A rebelião se justifica! Denunciamos mais uma vez a farsa dos novos julgamentos e a condenação contra o presidente Gonzalo (MPP (CR), 2018)

Tradução não-oficial


A rebelião se justifica!

Denunciamos uma vez mais a farsa dos novos julgamentos e a condenação contra o presidente Gonzalo

 Os monopólios dos meios de comunicação no país informaram que o colegiado “A” da Sala Penal Nacional condenou na terça-feira (11 de setembro) à prisão perpétua o presidente Gonzalo juntamente a outros 9 acusados, pela autoria mediada do atentado na rua Tarata, em Miraflores, em 16 de julho de 1992.

Continuar lendo “A rebelião se justifica! Denunciamos mais uma vez a farsa dos novos julgamentos e a condenação contra o presidente Gonzalo (MPP (CR), 2018)”

A disciplina do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – Parte VIII)

Nota do blog: Publicamos a seguir o oitavo capítulo do importante documento do Partido Comunista da China, intitulado Uma compreensão básica do Partido, datado de 1974, num esforço de sintetizar a Base de Unidade Partidária, os princípios, estratégia, tática e métodos adotados pelo Partido para fazer a Revolução, prevenir-se do revisionismo, aplastar a restauração capitalista e seguir a via socialista. Publicamos objetivando servir melhor à formação ideológica e política, sobretudo da juventude.

Os capítulos anteriores: I, II, III, IV, V, VI e VII.

Tradução não oficial, realizada voluntariamente por uma leitora.


Capítulo VIII
A disciplina do Partido

Os Estatutos do Partido estipulam: “Todo o Partido deve observar a disciplina unificada: o indivíduo está subordinado à organização, a minoria está subordinada à maioria, o nível inferior está subordinado ao nível superior e todo o Partido está subordinado ao Comitê Central”. A disciplina do Partido é uma condição necessária para garantir a implementação da linha, para fortalecer a unidade e a consolidação do Partido, para refinar sua organização, consolidar a ditadura do proletariado e lograr a vitória na revolução. Todo membro do Partido Comunista deve submeter-se conscientemente a esta disciplina e mantê-la.

Continuar lendo “A disciplina do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – Parte VIII)”

O centralismo democrático do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – Parte VII)

Nota do blog: Publicamos a seguir o sétimo capítulo do importante documento do Partido Comunista da China, intitulado Uma compreensão básica do Partido, datado de 1974, num esforço de sintetizar a Base de Unidade Partidária, os princípios, estratégia, tática e métodos adotados pelo Partido para fazer a Revolução, prevenir-se do revisionismo, aplastar a restauração capitalista e seguir a via socialista. Publicamos objetivando servir melhor à formação ideológica e política, sobretudo da juventude.

Os capítulos anteriores: I, II, III, IV, V e VI.

Tradução não oficial, realizada voluntariamente por uma leitora.


Capítulo VII
O centralismo democrático do Partido

Os estatutos do Partido declaram: “O princípio organizativo do Partido é o centralismo democrático”. Implementar conscientemente o centralismo democrático é de grande importância para organizar a unidade do Partido, fortalecer sua liderança centralizada, aumentar sua capacidade de combate e revigorar a vida do Partido. Todos os comunistas devem compreender cabalmente o significado e o papel do centralismo democrático no Partido e esforçarem-se por elevar seu nível de consciência sobre como aplica-lo.

Continuar lendo “O centralismo democrático do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – Parte VII)”

Lenin militante ilegal (B. Vasiliev e M. Kedrov)

CONTEÚDO

 I – LENIN E A AÇÃO CLANDESTINA

-MÉTODOS DE MAQUIAGEM DO CAMARADA LENIN

-NÃO CHAMAR A ATENÇÃO

-A DESPEITO DA CLANDESTINIDADE

-MUDANÇA DO ASPECTO EXTERNO

-CORRESPONDÊNCIA CLANDESTINA

-TRANSPORTES ILEGAIS

-A TRAVESSIA DA FRONTEIRA

-PARTICIPAÇÃO NAS REUNIÕES CLANDESTINAS

 II – O que disse Lenin sobre a estrutura orgânica e os métodos de edificação de um partido ilegal – Que fazer?

 -PRINCÍPIOS DE ORGANIZAÇÃO DE UM PARTIDO COMUNISTA ILEGAL

-CENTRALIZAÇÃO DA DIREÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DAS FUNÇÕES

-AS ORGANIZAÇÕES AUXILIARES PRÓXIMAS AO PARTIDO

-A CÉLULA DE FÁBRICA

-MAIS SOBRE A CENTRALIZAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES ILEGAIS DO PARTIDO

-LENIN E OS SINDICATOS ILEGAIS

-O ÓRGÃO CENTRAL

-RESOLUÇÃO DE 1908, RELATIVA A ORGANIZAÇÃO

-RESOLUÇÃO DE 1913, SOBRE ORGANIZAÇÃO

 III – LENIN E AS FORMAS SUPERIORES DA LUTA DE CLASSES

 -CARTA DO CAMARADA LENIN AO COMITÊ DE PETERSBURGO

-OS ENSINAMENTOS DA INSURREIÇÃO DE MOSCOU

-OS SOVIETS COMO ÓRGÃOS DA INSURREIÇÃO

-AS ORGANIZAÇÕES MILITARES

-1917


I – Lenin e a ação clandestina

 

 Vladimir Ilich não foi somente o criador e chefe do grande Partido Bolchevique, mas também um notável revolucionário prático, e sua longa experiência no trabalho revolucionário [o confirma]. Neste capítulo aproveitamos a rica literatura sobre as memórias do camarada Lenin que caracterizam sua atividade de militante ilegal e, especialmente, as recordações de pessoas de sua intimidade: N. K. Krupskaia e as irmãs de Lenin, Maria e Ana.

Continuar lendo “Lenin militante ilegal (B. Vasiliev e M. Kedrov)”

Os princípios básicos do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – parte V)

Nota do blog: Publicamos a seguir o quinto capítulo do importante documento do Partido Comunista da China, intitulado Uma compreensão básica do Partido, datado de 1974, num esforço de sintetizar a Base de Unidade Partidária, os princípios, estratégia, tática e métodos adotados pelo Partido para fazer a Revolução, prevenir-se do revisionismo, aplastar a restauração capitalista e seguir a via socialista. Publicamos objetivando servir melhor à formação ideológica e política, sobretudo da juventude.

Os capítulos anteriores: I, II, III e IV.

Tradução não oficial, realizada voluntariamente por uma leitora.


Capítulo V – Os princípios básicos do Partido de “os três o que fazer e os três o que não fazer”

Os Estatutos do Partido planteiam que os camaradas devem aderir aos princípios de “praticar o marxismo e não o revisionismo, unir-nos e não dividir-nos, e ser francos e abertos e não urdir intrigas nem maquinações”. Estes três princípios sobre o que fazer e o que não fazer representam uma profunda síntese da experiência histórica do nosso grande líder, o Presidente Mao, à respeito das duas linhas no Partido. Eles distinguem a norma que nos permite distinguir a linha correta da linha incorreta.  São os três princípios básicos que os membros do Partido devem respeitar. Todo membro do Partido deve ter sempre em mente estes três princípios e aderir a eles para travar a luta de duas linhas dentro do Partido ativamente e de maneira correta.

Praticar o marxismo e não o revisionismo

Destes três princípios formulados pelo Presidente Mao sobre o que há que fazer e o que há que não fazer, o mais fundamental é praticar o marxismo e não o revisionismo. Uma pessoa que pratica o marxismo e não o revisionismo e que serve de todo coração aos interesses da ampla maioria da população da China e do mundo, necessariamente trabalha pela unidade e é franca e aberta; uma pessoa que pratica o revisionismo e serve à minoria dos elementos das classes exploradoras. inevitavelmente trabalha pela cisão e toma parte em intrigas e maquinações.

Por mais de 50 anos, as lutas dentro do nosso Partido entre a linha marxista representada pelo Presidente Mao e as diversas linhas oportunistas sempre têm sido, em última instância, sobre a questão de se praticar o marxismo ou o revisionismo. Esta é uma importante questão à respeito do futuro da revolução proletária, do caráter do partido político proletário e do destino do Estado da ditadura do proletariado. É por isso que o princípio de “Praticar o marxismo e não o revisionismo” (79) é essencial para construir o partido político do proletariado – constitui a orientação política à qual devemos aderir e a garantia de que nosso Partido e nosso Estado nunca mudará seu caráter.

Continuar lendo “Os princípios básicos do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – parte V)”

A linha básica do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – parte IV)

Nota do blog: Publicamos a seguir o quarto capítulo do importante documento do Partido Comunista da China, intitulado Uma compreensão básica do Partido, datado de 1974, num esforço de sintetizar a Base de Unidade Partidária, os princípios, estratégia, tática e métodos adotados pelo Partido para fazer a Revolução, prevenir-se do revisionismo, aplastar a restauração capitalista e seguir a via socialista. Publicamos objetivando servir melhor à formação ideológica e política, sobretudo da juventude.

Os capítulos anteriores: I, II e III.

Tradução não oficial, realizada voluntariamente por uma leitora.


Capítulo IV – A linha básica do Partido

Os Estatutos do Partido adotados durante o X Congresso reafirmaram uma vez mais a linha básica do Partido para todo o período histórico do socialismo. Todos os membros do Partido devem estudar conscientemente esta linha básica, compreendê-la em profundidade e elevar seu nível de consciência quanto a como aplicá-la.

A linha básica é a alma do Partido

O Presidente Mao nos ensina que: “ser ou não correta a linha ideológica e política, é o que decide tudo” (60) e que “para levar a revolução à vitória, um partido político deve depender do correto de sua própria linha política e da solidez de sua própria organização”. (61) Isto nos mostra claramente que se o partido político proletário quer levar a causa revolucionária à vitória, deve necessariamente defender uma linha marxista-leninista. Se a linha do partido é correta, então ainda quando não tenha soldados, os terá; ainda que não tenha o poder, tomará o poder. Se a linha de um partido é incorreta, então embora controle os governos nacional e local e controle o exército, enfrentará sua queda. Esta é uma verdade que as experiências históricas de nosso Partido e do movimento comunista internacional corroboraram repetidamente.

Continuar lendo “A linha básica do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – parte IV)”

O programa básico e a meta final do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – parte III)

Nota do blog: Publicamos a seguir o terceiro capítulo do importante documento do Partido Comunista da China, intitulado Uma compreensão básica do Partido, datado de 1974, num esforço de sintetizar a Base de Unidade Partidária, os princípios, estratégia, tática e métodos adotados pelo Partido para fazer a Revolução, prevenir-se do revisionismo, aplastar a restauração capitalista e seguir a via socialista. Publicamos objetivando servir melhor à formação ideológica e política, sobretudo da juventude.

Aqui os capítulos I e II.

Tradução não oficial, realizada voluntariamente por uma leitora.


 Capítulo III – O programa básico e a meta final do Partido

Os Estatutos do Partido planteiam: “O programa básico do Partido Comunista da China é a completa derrocada da burguesia e todas as demais classes exploradoras, é o estabelecimento da ditadura do proletariado em lugar da ditadura do burguesia e o triunfo do socialismo sobre o capitalismo. O objetivo último do Partido é a realização do comunismo”. Nós, membros do Partido Comunista, devemos todos compreender cabalmente o programa básico e a meta final do Partido e lutar toda nossa vida pela realização do comunismo.

O comunismo é o nobre ideal do proletariado

O Presidente Mao assinalou: “O comunismo é por sua vez um sistema completo de ideologia proletária e um novo sistema social. É diferente de qualquer outra ideologia ou sistema social, e é o mais completo, progressista  revolucionário e raconal sistema na história humana”. (44)

Por que aplicar todos estes adjetivos à sociedade comunista? A resposta é a seguinte:

A sociedade comunista é uma sociedade em que as classes e as diferenças de classes foram eliminadas. Sob o comunismo,, todas as classes exploradoras, todas as diferenças de classe, assim como as diferenças entre operários e camponeses, entre a cidade e o campo, entre trabalho manual e trabalho intelectual, foram eliminadas, ficando os meios de produção sob a propriedade comunista centralizada.

Continuar lendo “O programa básico e a meta final do Partido (Partido Comunista da China, 1974 – parte III)”

O capitalismo no desenvolvimento econômico da sociedade (L. Segal, parte V)

Nota do blog: Publicamos a seguir a quinta parte do Manual soviético intitulado O desenvolvimento econômico da sociedade, num esforço de síntese da tese marxista sobre a história da civilização humana com base no materialismo histórico dialético. Aqui estão as partes I, II, III e IV.


(…)

  1. O capitalismo

O capitalismo desenvolveu-se economicamente, ao surgir a produção mercantil, em substituição à economia natural do sistema feudal. Sob os regimes da escravidão e do feudalismo, de fato, existiu a troca de produtos, o dinheiro e o comércio, em geral. Mas a maior parte dos produtos não era destinada ao mercado. Sob o capitalismo é que a produção mercantil se converteu num modo de produção generalizado e dominante. O capitalismo fez desenvolver-se amplamente a divisão social do trabalho. Da manufatura capitalista, na qual o trabalho manual constituía a base da produção, surgiu a fábrica capitalista, pro- vida de maquinismos potentes.

A produtividade do trabalho aumentou consideravelmente. Surgiram novas mercadorias e cresceu o número de indústrias. O capitalismo destruiu parte dos antigos modos de produção e o restante foi incorporado ao seu próprio mecanismo. Promoveu o desenvolvimento dos meios de comunicação, penetrou em todos os rincões do globo e criou um mercado e uma economia capitalista de caráter mundial.

Continuar lendo “O capitalismo no desenvolvimento econômico da sociedade (L. Segal, parte V)”