

P.S.: As imagens e legendas são originárias do livro.


Link original, em inglês.

Introdução

Devido ao papel de Cuba no mundo, é muito importante expor a natureza de classe de seus líderes e o verdadeiro caráter da sociedade cubana.

Em palavras, Cuba é socialista. Os milhares de soldados que lutaram na África sob a liderança soviética avançaram na causa do internacionalismo proletário. Mas os mercenários pagos pelos EUA que lutaram também acenam bandeiras da liberdade e do “anti-imperialismo”. Obviamente, é necessário enxergar o que está por trás desta aparência para entender o que realmente está acontecendo no mundo. Para compreender um país, temos de ver que classe está no poder. E para entender a política de um país, temos de ver a que classe social pertencem os políticos do país.

A revolução feita por Fidel Castro em 1959 foi um tremendo avanço para Cuba, retirando o domínio dos imperialistas norte-americanos, dos latifundiários cubanos, dos capitalistas dependentes e de toda sorte de parasitas, cafetões e gangsters. Por causa disto, e por causa dos objetivos revolucionários de Castro e daqueles ao redor dele proclamados, muitos povos de todo o mundo olharam para Cuba com inspiração e buscaram orientações em suas lutas.

Mas a perspectiva de classe, a linha política e os métodos que a liderança promoveram não levaram a nada, somente contratempos e derrotas em todos os lugares do mundo onde a inspiração cubana chegava. Provaram ser errados e perigosos para o desenvolvimento da luta revolucionária.

Em Cuba, a revolução se transformou em seu oposto. Cuba hoje é tanto uma colônia da União Soviética como era antes dos EUA, sua economia dominada por açúcar, e os seus trabalhadores escravos assalariados que trabalham para pagar uma hipoteca sem fim para a URSS. Os líderes da revolução anti-imperialista de 1959 tornaram-se uma nova classe de capitalistas dependentes.

A questão de Cuba é particularmente delicada agora por duas razões. Internacionalmente, a União Soviética, que é a própria potência imperialista no país, está tentando perturbar a dominação americana pegando todas as maçãs da ilha para si, está fazendo uso de Cuba. A União Soviética está usando tanto Cuba como uma cenoura como uma vara. Em Angola, as tropas cubanas lideraram a unidade Soviética para conquistar esse país com a justificativa de fazer oposição ao imperialismo norte-americano (que está tentando fazer o mesmo para se opor a URSS), enquanto os soviéticos apontaram para Cuba como um exemplo da “ajuda” soviética para oferecer o mesmo negócio para Angola e outros países. Esta combinação de rublos “anti-imperialistas” e tanques “anti-imperialistas” é a chave para os esforços social-imperialistas da União Soviética para substituir os EUA como principal potência imperialista do mundo e por essa razão em Cuba é de valor inestimável para os soviéticos.

PALAVRAS HUMILDES NA CONFERÊNCIA DO PARTIDO

Dentro de Cuba, o primeiro congresso do Partido “Comunista” revisionista em dezembro de 1975, marcou a consolidação econômica e política de Cuba com o bloco soviético e a ascensão formal das relações capitalistas em Cuba, depois de anos sendo escondida sob a retórica “revolucionária”.

Este congresso ratificou o novo “Plano Econômico e Sistema Gerencial”, santificando o “critério de rentabilidade” como o princípio mais elevado do país. Também consta neste documento uma longa auto-crítica feita por Castro por não ter se adequado a maneira do pensamento soviética mais cedo, uma “auto-crítica” na qual tenta justificar a situação presente de Cuba e se curva diante dos novos Czares a quem serve como uma indicação notável do sistema neocolonial cubano.

“Se tivéssemos sido mais humildes, se não tivéssemos tido excessiva auto-estima”,
Granma, jornal oficial cubano).

Soldados cubanos após a sua captura de Ambriz no norte de Angola. Mais de 72.000 tropas cubanas em “eduicors” soviéticos serviu como força expedicionária para conquistar Angola para os social-imperialistas, tudo sob o pretexto da luta contra o imperialismo.

De fato, palavras humildes da liderança cubana, que não há muitos anos, foram retratando-se como a salvação da revolução para o terceiro mundo e em outro lugar, em contraste com o que eles consideravam o “conservadorismo” dos revisionistas, e o que eles caluniaram como o “dogmatismo” dos genuínos marxistas-leninistas.

Na década de 1960, a liderança cubana tinha realmente se tornado muito humilde em servir como um garoto de recados políticos soviético sempre quando era necessário, por exemplo: atacando a China e Mao Tsetung em 1966, dando apoio a invasão soviética da Tchecoslováquia em 1968 e assim por diante. Mas naquela época, os cubanos tentaram manter alguma distância entre eles e os soviéticos, apenas para manter a imagem “ultra-revolucionária” de Cuba num momento em que a nova classe dominante capitalista soviética estava começando a se expandir sorrateiramente para um número cada vez maior de pessoas consideradas “revolucionárias”.

Mas agora as cordas soviéticas que sustentavam o regime cubano podem ter sido puxadas de uma maneira muito apertada, e a liderança cubana se tornaria mais “humilde” do que nunca. Hoje, diz Castro, a política externa de Cuba é baseada “em primeiro lugar, na amizade firme com a União Soviética, o bastião do progresso do mundo”.

O uso que os soviéticos classificaram como a “amizade firme” de Cuba mudou ao longo dos anos. Em um período anterior, os imperialistas soviéticos, enfraquecidos com os imperialistas norte-americanos, tendiam a ter uma relação de consideração e colaboração com Cuba. Agora, com a sua concorrência com os EUA se tornando mais nítida e mais violenta todos os dias, o uso do chamado “détente” dos soviéticos é principalmente uma maneira de cobrir a agressão soviética e prepararem-se para a guerra, enquanto os imperialistas norte-americanos usam para o mesmo fim. Tempos mudaram. Mas parece que os governantes soviéticos querem a qualquer custo um bom relacionamento com Cuba ao mesmo tempo.

Fidel Castro, junto com líderes revisionistas Edward Gierelz (Polônia) e Erich Honecker (Alemanha Oriental), aplaudindo Brezhnev durante o Congresso do Partido Comunista na União Soviética (*na época, já tomado pelo revisionismo, nota nossa). Os soviéticos acharam útil usar Castro ao redor do mundo em várias ocasiões, esperando para usar sua imagem
Fidel Castro, junto com líderes revisionistas Edward Gierelz (Polônia) e Erich Honecker (Alemanha Oriental), aplaudindo Brezhnev durante o Congresso do Partido Comunista na União Soviética (*na época, já tomado pelo revisionismo, nota nossa). Os soviéticos acharam útil usar Castro ao redor do mundo em várias ocasiões, esperando para usar sua imagem “revolucionária” para cobrir manobras imperialistas da União Soviética. Castro recebeu honras na reunião, incluindo “aplausos prolongados” por seus serviços em Angola.

Castro saiu de sua maneira para fazer este ponto inconfundivelmente claro, apontando a crise dos mísseis de 1962, quando a URSS precipitadamente instalou mísseis de longo alcance em Cuba, e quando desafiado pelos imperialistas norte-americanos, não só capitulou completamente por tirar tais mísseis, mas também prometeu aos EUA que poderiam inspecionar Cuba para se certificarem de que os mísseis não estavam mais lá, sem pedir ao governo cubano. Naquele tempo, Castro denunciou corretamente os soviéticos por isso.

Agora, diz Castro , ele estava errado em “não entender” que este uso covarde de Cuba como moeda de troca com os EUA era “objetivamente” a ” vitória para o campo socialista”.

Mas este não é o único corvo que Castro foi forçado a comer no congresso. Não apenas a liderança cubana deveria ter sido “mais humilde” com a política externa soviética, eles também deveriam ter aplicado corretamente as principais experiências úteis no domínio da gestão econômica na União Soviética.

LEIS CAPITALISTAS GOVERNAM A ECONOMIA DE CUBA

Qual a experiência que quer dizer? Que “leis econômicas” (especialmente a lei do valor) “governam a construção do socialismo”, e que “dinheiro, preços, finanças, orçamentos, impostos, crédito, juros e outras categorias de commodities devem funcionar como instrumentos indispensáveis… para decidir sobre qual investimento é o mais vantajoso; para decidir quais as empresas, quais unidades, quais coletivos de trabalhadores obtém resultados melhores e quais obtém resultados piores, e assim ser capaz de tomar as medidas adequadas.” (Discurso no congresso do partido)

Isto, afirma Castro, é ditado pela “realidade”, mas não é a realidade do socialismo. A classe trabalhadora deve tomar essas leis e categorias em conta para que ela possa conscientemente restringir e Iimitar sua esfera de operação e desenvolver as condições para lidarem com essas categorias de uma vez por todas. Mas o socialismo não pode ser governado pelas leis econômicas do capitalismo, senão, não haveria qualquer diferença entre os dois sistemas! As palavras de Castro aqui – jogos, trapaças e margem de lucro – são tomadas a partir de livros recentes da economia Soviética. Resumindo as experiências de restauração do capitalismo na União Soviética.

O “novo sistema econômico” que Castro continua a descrever se baseia nos mesmos princípios que regem todos os países capitalistas, especialmente sob a forma de capitalismo de estado: que os preços são fixados de acordo com o custo de produção; que as fábricas e indústrias com as taxas mais altas de retorno sobre o investimento devem ser as que tem áreas de maior expansão; que os gestores dessas unidades devem ser pagos de acordo com sua posição social e também de acordo com a rentabilidade das suas empresas; que os trabalhadores devem ser pagos de acordo com a rentabilidade das empresas em que trabalham e que perdem seus postos de trabalho, caso a produção fosse mais barata sem eles; e, além disso, que os trabalhadores sejam pagos estritamente de acordo com a sua produtividade medida por peças produzidas (o qual, Castro relata, determina agora o salário do 20% de trabalhadores cubanos) ou se eles alcançam a quota de produção definida para os seus empregos, em outras palavras, se eles conseguem alcançar a taxa (isto já está em vigor para 48% dos trabalhadores de Cuba).

Este é verdadeiramente o capitalismo na sua verdadeira glória. Isto não é mais feio do que quando Castro diz que ele lamenta que não há habitação suficiente em Cuba, que “a revolução não foi capaz de fazer muito” sobre o assunto – só que mais tarde o governo promoveu a construção de 14 novos hotéis turísticos e ampliando os outros. Claramente, a consideração não é o que as pessoas precisam, mas o que é mais rentável. Claro, Castro não chama isto de capitalismo, não mais do que os atuais governantes capitalistas da URSS. Todos revisionistas afirmam que este tipo de coisa é um pouco mais “realista” da versão do socialismo.

A HIPOTECA DE $5 BILHÕES DE CUBA

A ironia da situação é que, durante muitos anos, a liderança cubana argumentou que a ajuda soviética e as compras de açúcar permitiram-lhes comprar tudo o que precisavam para “construir o socialismo e o comunismo simultaneamente em Cuba.” Agora, com a ilha devendo $ 5 bilhões para URSS e mais dependente economicamente do que nunca, é bastante claro que o que realmente aconteceu foi exatamente o oposto – a URSS foi capaz de comprar um neocolônia para si. Este desenvolvimento também torna mais claro do que nunca que a estratégia da liderança cubana não tinha nada a ver com a estratégia da classe operária para a edificação do socialismo, de fato, Cuba nunca foi um país socialista. Isto levanta a questão de que tipo de revolução Cuba tinha e por que foi transformada em seu oposto, de modo que, longe de ser socialista, Cuba ainda não ganhou a sua independência e a libertação nacional.

PEQUENOS BURGUESES RADICAIS SOBEM AO PODER

Esta não é a primeira vez que uma potência imperialista aproveitou da luta do povo cubano pela libertação nacional para assumir o país para si. Estes “truques” soviéticos não são novidade no mundo, embora pintados de vermelho, eles são fundamentalmente nada diferente do que os imperialistas norte-americanos vêm fazendo há anos.

Em 1898, quando o povo cubano estava à beira de ganhar sua independência da Espanha depois de muitos anos de luta, os EUA entraram em cena, sob o pretexto de ajudar Cuba contra o colonialismo espanhol e, assim, aproveitou a ilha como uma neocolônia para o capitalismo monopolista recentemente estabelecido no EUA, esta foi a primeira guerra imperialista dos EUA para abrir espaço para a exportação de capital norte-americano e para aproveitar fontes de matéria-primas.

A enxurrada de investimentos dos Estados Unidos a Cuba reforçou a natureza colonial e a natureza semi-feudal da sociedade cubana estabelecida há séculos pela Espanha. Os imperialistas dos EUA apoiaram-se na regra dos senhores de terra em Cuba e criaram uma corja de capitalistas dependentes do capital dos EUA, transformando, assim, Cuba de uma colônia da Espanha para uma neocolônia dos EUA, sufocando todas as possibilidades de progresso. Na época da revolução de 1959, o sistema de propriedade de terra em Cuba permaneceu quase inalterada desde os dias do império espanhol e a cultura da economia do país há muito estava estagnada.

Este sistema previu o fardo mais esmagador da classe urbana e da classe trabalhadora rural e dos sem-terra e de todos os pequenos camponeses. Ao mesmo tempo, este sistema também conteve as fortunas de todos os mais ricos senhores de terra da pequena burguesia nacional – a pequena e muito fraca burguesia nacional (confinados a fabricação de algumas coisas não feitas pelos EUA subsidiadas ou importadas) – e da relativamente grande burguesia urbana.

Prisioneiros cubanos libertados das prisões de Batista em 1º de Janeiro de 1959 por tropas do Movimento 26 de Julho, na marcha para Havana. As massas do povo cubano saudou com entusiasmo a revolução que varreu os imperialistas norte-americanos e seus agentes a partir da ilha e queriam derrubar a velha ordem social. Em vez disso, a liderança cubana acabou mantendo as antigas relações de classe, em uma nova forma, ao proclamar o socialismo estava sendo construído.
Prisioneiros cubanos libertados das prisões de Batista em 1º de Janeiro de 1959 por tropas do Movimento 26 de Julho, na marcha para Havana. As massas do povo cubano saudou com entusiasmo a revolução que varreu os imperialistas norte-americanos e seus agentes a partir da ilha e queriam derrubar a velha ordem social. Em vez disso, a liderança cubana acabou mantendo as antigas relações de classe, em uma nova forma, ao proclamar o socialismo estava sendo construído.

Durante a maior parte destes anos, os trabalhadores cubanos desempenharam um papel liderante na luta do país pela independência e pela libertação nacional, bem como lutando amargamente por seus próprios interesses imediatos. Isto atingiu um ponto alto na década de 1930, quando, sob a liderança do Partido Comunista, a existente classe operária e seus aliados desencadearam uma enorme onda de greves e manifestações, incluindo insurgências armadas e estabelecimento de sovietes (conselhos revolucionários de trabalhadores) nas usinas de açúcar.

O governo lacaio dos EUA foi derrubado, mas logo substituído por um grupo armado liderado por Fulgêncio Batista. Embora a luta tivesse sido muito intensa nos próximos vários anos, a classe trabalhadora não foi capaz de consolidar seus avanços e, no final, acabaram voltando para o estado inicial. Como alguns dos seus erros vieram a tona, o Partido Comunista tornou-se mais e mais revisionista. Em 1940, a sua liderança aceitou uma parceria com o Governo Batista, e quando Batista deixou-os de lado, eles ficaram trabalhando com a madeira. Eles permaneceram lá até a véspera da revolução de 1959. Este episódio contribuiu muito para o enfraquecimento do movimento dos trabalhadores como uma força consciente e organizada, embora os trabalhadores nunca tivessem parado com a sua luta por melhores condições.

A PEQUENA BURGUESIA VOLÁTIL

Na década de 1950, a pequena burguesia tinha se tornado a classe mais volátil em Cuba. Os grupos políticos que surgiram a partir dela foram melhores organizados para lutar pelos seus interesses. O Movimento 26 de Julho de Castro veio da pequena burguesia urbana, ou seja, de 25% da população, das dezenas de milhares de pessoas de negócios com nenhuma empresa, vendedores sem vendas, professores com ninguém para ensinar, advogados e os médicos com poucos pacientes e clientes, arquitetos engenheiros para quem havia pouco trabalho e assim por diante. Em seu “Manifesto Programa” de 1956, ele se definiu como “guiado pelos ideais da democracia, do nacionalismo e da justiça social… da democracia jeffersoniana”. E declarou: “democracia não pode ser parte do governo de uma raça, classe ou religião, deve ser um governo de todas as pessoas”.

Com este programa, Castro e um pequeno grupo pegou em armas contra o Governo Batista nas montanhas Siena Maestra, enquanto outros jovens intelectuais e profissionais organizaram a resistência nas cidades. Esta guerra ganhou o apoio de quase todas as outras classes, exceto o pequeno punhado de pessoas diretamente vinculadas aos senhores de terra e aos norte-americanos. Muitos trabalhadores apoiaram e se juntaram. Na própria luta, a força mais decisiva foi a pequena burguesia rural, especialmente os pequenos camponeses para quem luta armada era a única maneira de defender suas terras dos latifundiários e do exército. Composto por grandes senhores de terra, o exército de Batista foi se desmoronando.

O Governo Batista se desintegrou após dois anos de luta restando apenas algumas centenas de rebeldes armados. Nos últimos meses, até mesmo o Governo dos Estados Unidos diminuiu um pouco seu apoio ao Governo Batista, acreditando que era mais provável que o Movimento 26 de Julho concordaria em chegar a um acordo para que o Governo Batista
pudesse sobreviver.

Logo após tomar o poder em 1959, Castro foi para os EUA numa “turnê de boa vontade”, declarando, em Nova York, “Eu já declarei que definitivamente não somos comunistas… Os portões estão abertos para o investimento privado que contribui para o desenvolvimento de Cuba”. Ele mesmo pediu por um grande programa de ajuda externa dos EUA para a América Latina, “para assim evitar o perigo do comunismo”. Mas essas palavras não foram suficientes para tranquilizar a classe dominante dos EUA.

Apesar do desejo proclamado de Castro para se dar bem com o governo dos EUA e do fato dos EUA terem desejo em obter apoio de Castro para servir a seus interesses, nada poderia mudar em Cuba sem apreensão dos engenhos de açúcar e das usinas e acabar com o monopólio americano de negócios de lá. Estes foram os pilares da economia do sistema político que deu origem à rebelião. Desafiar estes pilares significava desafiar todo o sistema colonial e seu mestre, mas recuar deles não era possível sem renunciar a tudo.

FIDEL CASTRO: SECRETO MARXISTA-LENINISTA

Quando Castro proclamou a primeira lei de reforma que limitaria o tamanho das maiores propriedades (muitos deles pertencentes a empresas de açúcar dos EUA), o mundo desabou. Os EUA começaram a aplicar pressão política e econômica para derrubar o exército rebelde – que agora era o governo – e por sua vez os cubanos começaram a assumir a propriedade dessas forças cujos interesses se opunham à independência da ilha. Em 1961, o Governo encontrava-se na posse de setores-chave da economia, enquanto os EUA tinham imposto um bloqueio econômico. Em abril, os EUA lançaram a invasão da Baía dos Porcos.

Embora os esforços dos imperialistas norte-americanos para reafirmar seu controle sobre Cuba se reuniu com ignominiosa derrota na Baía dos Porcos, em 1961, eles não desistiram de suas esperanças em que algum dia recapturar Cuba por si mesmos. Aqui Presidente Kennedy aceita a bandeira da força de invasão apoiada pelos EUA e organizada na bacia de Miami Laranja em 1962. Ele prometeu
Embora os esforços dos imperialistas norte-americanos para reafirmar seu controle sobre Cuba se reuniu com ignominiosa derrota na Baía dos Porcos, em 1961, eles não desistiram de suas esperanças em que algum dia recapturar Cuba por si mesmos. Aqui Presidente Kennedy aceita a bandeira da força de invasão apoiada pelos EUA e organizada na bacia de Miami Laranja em 1962. Ele prometeu ” retornar a bandeira para a brigada de Havana livre”.

No início desse ano, a URSS tinha enviado a sua primeira delegação comercial para Cuba e Khruschev tinha oferecido proteção a Cuba com mísseis soviéticos. No dia primeiro de maio, Castro anunciou que, doravante, Cuba seria um país socialista. Mais tarde naquele ano, ele declarou que ele foi e sempre tinha sido um marxista-leninista, explicou, “Naturalmente, se tivéssemos ficado no topo do Pico Turquino [nas serras] quando éramos um punhado de homens, e disséssemos que eramos marxistas-leninistas, nós não teríamos chegado a concretizar o nosso plano”.

Os imperialistas norte-americanos usaram este desenvolvimento para dizer que a revolução tinha escondido suas reais intenções o tempo todo e chegou ao poder sob falsos pretextos, em outras palavras, para encontrar alguma outra desculpa que servisse a seu interesse, por isso que eles se opuseram a revolução cubana no minuto em que havia tocado sua propriedade. E eles também usavam a figura de Castro para difamar o comunismo, dizendo que era assim que os comunistas operam, entrando furtivamente em seu sistema pela porta dos fundos, sem se preocupar em dizer as massas o que está acontecendo, e que os comunistas não se importam muito com as massas, mas operam como “mestres da desonestidade”.

A grande maioria dos trabalhadores e dos camponeses cubanos eram fortes partidários da revolução, e muito a favor das medidas tomadas, como assumindo as fazendas e as fábricas e garantindo aos pequenos camponeses o direito à sua terra (que em muitos casos dando-lhes até mais), reduzindo o aluguel, a eletricidade e outros preços, fazendo com que milhares de trabalhadores desempregados passassem a construir hospitais, estradas, escolas, etc., o lançamento de uma tremenda campanha de alfabetização e outros passos que removeram algum peso das costas do povo e permitiu que seu entusiasmo pela mudança iria mostrar-se em ação. E muitos foram entusiasmados com a ideia de experimentar o socialismo.

Mas socialismo não é apenas uma ideia, nem um questão de palavras, nem apenas um governo que toma o poder. É uma revolução social, uma revolução nas relações de classes para que a classe trabalhadora não seja apenas a proprietária das coisas na teoria, mas também na prática, o mestre real da produção e da sociedade, através da liderança do seu próprio partido marxista-leninista, e do Estado político da classe trabalhadora – a ditadura do proletariado. Assim, esta classe trabalhadora pode travar bem sucedidas lutas contra a burguesia e, neste processo, a classe trabalhadora seria capaz de transformar condições materiais em si, para assim se expandir gradualmente para todas as classes.

Esta não é a estrada de Castro e daqueles em volta dele, apesar de toda a retórica para dizer o contrário. Eles haviam se rebelado contra as condições semi-feudais e neocoloniais da velha Cuba, mas a sua pequena burguesia ansiava por uma mudança rápida e radical em seu Estado e também ambicionava em manter e fortalecer sua posição privilegiada acima das massas de trabalhadores e camponeses. Isso só o capitalismo poderia dar-lhes. Esta mesma perspectiva de classe também fez com que eles odiassem e temessem a difícil luta de classes e o significado do duro trabalho de executar a transformação real de Cuba. Enquanto a pequena-burguesia odiava o capitalismo, especialmente no que lhes tinha oprimido, eles não queriam mudar a divisão da sociedade do trabalho, que se localizou acima das massas, livres para se dedicarem as suas carreiras, em vez de trabalhar para a massa de trabalhadores.

Nos primeiros anos após a revolução, sua posição de classe se manifestou numa política idealista. Esta linha refletiu o desejo do pequeno burguês intelectual revolucionário para ver um mundo sem opressão. Mas também refletiu o desprezo e medo para a única força na sociedade que pode levar o processo de transformação do mundo, a classe trabalhadora. Essa assim chamada “linha cubana” refletiu a impetuosidade da pequena burguesia em querer sua “sociedade ideal” de imediato e sem luta de classes, especialmente sem a ditadura do proletariado. Os líderes cubanos falavam como se o comunismo estava logo ali na esquina e, como se as classes fossem eliminadas simplesmente por expropriação da propriedade individual.

Na verdade, a essência do socialismo utópico, uma forma primitiva do mundo idealista influenciou os líderes cubanos, é que a construção do socialismo depende dos governantes “iluminados” com os interesses das massas no coração. Os dirigentes cubanos, que viram-se como entre os “salvadores” mais esclarecidos das massas de todos os tempos, acreditavam que poderiam impor seus desejos na sociedade. Esta linha teve grande apelo em muitos revolucionários pequenos burgueses deste país e ao redor do mundo que queriam ver um mundo melhor para o trabalhador, mas compartilhava a visão de classe trabalhadora de Fidel Castro.

A mesma linha política “esquerdista”, decorrente do idealismo da pequena burguesia foi manifestado nas atividades da máfia da liderança cubana nos assuntos internacionais. Eles desenvolveram a chamada “teoria foco” na luta no campo, atuando como o “detonador” para as massas, que são as inspirações espontâneas para levantar, derrubar o velho regime e colocar o “guerrilheiro heroico” no poder.

Isso é contra a experiência de cada revolução comunista vitoriosa, na qual baseia-se na luta consciente e organizada das massas . Na China, por exemplo , isso significava guerra popular, mobilizar os camponeses, sob a liderança da classe trabalhadora, estabelecer superfícies de base no campo, e travando uma guerra popular prolongada. Quando Che Guevara tentou colocar a “teoria do foco” em prática na Bolívia, ele foi morto, toda a operação um fiasco completo.

O POVO, E NÃO AS COISAS, É DECISIVO

Por trás da esquerda pequena-burguesa, a linha política vinha mais e mais para a superfície do revisionismo indisfarçável. Ao invés de mobilizar e contar com a classe trabalhadora para alterar a atual relação de classes que existia em Cuba, para eliminar a deformada economia que o imperialismo havia criado em Cuba, e sobre esta base para desenvolver as forças produtivas, os líderes cubanos procuraram por algo que poderia substituir as massas e a luta de classes.

Apesar da retórica de construção do “novo homem”, eles mais e mais basearam-se na linha comum de todos os revisionistas, que as coisas, não pessoas, são decisivas; para que a sua versão do “socialismo” pudesse triunfar em Cuba, a capacidade produtiva deve ser obtida a partir do estrangeiro. Sua perspectiva de classe não os deixaram perceber que apenas revolucionando as relações de produção é que podemos ter o desenvolvimento das forças produtivas. Eles ainda poderiam entender as palavras de Marx, o “maior poder produtivo é a classe revolucionária em si”. No lugar da luta consciente das massas, os líderes cubanos tentaram comprar o socialismo por hipotecar a economia para a União Soviética.

Lênin disse: “Claramente, para abolir as classes totalmente, não é necessário expulsar os exploradores, os senhores de terras e os capitalistas, não é o suficiente abolir o seu direito de propriedade; é necessário também abolir todos os meios privados dos meios de produção, é necessário abolir a distinção entre campo e cidade, assim como a distinção entre trabalho braçal e trabalho intelectual. Isso requer um longo período de tempo.” (Um Grande Cemeço)

Esta é a linha da classe operária na construção do socialismo e na execução da revolução para o comunismo. Em Cuba, certamente teria significado mobilizar os trabalhadores para quebrar as divisões do trabalho herdadas de uma velha sociedade semicolonial. Significaria promover uma mudança na organização da ilha, que basicamente serve para produzir açúcar para o mercado mundial imperialista. Mas os dirigentes cubanos, por causa de sua posição pequeno-burguesa, rejeitaram este caminho.

Castro disse que o principal problema da revolução foi “como produzir a abundância necessária para o comunismo”, significando, para ele, trocar açúcar com os meios de produção e máquinas, que ele sentiu que a classe trabalhadora nunca poderia produzir contando com seus próprios esforços. E para fazer isso, as lideranças cubanas colocaram em prática as antigas relações de produção, de forma alterada – a divisão do trabalho e suas plantações de açúcar – trabalhavam em alta velocidade para produzir os bens para vender e obter esta riqueza. Agora o comprador e “provedor” já não era os EUA, mas a União Soviética.

Uma vez que esta linha foi adotada, o entusiasmo das massas para mudar a velha sociedade foi se pervertendo para que o papel da classe trabalhadora, ao invés de revolucionar a sociedade, foi implantado o trabalho duro para produzir o dinheiro necessário. Assim, a base da relação de produção capitalista foi preservada e emponderada ao custo da subordinação da classe trabalhadora para a produção do lucro.

Ao invés de uma nova sociedade socialista, e ainda menos comunista, esta era, em essência, a mesma velha sociedade com novos mestres. O papel dos trabalhadores era trabalhar duro. Os líderes cubanos mais e mais se tornaram capitalistas estatais burocráticos dependentes de um poder imperialista estrangeiro.

Mesmo o fervor revolucionário e o desejo do povo cubano de apoiar as lutas anti-imperialistas, exemplificado pelo seu apoio ao povo do Vietnã, foi distorcido apoiando as forças soviéticas no exterior contra os seus rivais norte-americanos, como em Bangladesh e em Angola. Uma vez que a estrada política foi tomada por comprar o “socialismo” em vez de depender da mobilização da luta de classes do trabalho e das massas, que por si só poderia revolucionar a sociedade, a política econômica básica dos revisionistas cubanos seguiram tão certo como a noite seguia o dia. O dinheiro que Castro buscou só poderia ser obtido através da preservação e do fortalecimento da desequilibrada economia semicolonial que resultou na revolução cubana em primeiro lugar. A produção de açúcar para venda para a União Soviética se tornou a base da política econômica. E esta dependência econômica, por sua vez, se tornou a base para o futuro desenvolvimento da linha política da liderança cubana.

Estrada do Açúcar Revestido para o Neo-Colonialismo

Açúcar tinha sido uma maldição para Cuba. Os EUA tinham usado seu controle do mercado do açúcar para controlar Cuba. Os americanos e os senhores produtores de açúcar tinham feito de tudo para manter as pessoas afastadas do cultivo de alimentos em terra não utilizada, a fim de mantê-los empobrecidos e sem propriedade, sem escolha, mas para trabalhar no açúcar. Os senhores de açúcar de toda a ilha devem produzir açúcar para exportação, enquanto este fértil país tropical acabou de importar grande parte de sua comida. este foi o arranjo mais rentável para os senhores de terra e imperialistas. Porque o alimento era tão caro, a maioria dos trabalhadores e camponeses cubanos comiam apenas arroz, feijão e raízes.

Nos primeiros anos da revolução, como a terra e, acima de tudo, aqueles que trabalhavam nela, começaram a se libertar desse sistema, as culturas foram diversificadas com a produção de açúcar, enquanto outras terras foram usadas para outras culturas. Estes foram os anos de maior melhoria nos padrões de vida das massas, como as pessoas trabalham e recursos materiais que que antes eram ociosos foram liberados. O desenvolvimento de algumas industrias foi iniciada e a construção de escolas, hospitais e outros projetos foram iniciados.

No início dos anos 60, os EUA fecharam o antigo mercado de açúcar de Cuba, de modo que as compras por parte da URSS e da China ajudaram Cuba. No início de 1963, como o avanço da economia começou a frear e a escassez apareceu, Castro foi para a União Soviética para conversar com Khruschev e outros líderes soviéticos. Quando ele voltou, ele tinha um novo plano. Em vez de diversificar a agricultura, Cuba trabalhou para produzir mais açúcar.

POR TRÁS DA “AJUDA” SOVIÉTICA

Até então Cuba havia pedido emprestado um pouco de outros países. A URSS se ofereceu para aumentar substancialmente os seus empréstimos a Cuba e comprar até cinco milhões de toneladas por ano de açúcar, mais do que o país conseguiria, em seguida, produzindo – com o preço mais elevada do mercado mundial para que Cuba pudesse comprar mercadorias soviéticas. A “ajuda” era a mordida e o açúcar a “isca” – e os líderes cubanos aceitaram isso.

Para os governantes da União Soviética este foi um bom negócio. Tendo derrubado a regra da classe operária na URSS, estes novos capitalistas foram cada vez mais impulsionados por leis do imperialismo: a necessidade de monopolizar as fontes de matérias-primas, exportar capitais com a finalidade de extrair superlucros e lidar com imperialistas rivais para dominar o mundo. Eles viram que ao amarrar Cuba em sua órbita imperialista eles seriam capazes de extrair grande riqueza a partir de Cuba ao longo dos anos e usar Cuba como uma ferramenta política e militar em sua disputa com seus rivais norte-americanos.

Em 1960, a fim de quebrar o domínio do imperialismo norte-americano na ilha, os cubanos realizaram uma onda de nacionalizações contra a propriedade de empresas norte-americanas . Acima, banners do General Electric plant.
Em 1960, a fim de quebrar o domínio do imperialismo norte-americano na ilha, os cubanos realizaram uma onda de nacionalizações contra a propriedade de empresas norte-americanas . Acima, banners do General Electric plant.

Como qualquer bom traficante de droga, os soviéticos deram as primeiras amostras no preço baixo. O primeiro par de anos de “ajuda” foram emprestados sem juros. Mais tarde, eles começaram a cobrar 2.5%. Sua real taxa de lucro foi muito maior do que esta. No acordo original, 8O% do crédito e do dinheiro da URSS tinha de ser utilizado para compra de produtos soviéticos a preços altamente inflacionados. (No caso das taxas de juro, uma vez que a dependência de Cuba tinha sido estabelecida, os soviéticos aumentaram a aposta, exigindo todo o crédito para ser usado em produtos soviéticos). De acordo com um autor com acesso as estatísticas de Cuba, a URSS de 11% passou a cobrar 53% por maquinaria, esta porcentagem é a comparação de Cuba com os países do ocidente. E fazer este roubo ainda mais absurdo, os soviéticos pagaram a mais pelo açúcar de Cuba do que o preço do mercado mundial (você adivinhou, eles pararam na prática também), eles pegaram este mesmo açúcar e revenderam a um preço ainda maior para a Europa Oriental. Esta é uma prática soviética padrão em todo o mundo, o comércio desigual que a União Soviética realiza o excedente de valor gerado pela exportação de capital. Em essência, é pouco mais do que um arranjo da contabilidade para obter lucro para a URSS em forma de juros ou de super lucros de vendas da exportação de capital.

Mas a União Soviética tem ambições muito maiores do que a mera dominação de Cuba. Todas as potências imperialistas tem seu apetite continuo e eles procuram dominação no mundo. Para os soviéticos, Cuba representado tremendo “capital” político com o qual fosse permitido penetrar em outros países da América Latina e em todo mundo, disfarçado na imagem “revolucionária” de Cuba. Porque da enorme importância de ganhar uma filial na América latina e na esperança de fazer o uso ainda mais político (e, eventualmente) uso militar de Cuba em sua luta com os EUA para hegemonia mundial, os soviéticos estavam dispostos a dar uma melhor Cuba do que outros países sob a sua aderência.

A AUTO-SUFICIÊNCIA NÃO É CONIVENTE

O raciocínio da liderança cubana para hipotecar seu país para os soviéticos era assim: Cuba tinha campos de açúcar e moinhos e terras improdutivas. Tinha relativamente poucas fábricas, baixo grau de minério de ferro e pequenas instalações para fazer aço. Vender açúcar para o mercado internacional foi muito rentável, enquanto diversificar a agricultura e a indústria da construção civil seria lento e caro.

Como explicou Castro num discurso: “Para tornar-se auto-suficiente em arroz… nós teríamos que usar mais de 330.000 acres de terra e investir nelas nosso escasso abastecimento de água… Sem dúvida, não seria conveniente para o nosso país para parar de produzir um e um e meio milhão de toneladas de açúcar, que é o que nós poderíamos produzir em 330.000 acres de terra irrigada plantada com cana-de-açúcar, e que fizesse crescer nosso poder de compra no exterior por mais de $ 150 milhões, a fim de produzir sobre esta terra, com o mesmo esforço, arroz avaliadas em US $ 25 milhões.”

Por que em vez das terras destinadas ao cultivo de arroz que estão improdutivas fosse plantado cana e usar o dinheiro para comprar arroz? Este é o curso que o governo seguia com vingança. Em 1964, Cuba decidiu aumentar a sua produção de cana-de-açúcar de 3,9 milhões de toneladas para 10 milhões de toneladas por ano até 1970.

Tudo isso fez perfeito sentido, muito “conveniente” economicamente – de acordo com a economia capitalista.

Objetivamente, esta foi uma decisão para desenvolver Cuba exatamente como os imperialistas norte-americanos haviam desenvolvido em uma desequilibrada e para sempre dependente forma, de acordo com o que foi mais lucrativo. Isto foi particularmente desastroso porque Cuba não conseguiu produzir os 10 milhões toneladas , mas, mesmo que essa meta fosse alcançada o efeito de base sobre a estrutura da economia – a sua dependência ao imperialismo faria – permaneceram os mesmos . E em tal situação é definitivamente mais rentável cultivar cana do que desenvolver a indústria em Cuba – caso contrário os imperialistas norte-americanos que teriam industrializado Cuba há muito tempo. Mesmo nos últimos anos , quando os preços de mercado do açúcar eram muito elevados Cuba permitiu fazer algum lucro em seu comércio exterior pela primeira vez , “economia” ainda ditava as regras e a indústria do açúcar ficou ainda maior e mais rentável.

LUCRO NO COMANDO

Na festa de 1975 do congresso, Castro falou como se o critério de rentabilidade tinha sido desconhecido em Cuba por muitos anos. Na verdade, a decisão de expandir a produção de açúcar mostrou que a partir de iniciar a estratégia de seu Governo para a construção do “socialismo” tinha base na rentabilidade. Este não foi um erro, foi uma decisão de classe, um passo político básico que decidiu o caminho que Cuba iria tomar e quais classes seriam beneficiadas.

Mesmo sob o socialismo, a classe trabalhadora deve ter em conta a “rentabilidade”, mas o lucro continua a ser uma categoria econômica refletindo as velhas relações capitalistas de produção. A classe trabalhadora, através do Estado, deve considerar o custo, em dinheiro, que vai para a produção de coisas (salários, o preço de matérias-primas, etc.) e o preço dos bens produzidos. Os preços são esperados para cobrir os custos e produzir um excedente. Mas o objetivo da produção sob o socialismo não é o lucro.

Navios de guerra e submarinos soviéticos vão regularmente em Cuba, onde os soviéticos mantêm suas únicas instalações navais no Hemisfério Ocidental. Usando Cuba como uma base naval no Mar do Caribe tem sido também uma prática dos imperialistas norte-americanos, que mantêm num pedaço do território cubano a base de Guantánamo, como a sede da Frota do Caribe EUA.
Navios de guerra e submarinos soviéticos vão regularmente em Cuba, onde os soviéticos mantêm suas únicas instalações navais no Hemisfério Ocidental. Usando Cuba como uma base naval no Mar do Caribe tem sido também uma prática dos imperialistas norte-americanos, que mantêm num pedaço do território cubano a base de Guantánamo, como a sede da Frota do Caribe EUA.

Sob o socialismo é a linha política da classe trabalhadora que toma as decisões conscientes por meio de seu partido e seu estado que determina a política econômica, o plano para o que será produzido e como. Fundamentalmente, o plano se baseia tendo em conta o material das coisas na sociedade (os trabalhadores, máquinas disponíveis, matérias-primas etc) para atender as necessidades da sociedade – alimentação, vestuário, escolas, novas fábricas, etc. A finalidade básica da classe trabalhadora é travar uma luta política para restringir, limitar e, eventualmente, para acabar com o lucro completamente. Para basear uma economia no “critério de rentabilidade” seria capitalismo, não socialismo. A classe trabalhadora não pode construir o socialismo invocando ajuda estrangeira ou comercial, não importa quão bem intencionado. Isto porque o seu objetivo, o comunismo e a sociedade sem classes , não é apenas uma questão de abundância.

Mas isso é exatamente como Castro explicou para as massas, como se o comunismo era apenas uma promessa de tempos melhores.

Para sua própria libertação, a classe operária tem que levar às massas de pessoas a transformação das condições de cada país, acabando com a base social das contradições de classe e os trabalhadores seriam mestres conscientes de produção em todos os aspectos da sociedade. Somente nesta base, as classes vão desaparecer e o comunismo vencerá.

A auto-suficiência, desencadeando a organização e contando com o criativo poder das massas em cada país é a única forma de trabalho que pode quebrar as cadeias econômicas e sociais do capitalismo .

NÃO DIVERSIFICOU A AGRICULTURA

Cuba não desperdiçou o açúcar  deixando-o apodrecer nos campos, ou esqueceu de usá-lo para comprar algumas importações se pudesse. Mas especialmente porque não só a agricultura de Cuba , mas toda a sua economia era açúcar.Tinha que diversificar suas culturas como a única possível base para sair de sua estrutura neocolonial.

Num sistema em que a base de todas as decisões tomadas são as necessidades da sociedade e não o lucro, alimentando bem as pessoas. O fato de que a rentabilidade do açúcar tem sempre deixado de lado culturas alimentares menos rentável fez um monte de alimentos básicos muito caros e escassos para as massas.

Além disso , a menos que a agricultura fosse diversificada e desenvolvida, Cuba jamais poderia ter uma base para a industrialização completa , ou em matérias-primas provenientes da agricultura (por que Cuba ainda é largamente dependente das importações ), nem em termos de desenvolvimento de um mercado de maquinarias e bens de consumo.

Castro argumentou que era muito mais barato importar tratores da União Soviética, depois construir fábricas em Cuba que não tinham necessidade de muitos tratores. Novamente, isso é economia capitalista. Se Cuba não desenvolveu a sua indústria – que seria bem mais eficiente – seria sempre dependente dos bens manufaturados importados.

Em fornecer “generosa ajuda” a Cuba e fomentar o desenvolvimento para aumentar enormemente sua produção de açúcar, a URSS estava fazendo exatamente como os EUA tinham feito, fortalecendo os aspectos mais atrasados da economia cubana – sua dependência de produção de açúcar.

Isso significava a reprodução de nova forma de conteúdo antigo – exportar o capital para a colônia e depender da colônia na “pátria mãe” imperialista. Também significou que os dirigentes cubanos, por conta dessas condições, foram rapidamente se tornando senhores de açúcar e capitalistas dependentes. A decisão sobre o açúcar não era um simples passo na liderança falsa cubana. O exemplo da experiência da construção socialista, incluindo a experiência na China e Albânia no momento da Revolução cubana, serviu como exemplos inequívocos da diferença entre o caminho socialista e capitalista sobre a questão do desenvolvimento da economia.

Khruschev, que havia liderado o estabelecimento de uma nova classe exploradora dirigente na URSS depois da morte de Stalin, tinha tentado derrubar a dominação da classe de trabalho na China e na Albânia e levar os países sob o comando soviético, por técnicos soviéticos e cortando suprimentos importantes sem aviso. Eles ainda haviam imposto um bloqueio econômico em torno de Albânia, enquanto ameaçando ainda medidas mais drásticas. Apesar do fato que ambos os países eram também muito pobres e o fato de que a China é na fronteira soviética e a minúscula Albânia está rodeada por estados hostis, a classe trabalhadora desses países tinham feito o seu melhor para desenvolvê-las de acordo com o princípio da auto-suficiência e auto-confiança e eles foram capazes de resistir à ofensiva de Khruschev, embora não sem custo.

A liderança Cubana frequentemente afirmado que o bloqueio dos Estados Unidos, a ameaça de agressão, e o curto fornecimento de alguns produtos naturais chaves obrigou-os a serem passivos com a União Soviética. Mas, apesar de todos os obstáculos reais que existiam para a construção de um verdadeiro socialismo em Cuba, estes foram certamente não maior do que as condições enfrentadas nos países socialistas reais. O recurso mais importante de todos, a própria classe trabalhadora, era muito maior do que da Albânia, por exemplo. Na verdade, o bloqueio, longe de ser uma justificativa para a dependência sobre os soviéticos, era em si ainda uma outra razão para a auto-suficiência: a evitar a ameaça de estrangulamento da economia não poderia basear-se na presunção de que barcos estariam sempre desembarcando em Cuba.

A União Soviética, por seu lado, se opôs aos EUA quando seus interesses foram satisfeitos e até mesmo usaram Cuba para se opor ainda mais aos imperialistas norte-americanos, mas como a crise dos mísseis cubanos havia acontecido, eles estavam muito dispostos a usar Cuba como um peão a ser negociado com os EUA se isso provar ser uma vantagem. E como o desenrolar das coisas mostrou, a “proteção”, militar e comercial soviética significou o fim da independência cubana.

DISPUTA ENTRE CHINA E CUBA

Um incidente entre os governos de Cuba e da China em 1966 mostrou o quão rápido os líderes cubanos estavam indo ao caminho da dependência neocolonial, e quanto, apesar de tudo sua retórica revolucionária e suas políticas eram cada vez mais autoritárias pelas leis do capitalismo. China dobrou sua transferência de arroz para Cuba para o ano de 1965, a pedido do Governo de Cuba, mas quando o Governo cubano exigiu que China mantivesse esse nível de forma permanente, o governo chinês respondeu dizendo que eles estavam dispostos a falar sobre isso, mas tinha algumas graves objeções quanto a isso.

A ajuda comercial da China é fundamentalmente diferente da dos revisionistas soviéticos descrito anteriormente. A ajuda da China não é um investimento. Desde que a China é governado pela classe trabalhadora e não a burguesia, a ajuda da China e do comércio não servem ao “critério de rentabilidade” – servem a política proletária e baseia-se na igualdade e benefício mútuo.

O Governo cubano se ofereceu em pagar o aumento das embarcações de arroz com açúcar, e se os chineses não estivessem interessados ​nisso, com o dinheiro que a China havia emprestado aos cubanos poderia ajudá-los a diversificar sua economia. A China respondeu que apesar do açúcar valer a pena em termos de dinheiro, não havia necessidade para tanto açúcar, enquanto eles precisavam de arroz. Foi necessário não só para seu próprio consumo e para preparar um arsenal em caso de guerra (China recentemente foi atacada pela Índia, que estava armada e apoiada tanto pelos EUA quanto pela URSS), mas também para fornecer ao Vietnã, em seguida, para sua guerra contra os imperialistas dos EUA.

A própria experiência amarga da China antes e depois de sua libertação tinha ensinado bem que a dependência econômica é uma condição que a revolução deve realizar, um obstáculo e um fardo para o povo. O ração de arroz das pessoas cubanas tinha permanecido a mesma, mesmo quando a China dobrou as remessas de arroz porque o Governo cubano estava focado nos campos de arroz para plantar cana-de-açúcar, o arroz não era tão conveniente quanto o arroz em termos de rentabilidade. A ajuda chinesa permitia a quebra da cadeia de suprimento de açúcar. Usar essa ajuda para comprar arroz apenas tornaria esta situação pior.

A resposta de Castro era usar a ocasião de uma conferência de Havana de alguns revolucionários da África, Ásia e América Latina para atacar publicamente a China pela “agressão econômica”. Ele também fez calúnias repugnantes sobre Mao Tsetung e clamou por sua renúncia. No contexto da URSS, os próprios ataques a China e, em seguida, a polêmica travada entre os partidos dos dois países sobre a linha geral do movimento comunista internacional colocou Castro em boas condições com seus credores soviéticos – o exemplo verdadeiramente repugnante de como o “critério de rentabilidade” governou Cuba.

NACIONALIZAÇÃO – PARA QUAL PROPÓSITO?

Naturalmente, esta não era a maneira que Castro apresentou. Cada passo, todas as medidas que o Governo tomou foi explicado para as massas como um passo para o “socialismo”, melhor ainda, para o comunismo. Mas cada nova nacionalização, cada nova ofensiva revolucionária, todas as novas oportunidades apresentadas para as massas para mostrar seu entusiasmo revolucionário, era de fato guiado pelo “critério de rentabilidade ” e os interesses de classe dominante de Cuba.

Em 1963, poucos meses depois de Castro visitar a URSS e assinar um acordo de açúcar, Castro anunciou que, além das grandes propriedades e das propriedades dos imperialistas norte-americanos que tinham sido apreendidas antes, agora a terra de médio produtores também seriam confiscadas. As pessoas afetadas, os produtores com 160 a 990 acres, em média 10.000 agricultores e suas famílias – foram acusados ​​por Castro de “sabotar a produção de açúcar” ajudando a CIA.

Estes certamente não eram camponeses pobres e não podiam ter invocado uma luta para transformar Cuba porque eram exploradores. No entanto, muitos destes agricultores tinham apoiado a revolução de 1959, porque tinham sido severamente restringidos pelas grandes companhias de açúcar.

Não podemos dizer exatamente o que teria sido a política correta em relação a esses produtores. A verdadeira questão não é saber se a política em direção a eles foi um erro ou não. Os erros não precisam ser fatais e podem ser corrigidos, tendo em conta uma linha correta. O ponto importante é que, por parte do governo cubano, a política não era baseada em como desenvolver a agricultura socialista. Não era nem mesmo uma questão de defesa da revolução. Para eles, esta completa expropriação foi um reflexo do que havia se tornado sua política global: sacrificar tudo para subordinar o máximo de terras de açúcar e fazer com que a Cana fosse cultivada da maneira mais barata possível.

Esta exata linha – tudo para tornar o país num eficiente produtor de açúcar saiu de forma diferente quando aplicado para as centenas de milhares de agricultores pobres . Como as pessoas com alimentos de Cuba, estes camponeses eram potencialmente uma força importante o desenvolvimento da economia ao longo da linha socialista. Mas a política geral do governo não estava a liderar uma coletivização voluntária de sua terra e do trabalho.

NÃO COLETIVIZOU

Basicamente, eles simplesmente deixaram-nos soltos. Alguns saíram do negócio e fizeram parte das fazendas estaduais e alguns enriqueceram. Tudo isso causou esta parte da economia estagnar na pequena propriedade privada e Cuba ainda continuou a ter que gastar 24% do seu dinheiro de importação em comida. Isto foi ignorado pelos dirigentes cubanos, que viram a força motriz em sua economia não com as massas mobilizadas para quebrar os velhos padrões de produção e construir o socialismo, mas com o critério de lucro e o “fique rico rápido” impulsionando a exportação de açúcar.

A incapacidade de levar esses camponeses, através da cooperação, da coletivização e da socialização, assegurou que esta seção do povo permaneceria preso ao método e as perspectivas de pequena propriedade privada e que a agricultura de Cuba não iria se desenvolver num caminho socialista.

As fazendas do estado formadas a partir do velho estado e a as médias fazendas confiscadas se transformaram em gigantes agrupações, muitas vezes, totalizando várias centenas de milhares de hectares. Este foi o mais “eficiente”, mais rentável caminho para produzir açúcar, especialmente com o mercado agora se expandindo para incluir a União Soviética. Mas não era uma forma mais correta, mais socialista de propriedade do que antes porque as relações de produção, especialmente o papel dos produtores em toda a organização- não foi alterada. Em vez de trabalhar para uma companhia de açúcar sob os olhos de alguns gestores, agora os trabalhadores do campo trabalham para o governo sob os olhos de 20 ou 30 burocratas. E o objectivo do trabalho permaneceu a produção de lucro.

Depois de alguns anos, quando as fazendas estatais necessitavam de mais mão de obra para o açúcar, os empregados da fazenda estaduais foram proibidos de ter até mesmo os seus terrenos privados onde muitos cortadores de cana produziam pequenas quantidades de produtos hortícolas e outras culturas, principalmente para o seu próprio uso.

Numa sociedade socialista, a classe trabalhadora tenta com a máxima eficiência usar todos os recursos da sociedade. No longo prazo, isso significa uma agricultura de grande escala, mecanizada e diversificada, e a classe trabalhadora deve travar uma luta política contra as tendências capitalistas que a produção de pequena escala gera. Mas durante um longo período de tempo, em muitos países, e certamente em Cuba, não era nem necessário nem desejável eliminar as pequenas produções agrícolas, mesmo quando alguns produtos são vendidos. Isso pode contribuir em alimentar as pessoas. E se os trabalhadores agrícolas Estado poderiam produzir muito de sua própria comida no seu tempo livre seria uma vantagem, liberando recursos para ser usados em outro lugar.

Mas para o governo cubano, estas pequenas produções não se dedicavam ao negócio principal – açúcar. Com isso, os governantes tornaram-se os novos proprietários de terra subordinando os trabalhadores e as necessidades da sociedade devem apenas atender as demandas do Rei Açúcar.

95,1% DOS VENDEDORES DE CACHORRO QUENTE SÃO CONTRA-REVOLUCIONÁRIOS?

A escassez de mão de obra nos canaviais causou uma mania de nacionalização no final dos anos 60. Na chamada “ofensiva revolucionária” de 1968, quando a safra do açúcar estava muito escassa, Castro anunciou que “95.1%” de todos os vendedores de cachorro-quente, donos de mercearia, donos de bar e outros pequenos proprietários tinham sido descobertos ser “contra-revolucionários”. Pior, esses “homens capazes fisicamente foram vadiando”, enquanto “as mulheres foram para os campos “.

Todos estes estabelecimentos – 55.000 ao todo – foram apreendidos. Eram fechados permanentemente (sem levar em conta se, por exemplo, os trabalhadores precisassem de um carrinho de cachorro quente na frente de uma de fábrica) ou então dirigida por burocratas, enquanto os ex-proprietários foram enviados para cortar cana. Alguns eram velhos e aleijados, e muitos constituíam quase 10% da população de Cuba que havia fugido do país.

Castro justifica isso dizendo que a revolução não tinha sido feita apenas para “parasitas” poderem dirigir seus negócios. Mas sua abordagem a esta questão era o oposto da do proletariado. Nas revoluções lideradas pela classe trabalhadora, é um importante princípio político para conquistar o número máximo de forças contra o inimigo em cada etapa da luta. A classe operária, depois de ter tomado o poder dos grande capitalistas, tem que gradualmente acabar com os pequenos proprietários em seu meio, que representam um elemento capitalista. Mas para a classe trabalhadora, o método a ser usado nesta situação é de persuasão, não da força. A classe trabalhadora pode vencer a vasta maioria destes capitalistas e construir o socialismo, e transformar tanto a aparência política quanto a posição econômica. Mas o capitalismo de Castro escravizou os trabalhadores. Para o governo cubano era uma simples questão de economia: 55.000 homens capazes = 55.000 cortadores de cana.

Essa nacionalização foi a maior fraude e nada teve a ver com o socialismo, apesar do governo classificar como revolucionária. A nacionalização não é necessariamente socialização. Nacionalização significa simplesmente o controle de uma empresa pelo Estado, que o estado burguês faz o tempo todo, desde o Post Office até o Penn Central nos EUA até a indústria de aço e das minas na Grã-Bretanha.

A diferença é que a classe trabalhadora detém o poder. Quando a classe trabalhadora dirige o Estado, é capaz de planejar a sociedade para servir aos seus próprios interesses e de toda a humanidade. Para fazer isso exige a participação cada vez mais consciente e organizada dos trabalhadores em todos os níveis da sociedade, incluindo a nível da empresa na gestão e na administração.

As massas de trabalhadores e camponeses têm um grande conhecimento sobre a produção e sobre as suas necessidades globais em particular. Com a liderança do Partido, seu conhecimento pode ser somado e usado ​​para formular um plano para administrar a economia a fim de preencher essas necessidades. E as massas dos produtores podem ser organizadas, educadas e invocada para cada vez mais controle e participação na realização deste plano. A menos que tudo isso é feito, há apenas uma outra maneira de tomar decisões de acordo com o lucro.

Este é o caso em Cuba. Há assembleias periódicas dos trabalhadores nas fábricas. Mas, como um alto oficial do governo explicou, “Não é uma questão de discutir as decisões gerais administrativas. A coisa é que o entusiasmo dos trabalhadores deve ser obtido para apoiar as principais medidas da administração.” Isto não é muito diferente do tipo de gestão dos trabalhadores nos EUA.

As fábricas, fazendas do Estado, os carrinhos de cachorro quente etc, não eram dirigidos pelo plano proletário. Planos eram feitos, mas já que as linhas gerais da economia já eram decididas de acordo com a produção de açúcar, as produções seguintes deveriam se basear nesta atividade, basear também no lucro.

Mas há uma enorme diferença entre a direção da economia nos anos 60 para a atual. Nos anos 60, os gestores e os burocratas eram sujeitos a pequenos controles em relação a sua participação nas indústrias e nas empresas. Ao estabelecer o “comunismo” de uma vez por todas (e com a liberdade que a ajuda soviética traria), não havia contabilidade econômicas para este acontecimento, e pouco controle exceto das ordens superiores. Isto causou aos antigos intelectuais e profissionais que dirigiam a economia a entrar na nova com novos projetos, mini negócios, livres como passarinhos, até a conta desta “liberdade” rapidamente vier devida.

Billboard exorta cubanos a atingir a meta de seis milhões de toneladas de açúcar até Junho de 1970 , prometendo que seria um duro golpe para o Tio Sam. Castro apostou a
Billboard exorta cubanos a atingir a meta de seis milhões de toneladas de açúcar até Junho de 1970 , prometendo que seria um duro golpe para o Tio Sam. Castro apostou a “honra da revolução ” e, mais importante, a maioria dos recursos de Cuba sobre o sucesso de 1970 de 10 milhões de campanha de toneladas. Seu fracasso deixou a economia em frangalhos e o país ainda mais no jarrete à URSS.

Tudo isso foi em nome de “socialismo”, “a eliminação intermediária do dinheiro”, como Castro explicou. Mas na verdadeira construção socialista, quando as forças de produção e do conhecimento e do controle consciente dos produtores ainda são relativamente limitada, a classe trabalhadora deve utilizar algumas contabilidades econômicas e controles sobre sua ordem de produção para entender o que é melhor para se fazer e para melhor verificar sobre a sua implementação. Mais uma vez, isto significa subordinar a economia à política. Caso contrário, se o plano não refletir estritamente a realidade e se não for estritamente realizado, em seguida, as leis do capitalismo vão se reafirmar.

Enquanto os novos gestores e burocratas queriam estar livres do “dinheiro intermediário”, eles não poderiam estar livres das leis do capitalismo e do mercado. A natureza incontrolável da produção sob este sistema, que criou muitos graves reveses econômicos e contribuíram muito para o fracasso da safra do açúcar, tinha de ser trazido sob a disciplina de lucro.

Depois do primeiro lucro, a economia, através da intervenção direta de Castro e de outros líderes, direcionou recursos ao açúcar, a outras exportações e as indústrias que pareciam a promessa de um rápido retorno sobre o investimento. Então, na década de 1960 mais tarde, o governo tentou correr tudo com a ajuda soviética dos computadores e um conjunto de tabelas matematicamente preparadas de acordo com as instruções dos economistas de Harvard. Uma vez que estes métodos organizados para a máxima “eficiência”, conforme medido em pesos e centavos , eram simplesmente uma forma disfarçada de coisas funcionando de acordo com o lucro (e, de fato, são muitas vezes utilizados pela administração capitalista dos EUA e da URSS) . Até o início dos anos 1970, entretanto, mesmo estes métodos se mostrando não serem suficientemente eficazes, o Governo começou a reorganizar a economia de acordo com o mesmo principio, na forma, bem como conteúdo , seguido pelo dólar e, especialmente, o rublo.

As relações reais de produção, as relações reais de classes, foram camufladas pelo uso rápido e solto de palavras marxistas e ao mesmo tempo, os trabalhadoras e camponeses eram esperados a trabalhar o dobro do tempo em homenagem a este falso “marxismo”.

TRABALHO “VOLUNTÁRIO”

Em nome da “consciência usada para criar riqueza” e “criar o Novo Homem “, os trabalhadores eram cada vez mais chamados a executar grandes quantidades de trabalho voluntário. Isto foi um fato no final dos anos 1960, como um número crescente de cortadores de cana fluíam para fora da zona rural à procura de melhores salários e condições, deixando safras de açúcar. Os números de trabalhadores, estudantes e até mesmo às vezes burocratas transportados de ônibus para os campos de cana, no entanto, teve pouca semelhança com o trabalho voluntário socialista real, que o trabalho sob dominação de classe é uma medida importante para o desenvolvimento da sociedade e para transformação da classe trabalhadora.

Sob o socialismo, quando os trabalhadores governam e estão transformando a sociedade no comunismo, há uma base real para as pessoas gastarem seu tempo livre fazendo trabalho voluntário. Mas em Cuba, o trabalho “voluntário” era nada parecido com isso. Isto era porque as necessidades de produção de açúcar destinadas ao “trabalho voluntário” das pessoas foram muitas vezes à custa do seu trabalho regular, e porque, embora muitas pessoas tenham participado com entusiasmo e desinteressadamente um certo número de horas de trabalho “voluntário” foi o único caminho para se tornar elegível a compra de bens de consumo duráveis ​​tais como geladeiras etc. Muitos trabalhadores resistiram a este regime. Produtividade do trabalho “voluntário” foi era apenas 10% do trabalho pago, mas ainda sai mais barato do que pagar salários.

Assim como Castro havia afirmado que o aumento da concentração de açúcar era necessário de forma a desenvolver plenamente as forças produtivas necessárias para o comunismo, ele também alegou que o aumento da ênfase no trabalho voluntário também era uma medida comunista. De fato, muitos trabalhadores estavam ficando mais céticos quanto as coisas que estavam funcionando sob o “socialismo”. Durante os anos 60, castro fez o uso da promessa que o “comunismo” iria chegar num futuro próximo (começando em 10 anos, ele falava) e colocaria um fim nos problemas em Cuba.

Isso foi um desuso da palavra “comunismo”. Nenhum trabalho, voluntário ou não, vai mudar as relações capitalistas, que é a principal causa dos problemas de Cuba. E o governo cubano estava usando todos os tipos de meios pervertendo o verdadeiro entusiasmo revolucionário das pessoas.

Na indústria, especialmente entre os trabalhadores qualificados, os salários para muitos postos de trabalho foram cortados, sob o lema, trabalhadores renunciaram bens que hoje são privilégios. Muitas vezes, Castro denunciou este privilégios que esses trabalhadores supostamente desfrutavam sob a gerência Batista (assim como os privilégios que os trabalhadores dos EUA desfrutam). Mas foram os capitalistas que causaram a desigualdade na camada trabalhadora, não para fundamentalmente favorecer alguém, mas sim para pagar o preço mínimo. O princípio socialista “de cada um de acordo com seu trabalho” não diz que todos receberão a mesma quantia, vai depender do trabalho que cada contribuir para a sociedade. Restringir estas diferenças deve ser feito através do aumento geral dos salários – e não cortando os salários.

1933 : os cubanos em Havana comemoram a derrubada o ditador Machado, fantoche dos EUA, depois de uma greve geral nacional e a apreensão armada de muitos engenhos de açúcar, portos e uma usina de aço de propriedade americana. A classe trabalhadora cubana tem uma gloriosa tradição de luta revolucionária contra o imperialismo. Ao prometer o socialismo aos trabalhadores, continuando a prendê-los ao sistema de escravidão assalariada, a burguesia cubana e seus mestres soviéticos estão brincando com fogo. A classe trabalhadora cubana e as pessoas estão a elevar a certeza na revolução e derrubar o regime dos seus opressores e construir uma sociedade socialista genuína.
1933 : os cubanos em Havana comemoram a derrubada o ditador Machado, fantoche dos EUA, depois de uma greve geral nacional e a apreensão armada de muitos engenhos de açúcar, portos e uma usina de aço de propriedade americana. A classe trabalhadora cubana tem uma gloriosa tradição de luta revolucionária contra o imperialismo. Ao prometer o socialismo aos trabalhadores, continuando a prendê-los ao sistema de escravidão assalariada, a burguesia cubana e seus mestres soviéticos estão brincando com fogo. A classe trabalhadora cubana e as pessoas estão a elevar a certeza na revolução e derrubar o regime dos seus opressores e construir uma sociedade socialista genuína.

É a ideia capitalista de “igualdade” entre os trabalhadores que todos deveriam ser igualmente pobres, e que alguns trabalhadores deveriam pagar por qualquer avanços que fazem. Isto, também, foi feito pelo Governo cubano , essa ideia da “construção do socialismo e do comunismo simultaneamente”. Enquanto isso, é claro, as diferenças de classe se arregalaram. Os trabalhadores sofreram corte nos salários para formar uma “sociedade realmente pura”, professores de faculdades, por exemplo, receberão 60% do pagamento, enquanto os gerentes receberão seus lucros de acordo com suas performances.

Mesmo assim, os salários das pessoas não eram o que pareciam . O aluguel era barato e até mesmo gratuito para alguns, e muitos naquela época eram mais barato do que antes . Mas, no final dos anos 60 , os bens eram tão escassos que a quantidade de dinheiro em circulação foi duas vezes o valor dos bens disponíveis no mercado. Muitos salários era inúteis porque não conseguiam comprar nada. (Este problema foi ” resolvido” aumentando os preços).

ECONOMIA EM FRANGALHOS

No final dos anos 1960, a economia cubana estava em ruínas. Em 1964 , após a assinatura do contrato de venda de açúcar para a União Soviética, Castro tinha anunciado que em 1970 Cuba iria colher 10 milhões de toneladas de açúcar por ano. Este plano significava quase triplicar a produção de açúcar.

Um crescimento de 30% da economia estava sendo reinvestido em capital de investimento com foco no desmatamento da cana , na compra de tratores para a cana, na construção de novas usinas para cana, ferrovias, portos de cana – bem como a expansão de outras culturas de exportação e níquel. Após os primeiros dois anos, a produção de açúcar começou a cair bastante. Quanto mais a produção de açúcar caia, mais outros recursos foram transferidos para a produção de açúcar, com os trabalhadores retirados de todos os outros setores. Mesmo as habitações ficaram metade construídas, já que os trabalhadores precisaram ser transferidos para cortar cana.

Mas este plano mostrou ser um pesadelo e os governantes de Cuba estavam numa encrenca. Em seus esforços frenéticos para atingir esse objetivo em que Castro tinha apostado muito publicamente, “a honra da revolução”, muitos homens foram consumidos, assim como máquinas e campos onde 8,5 milhões de toneladas – que foi alcançado em 1970 – chegou a tal custo que nos próximos dois anos, a produção de cana caiu para uma nova baixa na História cubana. E não só eles não receberam as 10 milhões de toneladas, mas em 1970 haviam falhado tanto no envio do açúcar prometido à União Soviética, que depois passaram a dever à URSS 10 milhões de toneladas.

Estatísticas econômicas de Cuba deste período pintavam uma imagem do desastre. A produção industrial do país tinha subido um pouco até 1968, quando a produção de açúcar começou a atingir um pico de febre. Em seguida, ela caiu drasticamente, de acordo com dados cubanos. A produção de aço e sapato, por exemplo, caiu como uma pedra. A produção agrícola, sem contar com a produção de açúcar, caiu um quinto. (Estatísticas cubanas citadas pela ONU). O número de bovinos caiu de 7 milhões para 5 milhões em três anos. Aves e muitos vegetais de Cuba permaneceram escassos.

De acordo com os “especialistas” americanos no assunto, as suas estatísticas mostram que o nível de vida das massas foi lentamente decaindo ao longo dos anos 1960. De acordo com o Governo cubano, o acúmulo de bens de pessoas poderiam ficar sob racionamento (como no caso do leite) e o consumo dos dois produtos mais famosos, o açúcar e os charutos, foram drasticamente reduzidos para sobrar mais para exportação, enquanto os preços de muitos itens de consumo subiam rapidamente. O fato dos trabalhadores não se importarem com a forma como as coisas estavam indo é mostrado pelo ministro cubano do Trabalho que disse que o absentismo no trabalho foi de 2O% ao dia em médiaem 1970. Ele descreveu isso como “resistência passiva difundida”.

Para as massas cubanas, o Governo prometeu 10 milhões de toneladas de colheita que deve produzir a abundância necessária para a libertação econômica de Cuba. Mas a sua gerência e seu fracasso tinham escravizado o povo cubano. Em 1970, o governo cubano devia à URSS mais de $ 2 bilhões de dólares, e os soviéticos estavam exigindo o castigo da carne em retorno.

SOVIÉTICOS LATEM AS ORDENS, CASTRO ESTALA O CHICOTE

O congresso do partido cubano de 1975 foi a consolidação formal da ratificação de muitas das mudanças que o Governo cubano tem vindo a fazer desde o início dos anos 1970. Primeiro e mais importante, houve uma nova repressão contra a classe trabalhadora. Junto com as novas política de salário descrita no início deste artigo, há agora menos ênfase em confiar no entusiasmo das massas e mais em praticar a velha ordem. Isso foi uma decisão de 1973, que reviveu um sistema de punição familiar para os trabalhadores de todo o mundo capitalista: por delitos como absenteísmo, atrasos e negligência e a falta de respeito com os supervisores, os trabalhadores podiam ser punidos por exigir seu salário, sendo desqualificados de determinados lugares, transferidos para outro trabalho, havia adiamento de férias, suspensões temporárias e demissões.

Empresas de açúcar individuais começaram a demitir vários trabalhadores anos atrás para aumentar sua “produtividade”. O presidente cubano Osvaldo Dorticós admitiu no discurso de 1972 que haveria desemprego em duas das provincias mais produtoras de açúcar. Agora, de acordo com o congresso do partido, essa prática ia se tornar muito mais difundida nas outras indústrias.

As decisões do congresso estabeleceram um sistema formal para a execução da economia cubana de acordo com as leis capitalistas. Burocratas e gerentes não vão ser tão livres para obter lucro uma vez que é uma liberdade que até os social-imperialistas não podem comprar. Toda a economia é para ser executada mais “eficiente” agora, com lucro a ser feito a cada passo. Os trabalhadores estão sendo pagos de acordo com a rentabilidade das empresas que eles trabalham (forçá-los a trabalhar não os torna menos explorados). Os gerentes devem ser pagos de acordo com a rentabilidade das empresas que gerem (para que eles possam fazer com que os trabalhadores trabalhassem mais) e aqueles no topo são pagos por recompensas e resultados” – afinal, eles não tem o dever de gerir tudo sozinhos?

O PAPEL DO PARTIDO CUBANO

O governo cubano se espelhou nos revisionistas soviéticos em mais do que apenas a versão “socialista” do capitalismo da economia. A decisão para finalmente organizar um primeiro congresso do Partido Comunista de Cuba dez anos após a sua fundação é um bom exemplo disso.

Quando o partido foi fundado em 1965, seu papel era principalmente formal. Desde que Cuba se transformou supostamente num país “socialista” tinha que ter um Partido Comunista. Isso foi preparado junto com o Movimento 26 de Julho, com o Diretório Revolucionário (um grupo estudantil que tinha pegado em armas contra Batista) e o Partido Popular Socialista, os velhos revisionistas que tinham desistido há muito tempo chamando seu partido comunista e se opondo a luta armada contra Batista até o último minuto, até denunciaram alguns dos estudante à polícia de Batista. Este novo Partido tendo membros raramente conhecidos, poucas pessoas se filiaram e, em geral, foi principalmente um show.

Para a classe trabalhadora, o seu partido é a sua arma fundamental na revolução fazendo a construção do socialismo. Somente através do destacamento organizado da classe de combatentes conscientes podem ter o conhecimento e a experiência do povo trabalhador em  podem formular as políticas que podem levar a classe operária para frente. Os líderes da revolução cubana tem apoio das massas, mas desde que não se classificam como classe trabalhadora, não tinha necessidade de tal partido.

Mas a experiência como uma nova dependência da classe capitalista tornou os trabalhadores mais “realistas” sobre a proteção e o endurecimento da sua regra. O Partido organizou e trouxe para o centro do palco esta classe capitalista que e é guiada por seus interesses e perspectivas. Seus líderes são os governantes do estado,o exército, as fábricas e fazendas. Castro alegou ao Congresso que 40% de seus membros são administradores do Partido em tempo integral, 10% são professores e profissionais da saúde. Quanto aos operários que pertencem as unidades fabris e agrícolas, não sabemos exatamente é operário e quem é camponês e quantos são técnicos e gerentes. Nós sabemos de um discurso anterior que, pelo menos em 1970, o líder do gerente e do partido nessas unidades foram quase sempre as mesmas pessoas e em fazendas estatais, mais frequente ainda, era um oficial do exército.

Mas a maneira que nós podemos dizer a que classe representa um partido não é basicamente pela adesão, mas pelas políticas que realiza e a que classe estas políticas beneficiam. Assim como o atual partido revisionista da União Soviética, esse não era um partido da classe trabalhadora, para servir as leis da classe operária, é um partido da burguesia, para proteger e reforçar sua lei sobre as massas.

“AUTOCRÍTICA” DE CASTRO

Mesmo a chamada “autocrítica” de Castro serviu aos interesses da classe dominante. “Talvez o nosso melhor idealismo”, ele não disse muito tempo atrás, “tem sido acreditar que uma sociedade que vagamente tenta conter o capitalismo poderia entrar numa sociedade em que todos poderiam se comportar de uma forma ética e moral”.

No congresso do partido, Castro continuou este tema: “Revoluções geralmente têm seus períodos utópicos, em que seus protagonistas, dedicados às tarefas nobres de transformar seus sonhos em realidade e colocar seus ideais em prática, supondo que os objetivos históricos são muito mais próximos e que a vontade, desejos e intenções do homem pode realizar qualquer coisa.”

Estas são as verdadeiras reminiscências de uma nova burguesia à procura dos seus primeiros dias. Sua ascensão ao poder começou como uma pequena-burguesia revolucionária. As políticas de seus líderes refletiram a perspectiva da classe, com toda a sua vacilação, subjetivismo, idealismo, pensamento e a impaciência para a mudança rápida e falta de paciência para lutar e todos os esquemas de enriquecimento rápido e outras características que refletem a posição instável da pequena burguesia entre a classe trabalhadora e os capitalistas. Sua “esquerda” nos anos 60 e a sua real, o conservadorismo subjacente e sua transição rápida para abrir o revisionismo em face de dificuldades, é tudo o testemunho dessa perspectiva.

A principal forma idealista que isso tomou certamente não era, como Castro nos quer fazer crer, ter uma alta estimativa das massas das pessoas. Seu idealismo real era que eles esperavam que a sociedade poderia ser alterada só porque eles queriam que, sem os esforços conscientes e organizados das massas, ter os seus milhões. Isso se refletiu na sua teoria de que um “pequeno punhado de homens resolutos”só poderia derrubar o imperialismo dos EUA na América Latina, bem como como pela sua teoria de que a combinação de dinheiro soviético e as idéias de Fidel poderiam trazer o socialismo à Cuba, em vez da luta das próprias massas.

Não foi com idealismo que eles queriam mudar as coisas, nem que eles acreditassem que as coisas poderiam mudar. O que foi mais idealista foi a concepção dos dirigentes cubanos deles poderem manter a divisão capitalista do trabalho com eles no topo, os pensadores e planejadores e administradores de tudo, enquanto as pessoas que trabalham de bom grado levam a cabo os seus planos sem lutarem contra exploração e opressão.

A BURGUESIA DESENVOLVIDA

O que mudou hoje em Cuba que reflete nesta transformação destes rebeldes em uma nova burguesia, é que, enquanto eles ainda mantêm as aparências de “socialismo”, sua experiência em sociedade e sua maneira burguesa ensinou-lhes as perspectivas e métodos de todas as classes dirigentes capitalistas. Eles não mudaram seu idealismo pequeno burguês velho para uma concepção de luta da classe trabalhadora, mas sim para a da própria burguesia. Eles ainda usam retórica e ilusões como um suporte para a sua regra, mas agora contar com a “disciplina do mercado” para fazer os trabalhadores trabalhar, apoiada por toda a coerção e força pura e simples à sua disposição.

“Agora que eles pegaram, deixa eu pegar um pouco também.” Foi assim que Lênin descreveu a perspectiva da pequena burguesia em relação à Rússia. Isso se aplica a Cuba, os pequenos burgueses eram os líderes. Para eles, a vitória sobre os imperialistas não era uma oportunidade para transformar as condições da sociedade e deu origem ao sistema neocolonial. Ficaram cada vez mais dependente com base na sua própria perspectiva de classe e com as condições prontamente fornecidas pelos revisionistas soviéticos, estes rebeldes tornaram-se uma burguesia compradora  – dependente dos imperialistas soviéticos.

O comércio de Cuba com as figuras do bloco soviético nos últimos anos é quase o mesmo que era uma vez com os EUA. As exportações ainda compõem um terço da produção da ilha (e mais da metade é açúcar), a maior parte destes produtos vai para o bloco soviético.

Embora a terra fértil é para produção de açúcar, o alimento permanece na longa lista de coisas que Cuba deve comprar do exterior. Este fato é um obstáculo constante no seu desenvolvimento. A dívida cubana com a URSS é agora mais de 5 bilhões de dólares e o pagamento fez colocar ainda mais esforços para aumentar a produção de açúcar. Recentemente os cubanos se juntaram ao Comecon, que tem sido o principal veículo para a dominação econômica soviética no Leste Europa. Este ciclo interminável de dependência, da dívida e ainda mais dependência e da economia uma cultura em seu centro, é a identidade que unifica muitos outros países da América Latina com os EUA

O PAPEL POLÍTICO DE CUBA

Estes são os aspectos econômicos imperialistas que ditam Cuba, o presente papel político no mundo como uma ferramenta, um fantoche, usado pelo social-imperialismo soviético para avançar seus interesses em todos os lugares.

Para os soviéticos, Cuba é um investimento de longo prazo com lucros esperados como um benefício econômico. Seria até concebível que a URSS pudesse perder dinheiro, a curto executar, em seus investimentos. Mas isso não afetaria a dependência colonial de Cuba da União Soviética. Potências imperialistas frequentemente subordinam seu lucro imediato em qualquer país particular por conta de suas políticas globais. Um bom exemplo disto é Israel, onde os EUA derramou em bilhões de dólares, mais do que jamais poderia esperar espremer para fora do controle da economia israelense sozinho. O verdadeiro valor de Israel para os EUA é primariamente como uma ferramenta política e militar com que para proteger suas vastas explorações no Oriente Médio.

Os imperialistas soviéticos certamente esperam um retorno monetário de lucro do seu investimento cubano. Mas o real valor de Cuba para eles agora é que, vestido com o traje revolucionário anti-EUA, é uma ferramenta fundamental na direção soviética para substituir a dominação mundial do imperialismo norte-americano com a sua própria, tudo em nome da revolução e do comunismo.

Não contente em descansar sobre os louros de Angola, Castro foi a uma excursão Africana no início de 1977, visitando oito países. Ao mesmo tempo, com um percurso ligeiramente diferente, o Presidente soviético também tomou um safari Africano. Juntos, os dois tentaram perverter as lutas de libertação africanas para benefício do social-imperialismo. Quando Castro chegou a Moscou para apresentar seu relatório o chefe soviético Leonid Brejnev abraçou e felicitou-o .
Não contente em descansar sobre os louros de Angola, Castro foi a uma excursão Africana no início de 1977, visitando oito países. Ao mesmo tempo, com um percurso ligeiramente diferente, o Presidente soviético também tomou um safari Africano. Juntos, os dois tentaram perverter as lutas de libertação africanas para benefício do social-imperialismo. Quando Castro chegou a Moscou para apresentar seu relatório o chefe soviético Leonid Brejnev abraçou e felicitou-o .

CREDENCIAIS “REVOLUCIONÁRIAS”

Como um país que tem feito uma revolução contra os EUA e tentou de alguma forma reforçar as suas credenciais “revolucionárias”, Cuba é capaz de fazer avançar a causa dos imperialistas soviéticos em muitas áreas onde a URSS não pode agir de forma tão aberta em seu próprio nome.

Parte do serviço de Cuba é proporcionar uma capa e contra-atacar a exposição e denúncia dos imperialistas soviéticos: a chamar as coisas suas imd opostos esconder a sua verdadeira natureza.

Cuba foi particularmente importante na Conferência dos Países Não-Alinhados na Argélia em 1973, quando o príncipe da Camboja Sihanouk denunciou a URSS como cúmplice da agressão dos EUA contra Camboja. Castro levantou-se e lançou um ataque contra Sihanouk e outros e fez uma defesa amargurado dos soviéticos, retratando-os como  aliados incondicional dos oprimidos.

Hoje, os líderes cubanos estão jogando este jogo mais descaradamente do que antes. No congresso do partido de 1975, Castro disse “não tem nenhum verdadeiro revolucionário, em qualquer parte do mundo, nunca vai se arrepender do quanto a URSS é poderosa, porque se esse poder não existe… As pessoas que lutaram pela libertação nos últimos 30 anos não tiveram chances de ter uma ajuda decisiva… e todas as pequenas nações, subdesenvolvidas que existem teriam se transformado em colônias mais uma vez.

A mensagem por trás disso é alta e clara: países subdesenvolvidos não podem vencer sem libertação dependendo da União Soviética. Esta chamada ao mundo a seguir o “modelo cubano” foi um serviço muito importante para os soviéticos que estão tentando perverter a força dos oprimidos contra o imperialismo dos EUA para servir ao seu próprio propósito de substituir os EUA como o maior explorador e opressor.

Mas é claro que os governantes soviéticos não estão contando fundamentalmente nos discursos de Fidel para fazer avançar os seus interesses. Mais e mais, como os imperialistas norte-americanos, eles estão contando com armas. E aqui também, os líderes cubanos virama luz do realismo soviético.

INTERVENÇÃO ARMADA NA ANGOLA

As milhares de tropas cubanas que acompanham os tanques soviéticos em Angola são apenas um dos muitos pagamentos da decisão da classe cubana aos mestres soviéticos.

Não apenas os social-imperialistas usaram as tropas cubanas para trazer a Angola para seu controle. Eles tentaram vender isto como “internacionalismo proletário” e eles foram muito longe a ponto de retratar Cuba como exemplo que as bênçãos estão garantidas com a União Soviética se aceitarem suas orientações e sua “ajuda”. Mas o fato de que centenas de soldados cubanos estão sendo enviados para lutar e morrer como marionetes neste crime contra-revolucionário é uma tremenda amostra do imperialismo soviético que não pode se esconder.

Os imperialistas soviéticos dizem que os trabalhadores e as massas são destinadas a ficarem acorrentadas, a não ser que eles recebam “ajuda” soviética e obedeçam suas orientações. Os imperialistas dos EUA , cuja própria ajuda econômica e militar tem sido muito utilizada para escravizar e reforçar os laços de opressão dos muitos povos fazem a mesmo coisa – se os oprimidos e explorados de um país ousam se levantar contra “proteção” dos EUA, então têm a certeza de que aconteceria o mesmo com os chacais soviéticos.

Mas a lição mais importante a ser aprendida com o fracasso da revolução cubana é justamente o oposto dessa lógica imperialista. As massas em cada país podem libertar-se e avançar a causa de toda a humanidade libertando apenas com base principalmente em seus próprios esforços e não com a “ajuda” de exploradores do mundo – tomando o caminho da revolução proletária.

Anúncios

Um comentário sobre “Cuba, a evaporação de um mito – da revolução antiimperialista a peão do social-imperialismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s