Como a revolução maoista acabou com o vício em drogas na China

Nota do blog: Para contribuir com o debate acerca do problema das drogas e afastar a influência da dicotomia simplista e reformista que se baseia em “legalizar ou criminalizar”, reproduzimos o seguinte artigo publicado no site “Revolution”, sobre a experiência da China de Mao Tsetung no combate às drogas. Traduzido para o blog através de um companheiro.


Como a revolução maoista acabou com o vício em drogas na China

por C. Clark Kissinger

Chineses viciados em Ópio, antes da Revolução chinesa.

Nos Estados Unidos de hoje, acabar com o vício das drogas parece impossível. O sistema afirma ser “combatente as drogas” – com policiais, novos medicamentos, religião, novas terapias, e campanhas de “diga não”. Mas apesar de tudo isto o problema da droga não vai embora – enquanto agentes da polícia armados assediam e brutalizam o povo.

Por quê? Porque este sistema de “cão come cão” causa uso de drogas, e as forças poderosas de dentro do sistema lucram com a de vendas de drogas. A produção, o transporte e a venda de drogas é um negócio de bilhões de dólares. Ele é administrado por grandes capitalistas que têm laços em todo o governo dos Estados Unidos, com a CIA e a polícia. Enquanto isso, os g overnantes deste sistema culpam as pessoas para com o “problema das drogas” – especialmente os jovens pobres do gueto.

Maoistas dizem: todas as opressões, incluindo o vício em drogas, podem ser derrubadas!

Como nós sabemos? Porque depois que a revolução maoista ganhou na China, em 1949, as próprias pessoas lideradas pelo Partido Comunista da China usaram métodos maoistas para acabar com a dependência de drogas. Esta experiência e estes métodos são muito relevantes para o mundo de hoje!

Revolucionários de todo o planeta estão a estudar as contribuições de Mao Tsetung, o maior revolucionário do nosso tempo. E eles estão ensinando as pessoas como a teoria e prática de Mao podem mostrar as pessoas de hoje como libertar-se. No 100º aniversário de Mao, 26 de dezembro de 1993, celebrações do Centenário Mao ocorreram com entusiasmo.

Esta história de como a Revolução Maoista terminou com o vício em drogas mostra que “quando a revolução tem seu dia, as pessoas vêem as coisas de forma diferente.”

A CHINA ANTIGA TEVE O MAIOR PROBLEMA COM CONSUMO DE DROGAS DO MUNDO

Antes da revolução de Mao ganhar, em 1949, o povo da China eram miseravelmente pobre, governado por um punhado de ricos proprietários, senhores da guerra e os capitalistas estrangeiros.

Sob essa velha sociedade, muitas pessoas foram amarradas ao cachimbo. Havia 70 milhões de viciados na China – viciados em ópio, morfina e heroína. Trabalhadores famintos utilizavam dos delírios do doce ópio para cobrir a dor da fome e desesperança. E os ricos preguiçosos usavam drogas para encher suas horas vagas. Em algumas áreas todos, mesmo crianças, fumavam ópio. Nas cidades, pequenas garrafas de drogas eram vendidas nas esquinas como sorvete. As pessoas ficavam entorpecidas no trabalho.

As pessoas da China antiga sofreram terrivelmente com este vício das drogas. Muitas pessoas pobres utilizavam seus tostões no cachimbo em vez de alimentos. Viciados muitas vezes abandonavam seus filhos ou até mesmo vendiam seus filhos para comprar mais drogas. Mulheres viciadas muitas vezes eram forçados a se tornarem prostitutas e muitas morriam de doenças.

COMO O SISTEMA COMEÇOU ESTE VÍCIO EM DROGAS

As drogas foram forçados na China pelos colonialistas ricos da Europa e América. O governo britânico ainda travada a famosa Guerra do Ópio, em 1839, para forçar a China a aceitar o ópio trazido em navios ingleses. Malcolm X escreveu: “Imagina! Declare guerra contra alguém que tem objeção a ser narcotizado!”

Este tráfico de drogas começou porque grandes capitalistas poderiam fazer fortunas vendendo drogas que causam dependência, e porque os governos colonialistas precisavam do comércio para financiar a sua aquisição da própria China. As autoridades corruptas chinesas também lucrararam muito, ajudando os capitalistas estrangeiros a escravizar o povo. Isto é semelhante à forma como a classe dominante dos EUA ajudou a criar a praga mundial de hoje do vício em drogas. A classe dominante dos EUA está ligado ao tráfico de drogas em todos os níveis – muitas vezes eles organizam, financiam e defendem. Na década de 1960, a CIA inundou comunidades oprimidas com heroína para pagar por sua guerra secreta no Laos. Em seguida, na década de 1980 de Reagan, a CIA ampliou o tráfico de cocaína para financiar sua guerra secreta contra a Nicarágua. Empresas farmacêuticas dos EUA lucram com velocidade e infortúnios vendidos de forma legal e “ilegal”. A ligação oficial vai até o nível da rua – onde policiais exigem a “sua parte” dos lucros da droga.

A experiência da China e dos EUA mostra porque este sistema nunca pode resolver os problemas do vício das drogas. O sistema cria o sofrimento e o isolamento que faz com que muitas pessoas fujam para as drogas. O sistema utiliza o vício para enfraquecer o povo e escravizá-lo. E todos os tipos de capitalistas e funcionários, em seguida, fazem muito dinheiro das drogas. Em suma, este sistema provoca dependência e lucra a partir dele.

Na China, a revolução maoista terminou com o vício rapidamente. Os exércitos revolucionários de Mao derrotaram os exércitos dos opressores em 1949. Três anos depois, em 1952, não havia mais viciados, não há mais empurradores, não mais papoulas de ópio cultivado, e não há mais drogas contrabandeadas. Em apenas três anos curtos China passou de 70 milhão de viciados em drogas para nenhum.

COMO A REVOLUÇÃO MAOISTA DEU FIM AO VÍCIO?

Na China, a revolução criou um Exército de Libertação Popular e, em seguida, um novo Governo Popular. Este governo e as massas revolucionárias foram levados pela vanguarda do partido maoista, o Partido Comunista da China. Quando a revolução venceu, em 1949, o poder na sociedade serviu às pessoas, pela primeira vez, e não os opressores. Havia grandes problemas de todos os tipos, que sobraram da antiga sociedade. Mas agora que era possível para as pessoas organizar-se em seus próprios interesses para resolver esses problemas.

Desde os primeiros meses do novo poder, a revolução maoista utilizou-se do método de massas para acabar com o vício. Esta campanha não era com assistentes sociais tratando mal as pessoas ou com punições. Os comunistas revolucionários contavam com as massas de pessoas – de todas cidades e do campo – a organizar-se para acabar com a fabricação de drogas, venda e uso.

Os revolucionários maoistas chamavam os próprios viciados para avançar, chutar o seu hábito e juntar-se à luta por uma nova sociedade. Os revolucionários maoistas organizaram as pessoas das comunidades para lutar com seus irmãos e irmãs viciados: persuadi-los e educá-los. Ex-viciados e suas famílias se juntavam a grandes marchas e comícios. Drogas foram queimados em festas do bairro. As crianças foram organizadas em suas escolas. O novo poder significava que os jornais e rádio foram mobilizados para apoiar a campanha revolucionária.

Era difícil largar o vício, e muitos viciados resistiram à primeira vista. Mas as massas sabiam se um viciado ainda estava usando drogas. Crianças argumentavam com os pais. Esposas com maridos. Todos pediam aos viciados para se ajustar à nova sociedade.

Ao mesmo tempo, os revolucionários organizaram o povo para arrebentar as redes de empresas que vendiam drogas para as pessoas. Isto significava que os fornecimentos foram desaparecendo – que estava ficando cada vez mais difícil para os viciados ficarem altos.

Em suma, a luta contra vícios das drogas se tornou um movimento de massa em grande escala – o tipo de movimento de massa que só um verdadeiro governo revolucionário do povo pode criar.

ENCERRAR A TOXICODEPENDÊNCIA É PARTE DA LUTA DE CLASSES

Mao Tsetung disse “una todos os que podem se unir contra o inimigo real.” Na China, a vanguarda ensinou as pessoas que acabar com a dependência de drogas era parte da luta de classes contra a velha sociedade – e as pessoas foram instados a fazer distinções claras entre o povo e o inimigo.

Os maoistas disseram que o sistema e os seus apoiantes devem ser considerados inimigos, e que os viciados devem ser considerados parte do povo e devem ser tratados como vítimas do sistema. Esta é a abordagem oposta em relação aos policiais e a maioria dos pregadores religiosos que agem como “o sistema é OK” e que tratam viciados como lixo humano e criminosos.

Devido a estas diferenças de classe, os viciados não foram presos quando eles “vieram a público”. Em vez disso, as pessoas elogiaram os viciados para fazer a coisa certa e revolucionária. Porque as pessoas estavam no poder, os viciados, eventualmente perderam o medo de procurar ajuda. Prazos foram definidos: os viciados tinham vários meses para ficarem limpos. Durante este período, eles poderiam manter um pouco de ópio e eles receberam injeções para aliviar as cãibras musculares de abstinência.

O governo revolucionário de Mao também disse que os pequenos traficantes de drogas não seriam tratados como inimigos do povo – se estes pequenos operadores ajudassem a acabar com o comércio de drogas. O governo revolucionário ofereceu um trato único com os pequenos traficantes: o governo de Mao compraria todo estoque que os pequenos comerciantes e os produtores tinham. Em troca, estes pequenos operadores tinham que sair do negócio das drogas para sempre. Alguns pequenos traficantes de drogas resistiram a este negócio – eles foram chamados pelo povo e presos. Alguns foram colocados sob vigilância constante do bairro, outros foram para a prisão para serem reeducados.

Esta política revolucionária tratava todos os pobres como irmãos e irmãs. Pobres viciados e comerciantes tiveram uma saída do tráfico de drogas. Foram dados empregos e foram encorajados a aderir à luta por uma nova sociedade.

Uma abordagem diferente foi tomada para os grandes traficantes de drogas que ficaram ricos fora o sofrimento das pessoas. Eles foram classificados como “inimigos do povo”. Esses criminosos foram levados a julgamento na frente de milhares de pessoas. Pessoas cujas vidas foram arruinadas pelas drogas testemunharam contra eles. Esses opressores fria JUSTIÇA: prisão perpétua ou execução pública. Não foram muitas as execuções – apenas cinco ou dez nas grandes cidades.

CAMPANHA ANTI-VÍCIO DE MAO FOI UM GRANDE SUCESSO

Até o final de 1951, a Agência de Notícias Nova China anunciou que o problema da droga tinha sido “fundamentalmente exterminado” no norte da China (que tinha sido libertada em primeiro). O sul da China, que incluía muitas áreas que cultivam a papoula, demorou cerca de mais um ano.

O fato de que havia um novo poder estatal revolucionário tornou tudo isso possível: houve novo dinheiro emitido e controle revolucionário de serviços bancários que cessou com a lavagem de dinheiro. A disciplina e a consciência do movimento revolucionário significou que os traficantes de drogas não poderia comprar (subornar) as pessoas do novo governo. E o desenvolvimento de uma nova economia socialista significava que era possível dar emprego e eliminar a pobreza que obrigou as pessoas para o tráfico de drogas.

A China não tinha quase nenhum vício em drogas por mais de vinte anos. Em seguida, ele voltou, depois de 1976. Isto porque a revolução maoista foi derrubada. Assim que o velho capitalismo voltou, a dependência de drogas começou a reaparecer. De uma forma amarga, esta restauração capitalista também mostra como você não pode libertar o povo sem fazer a revolução e então permanecer na estrada revolucionária.

A revolução maoista rejeitou toda a abordagem burguesa às drogas: o maoismo não é sobre algumas reformas, “algum dinheiro para a reabilitação de drogas”. Não se trata de soluções individuais através da terapia sozinha. Não se trata de encher prisões com viciados, permitindo grandes capitalistas ficarem ricos com o comércio de drogas. Não é sobre a hipocrisia e o moralismo inútil dos pregadores. Qualquer conversa sobre como se livrar das drogas, sem revolução proletária é apenas um sonho.

A revolução de Mao foi sobre soluções reais – foi sobre como parar a terrível escravidão às drogas, e parar o comércio capitalista das drogas que lucrava com o sofrimento das pessoas. E de acabar com muitas outras opressões também. Usando métodos maoistas, as massas revolucionárias se livraram da prostituição, venda de crianças, a pobreza brutal, o analfabetismo, o desemprego, o espancamento da esposa, crime, violência policial, e assim por diante. A revolução mudou completamente a vida e o pensamento de milhões e milhões de pessoas. Isso levou as pessoas a fazerem coisas que eram impensáveis apenas alguns anos antes.

A Revolução maoista funciona porque ela vai à raiz dos problemas: revolução maoista derruba os opressores e seu sistema antigo, e depois depende de as massas para continuar a revolução e construir uma sociedade totalmente nova.

Isso é o que vai haver aqui também: uma revolução. A mudança real é necessária há tempos


Publicação original (inglês): http://revcom.us/a/china/opium.htm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s